FCCDA recebe a partir desta quinta-feira a exposição “Drummond: fala, fala, fala”

Versos, poesias e crônicas recitadas por Carlos Drummond de Andrade (CDA) pelo telefone. Essa é a máxima da exposição “Drummond: fala, fala, fala” que chega a Itabira, Minas Gerais, na quinta-feira, 19 de abril, na Galeria da Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade (FCCDA). A abertura da mostra acontece às 18h.

Como parte da programação de abertura, será promovida uma mesa-redonda, às 19h30, no Teatro da FCCDA, sobre o livro “Uma Forma de Saudade”, com a participação dos jornalista Edmilson Caminha e Humberto Werneck; do curador da exposição e neto de CDA, Pedro Augusto Graña Drummond; e Otávia Senhorinha de Andrade Müller.

Todos os participantes tiveram algum tipo de convivência com CDA. Humberto Werneck, por exemplo, fez uma capa da revista Veja com Drummond, nos anos 1970 (quando o poeta completava 75 anos, em outubro de 1977), depois voltou a entrevistá-lo para a revista IstoÉ. Já Edmílson Caminha, hoje com três livros publicados sobre o poeta, conquistou a amizade de CDA ao mandar um doce de caju que sua tia fazia no Ceará. O debate é aberto ao público e promete agradar aos fãs do Poeta Maior.

Após a mesa-redonda acontece apresentação da peça “Uma Forma de Saudade”, da Companhia Itabirana de Teatro e inspirado na obra de Drummond. A equipe de robótica da Universidade Federal de Itajubá (Unifei) – campus Itabira, Drummonster, também fará uma exibição.

A exposição ficará na FCCDA até o dia 15 de junho, com visitação de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

Entenda

A exposição “Drummond: fala, fala, fala” chega a Itabira por meio de uma parceria entre o Governo Municipal, a Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade (FCCDA), a família de CDA e a equipe de robótica Drummonsters, da Unifei Itabira.

Idealizada pelo neto do poeta, Pedro Augusto Graña Drummond, a mostra conta com telefones nos quais os visitantes podem escutar versos, crônicas e poesias de CDA, além de alguns diálogos do itabirano com a filha Maria Julieta, em sua própria voz.

Uma curiosidade: seis aparelhos telefônicos antigos que integram a exposição pertenceram ao Poeta Maior. Coube à equipe Drummonsters desenvolver os sensores para montagem da mostra.

Confira a programação de abertura da exposição “Drummond: fala, fala, fala”:

Quinta-feira, 19 de abril:

  • 18h – Abertura da exposição “Drummond: fala, fala, fala”;
  • 18h30 – Apresentação e demonstração do grupo Drummonsters;
  • 19h30 – Mesa-redonda sobre o livro “Uma forma de saudade”, com Humberto Werneck, Otávia Senhorinha Müller de Andrade, Pedro Augusto Graña Drummond e Edmílson Caminha;
  • 20h30 – Apresentação de “Uma Forma de Saudade”, pela Companhia Itabirana de Teatro.

LEIA MAIS

 

Comentários