Quer saber como escolher melhor os vinhos? Confira as nossas dicas!

O outono chegou e com ele começam a surgir temperaturas mais frias. Nessa época do ano, o vinho se torna uma excelente pedida para acompanhar um jantar ou regar aquela conversa com os amigos. Porém, existem diversos rótulos disponíveis no mercado e é normal acontecer um pouco de confusão na hora de comprar uma garrafa.

Para escolher um bom rótulo não é preciso ser nenhum especialista – e, muito menos, entender de degustação. Mas é certo que algumas informações simples ajudam na hora de se decidir entre a enorme variedade oferecida por supermercados ou lojas especializadas. E sem acabar comprando um vinho de qualidade inferior, mas com um preço bastante caprichado.

Confira essas seis dicas simples que nós separamos:

  • Vinhos de mesa?

A leitura de rótulos pode ser confusa, pois reúne algumas informações técnicas e outros dados que exigem certo conhecimento para serem entendidos. Mas é nele que está descrito o tipo de uva usada na fabricação da bebida. Vinhos finos – ou, também, vinhos de mesa finos – são preparados com Vitis vinífera europeia, um tipo de uva própria para a fabricação do vinho. Agora, os chamados vinhos de mesa são feitos com uvas que são usadas para o nosso consumo ou para fazer sucos de uva. Ou seja, possuem uma qualidade inferior.

  • Vinho suave = açúcar

Certamente você, leitor, já bebeu algum vinho que tinha a denominação “suave” no rótulo. Mas sabia que isso quer dizer que a bebida possui grande quantidade de açúcar? Isso acontece porque, no processo de fabricação, o vinho teve a sua fermentação interrompida e o açúcar natural não se tornou álcool – no caso dos rótulos finos e que usam uvas europeias – ou teve o açúcar adicionado ao produto – como acontece com os vinhos de mesa.

  • Sulfitos são um problema?

Nós já avisamos neste artigo que algumas informações nos rótulos de vinho são técnicas e de difícil compreensão. Uma delas diz respeito a expressão “contém sulfitos”. Mas o que é isso? Os sulfitos também são conhecidos como anidro sulfuroso ou dióxido de enxofre, ou seja, um composto muito utilizado para impedir a proliferação de micro-organismos e bactérias na bebida, além de combater a oxidação precoce. Então não se preocupe e deguste sem preocupação o seu vinho.

  • Garantias de procedência e produção

Existem muitas formas de atestar a qualidade de um vinho. Uma maneira simples é conferir se o rótulo passou por uma certificação de garantia da procedência e do método de produção. Algumas garrafas possuem siglas das legislações vinícolas, como o D.O.C., ou “denominação de origem controlada”. Que também pode ser grafada como A.O.C., nos vinhos franceses, e D.O., nos vinhos espanhóis. Essa é uma das garantias de que estará consumindo um produto de qualidade.

  • Transporte e qualidade

No rótulo de trás da garrafa existem algumas informações importantes, como o local de produção da bebida. Mas qual a importância desse dado? Em algumas ocasiões o vinho é produzido em um local e engarrafado em outro. O transporte pode vir a afetar a qualidade da bebida, portanto saber essas informações pode ajudar na escolha de um rótulo de qualidade.

  • Conservação

Diversos fatores podem afetar a qualidade do vinho. A conservação do produto na loja pode prejudicar a bebida, então fique atento! Garrafas guardadas perto de luz forte (como em uma vitrine) ou de fontes de calor podem ter a sua qualidade afetada. Além disso, no caso das garrafas que tenham rolhas de cortiça, é melhor escolher aquela que foi guardada na horizontal, pois isso ajuda a manter o oxigênio do lado de fora.

LEIA MAIS

Comentários