SETE facetas da multiartista Beth Leivas

Com notável trajetória na música, a cantora Beth Leivas lança seu primeiro disco solo, SETE, que vem carregado de mística e mineiridade. Show de lançamento será no dia 30 de setembro no Cine Theatro Brasil Vallourec.

A MULTIARTISTA

O mundo sensível é apresentado a Beth logo cedo, com as artes plásticas, a dança e o teatro. A artista se lembra dos tempos de criança, quando pintava quadros e os vendia na feira hippie de BH. Na mesma época, começa a fazer balé, que lhe rende um importante trabalho no Baleteatro Minas, expressivo grupo de dança dos anos 1980. Beth integra o elenco de Elis como um pássaro em seu ombro, com dramaturgia de Luiz Paixão e direção dos pioneiros Pedro Paulo Cava e Dulce Beltrão.

O INGRESSO NA MÚSICA

A música entra de vez em sua vida quando atua no musical Cristal, de Oswaldo Montenegro. Os anos seguintes são dedicados ao canto, à percussão e à medicina, profissão com a qual divide sua vocação artística. Nos anos 1990, Beth integra o trio Balaio de Gato como backing vocal, junto a Danuza Menezes, parceira que irá acompanhá-la daí em diante. O trio, formado pelos músicos e compositores Alexandre Az, Marcello Dinis e Sério Misan, faz diversos shows na capital mineira e inicia a jovem artista nas cartografias musicais da cidade.

UM BAÚ DE EXPERIÊNCIAS

A formação em canto e percussão com o vanguardista Maurício Tizumba representa um divisor de águas para Beth Leivas. Não demora para que ele a introduza ao universo do tambor mineiro e ao seu rico arcabouço cultural. Beth passa a integrar o coletivo Tizumba e Trio, junto às percussionistas Danuza Menezes e Raquel Coutinho, e a tocar com o Tambor Mineiro. Há vinte anos eles vêm mostrando sua relevância musical e política em turnês nacionais e internacionais. Em paralelo, a artista se dedica aos grupos Harém da Imaginação e Tempera Viola. O primeiro reúne cantoras, compositoras e instrumentistas mineiras em uma espécie de festa musical feminina. O segundo, um trio formado por ela, Danuza e Marcello Dinis, põe luz a composições mineiras desconhecidas do grande público. Um trabalho especial para a cantora.

BETH DAS GERIAS 

Beth Leivas é um nome importante para se compreender a expressividade da música mineira nos cenários nacional e internacional. Ao longo de sua carreira, ela se aprofundou em pesquisas no canto e na percussão que a tornaram um importante vetor criativo e propagador da música de raiz mineira, com seus tambores ancestrais, seus ritmos diversos e seu alicerce calcado nas tradições africanas.

REPRESENTATIVIDADE E RESISTÊNCIAS

A experiência de vida e a imersão na música afro-mineira foram delineando uma artista cada vez mais comprometida com a resistência das manifestações culturais negras no Brasil. O Tambor Mineiro, com quem ainda toca, é um grupo com fortes raízes africanas, levado pelas influências do Congado. O dever da representatividade e o engajamento em uma música brasileira genuinamente popular, com trabalhos que quase sempre vão de encontro às ruas e praças, marcam a trajetória de Beth Leivas. Agora, em seu projeto solo, se sente à vontade para levar esse projeto político adiante, que, segundo ela, ainda que esteja sendo mais explorado nos últimos anos, ainda o é pouco.

MÍSTICA, ESPIRITUALIDADE E CINEMA: A GÊNESE DE SETE

SETE, que dá nome ao disco e ao show, nasce de uma reaproximação vital da artista com os rituais das religiões de matriz africana, responsável por um particular processo curativo e por um primeiro impulso para a criação do projeto. Também é fruto do encontro de duas trajetórias artísticas: a de Beth Leivas e a de seu produtor musical, Marcos Cantanhede. Desse choque surge um projeto tão inusitado quanto potente, unindo os ritmos afromineiros, do lado da cantora, e o engenho de Marcos, que aplica sua experiência cinematográfica no tratamento de áudio e nos arranjos imagéticos. O nome do projeto se deve a uma estranha sincronia de setes durante as gravações do disco, repetição que, segundo ela, é bastante comum na história da espiritualidade. Ele vem, portanto, “carregado de axé, com a benção de meu pai de santo e a permissão de meus orixás”.

DISCO E SHOW APURADOS 

As releituras propostas em SETE, garimpadas cuidadosamente pela dupla e tratadas sob esse novo conceito, bebem da fonte de compositores como Maurício Tizumba, Sérgio Pererê, Jackson do Pandeiro, Roque Ferreira, Marcello Dinis, Toninho Geraes, Toninho Nascimento, Ceumar e Matilda Kovak, músicos que de alguma forma atravessaram o universo sensível da artista. A produção musical é assinada por Marcos Cantanhede, que divide os arranjos com Dan Oliveira, também violonista e guitarrista do projeto. O baixo é de Rafael Elói, sopro de Wagner Souza e percussão de Jam da Silva. O show de lançamento ainda agrega nomes como Danuza Menezes e Bruna Bizzotto, nos vocais, e Marcelo Ricardo, na bateria.

SERVIÇO
Lançamento do disco SETE, de Beth Leivas
Dia: 
30 de setembro de 2018
Local: Cine Theatro Brasil Vallourec
Horário: 20h
Ingressos: site Eventim

LEIA  MAIS

Comentários