Série “Dança”, do projeto #EMCASACOMSESC, traz espetáculos de Maurício Flórez e Gal Martins e Rosângela Alves

Sempre às terças e quintas, às 21h30, programação ao vivo do Sesc São Paulo na internet traz coreografias inéditas ou adaptadas de artistas de destaque na dança brasileira em transmissões ao vivo no YouTube do Sesc São Paulo e no Instagram do Sesc Ao Vivo

Após completar três meses no ar, a programação da série Dança #EmCasaComSesc traz na próxima semana as apresentações “Bolero – Flórez para Ravel”, de Mauricio Floréz, na terça-feira, 29 de setembro, e “Engasgadas, um Ensaio para Regurgitar o Mundo”, do Zona Agbara, na quinta-feira, 1º de outubro. A série mostra novos trabalhos todas as terças e quintas, às 21h30, no canal do YouTube do Sesc São Paulo e no perfil do Sesc Ao Vivo no Instagram, sempre com uma apresentação ao vivo de dança direto da casa do artista .

Na terça-feira, 29 de setembro, Mauricio Flórez apresenta “Bolero – Flórez para Ravel”, uma dança de espírito romântico, composta por um encadeamento gestual cuidadosamente desenhado, tendo por inspiração a dança flamenca. Na coreografia, o bailarino entra em contato com os atributos de continuidade, crescente, acumulação e força presentes numa das músicas mais importantes do século XX, o “Bolero” de Maurice Ravel (1875-1937). O colombiano Mauricio Flórez, radicado em São Paulo desde 2012, integra o núcleo artístico Key Zetta e Cia e durante a pandemia tem criado a série “Aqui Dentro”, um conjunto de vídeos artesanais feitos nos diferentes espaços da casa, junto com seu parceiro Gustavo Miranda. Dentro da sua pesquisa artística, Mauricio vem estudando a capacidade de metamorfose do corpo pelo uso de máscaras e a relação histórica entre a arte e a magia. Como artista independente criou os solos UM e Bolero. Classificação: 14 anos.

A performance virtual inédita “Engasgadas, um Ensaio para Regurgitar o Mundo” será apresentada na quinta-feira, 1º de outubro, pela Zona Agbara, aqui representado por Gal Martins e Rosângela Alves. O trabalho dialoga com questões ligadas ao autocuidado e enfrentamento às diversas mazelas sofridas por corpos gordos e femininos nos tempos atuais e também com o estigma sofrido por esses físicos, confinados e destinados ao estereótipo de corpo doente, sem tônus, sem pulso. A exposição do medo que maltrata o outro e ridiculariza as proporções obesas de um corpo potente só tem aumentado durante a quarentena, devido à pandemia. Zona Agbara é um grupo que tem como pauta a visibilidade e valorização da produção artística de mulheres pretas e gordas, utilizando a criação em dança como principal ferramenta de transgressão e afirmação estética e social. Classificação: 14 anos.

A ação #EmCasaComSesc proporciona o encontro do público com artistas das mais diversas linguagens e estilos, em ambiente digital. Desde abril, o Sesc São Paulo oferece transmissões ao vivo, direto da casa do artista ou do atleta convidado para a casa do público, com conteúdos voltados à música, teatro, dança, circo, contação de histórias e esportes. Parte das atividades está disponível no canal da instituição no YouTube: http://www.youtube.com/sescsp.

Sempre às terças e quintas-feiras, às 21h30, acontece uma apresentação de dança no formato de solos, duplas ou com mais integrantes – desde que estes já estejam dividindo o mesmo espaço neste período de quarentena -, podendo ser coreografias inéditas, criadas para este espaço digital, trechos de obras ou adaptações de trabalhos existentes, de acordo com o espaço e proposta de cada obra. As apresentações têm duração de até 40 minutos. Dentro desta linguagem, a experiência das diversas edições da Bienal Sesc de Dança, que teve sua 11ª edição realizada em setembro de 2019, possibilita a expansão da atuação digital da instituição. A programação tem como foco abranger o maior número de vertentes e movimentos da dança, em suas expressões, diversidades e poéticas de corpos, dentro das muitas áreas de pesquisa, como a clássica, urbana, contemporânea, performática e experimental.

A iniciativa faz parte das diversas ações digitais que expandem a atuação da instituição no campo virtual, como a plataforma do Sesc Digital, com streaming de cinema, e a programação de transmissões de música e teatro da série Sesc Ao Vivo, além de apresentações para o público infantil e transmissão de debates.

LEIA MAIS

Comentários