Série “Dança” do #EMCASACOMSESC apresenta São Paulo Companhia de Dança nesta semana

Sempre às terças e quintas, às 21h30, programação ao vivo do Sesc São Paulo na internet traz coreografias inéditas ou adaptadas dos principais artistas da dança brasileira em transmissões ao vivo no YouTube do Sesc São Paulo e o Instagram do Sesc Ao Vivo

Prestes a completar dois meses no ar, a programação da série Dança #EmCasaComSesc traz na próxima semana a apresentação Floresta, com Marina Guzzo, na terça-feira, 18 de agosto, e Cartas para um Outro Tempo, com os bailarinos Letícia Forattini e Otávio Portela, da São Paulo Companhia de Dança, na quinta-feira, dia 20 de agosto. A série mostra novos trabalhos todas as terças e quintas, sempre às 21h30, através do YouTube do Sesc São Paulo e da página do Sesc Ao Vivo no Instagram, sempre com um espetáculo ao vivo de dança apresentado direto da casa do artista .

Como num sonho pandêmico, a proposta da live-performance Floresta, de Marina Guzzo, é ativar um desejo de floresta no espaço improvável da sala de casa, ou de qualquer lugar. A obra, que será apresentada na terça-feira, dia 18 de agosto, parte do corpo, da ficção, das plantas e objetos. A experiência recupera formas de ação presentes tanto no pluralismo dos conhecimentos originários como nas práticas de reflorestamento. O que se apresenta é um movimento em direção à capacidade de encantamento do mundo como estratégia de redesenho do real e do presente. O sonho da regeneração, da cura, da festa e da fartura como saídas ao deserto da monocultura. Transformar o corpo, a sala, a dança, a cidade, o Brasil, o mundo, as relações, o futuro, o medo, o vírus, os afetos, o mercado, as encruzilhadas, o desejo. A concepção, coreografia e performance é da própria artista, acompanhada de João Simão, que também assina a paisagem sonora. Artista e pesquisadora das artes do corpo, Marina concentra suas criações na interface das linguagens artísticas e a incerteza da vida contemporânea, misturando dança, performance e circo para explorar os limites do corpo e da subjetividade nas cidades e na natureza.

Na quinta-feira, dia 20 de agosto, acontece a apresentação Cartas para um Outro Tempo, com Letícia Forattini e Otávio Portela, da São Paulo Companhia de Dança. O trabalho reflete sobre o momento atual provocado pela pandemia do novo coronavírus e questiona: como será a nossa realidade daqui a alguns anos? Como vamos olhar, então, para o que estamos vivendo agora? O duo, que conta com dramaturgia do artista convidado Bastian Thurner, tem como ponto de partida a conexão à distância – única comunicação disponível durante o isolamento – e as sensações provocadas por esses tempos. Para retratar inquietações pessoais e coletivas de hoje, os artistas resgatam a memória afetiva da correspondência por meio de cartas e se inspiram em mensagens cheias de esperança sobre o futuro e o presente, escritas por seus familiares e amigos próximos. A criação é inédita e será dançada pelos artistas no espaço doméstico, um lugar de memória e de estabelecimento de relações afetivas e de onde se observa a passagem dos dias. Cartas para um Outro Tempo, uma jornada poética através de afetos e do próprio tempo, propõe uma conexão que ultrapassa o momento presente.

A ação #EmCasaComSesc proporciona o encontro do público com artistas das mais diversas linguagens e estilos, em ambiente digital. Desde abril, o Sesc São Paulo oferece transmissões ao vivo, direto da casa do artista ou do atleta convidado para a casa do público, com conteúdos voltados à música, teatro, dança, circo, contação de histórias e esportes. Parte das atividades estão disponíveis no canal da instituição no YouTube: http://www.youtube.com/sescsp.

Sempre às terças e quintas-feiras, às 21h30, acontece uma apresentação de dança no formato de solos, duplas ou com mais integrantes – desde que estes já estejam dividindo o mesmo espaço neste período de quarentena – podendo ser coreografias inéditas, criadas para este espaço digital, trechos de obras ou adaptações de trabalhos existentes, de acordo com o espaço e proposta de cada obra. As apresentações têm duração de até 40 minutos. Dentro desta linguagem, a experiência das diversas edições da Bienal Sesc de Dança, que teve sua 11ª edição realizada em setembro de 2019, possibilita a expansão da atuação digital da instituição. A programação terá como foco abranger o maior número de vertentes e movimentos da dança, em suas expressões, diversidades e poéticas de corpos, dentro das muitas áreas de pesquisa, como a clássica, urbana, contemporânea, performática e experimental.

A iniciativa faz parte das diversas ações digitais que expandem a atuação da instituição no campo virtual, como a plataforma do Sesc Digital e a programação de transmissões de música e teatro da série Sesc Ao Vivo. “As artes, em todas as suas linguagens, têm sido altamente impactadas pelas restrições de convívio social e pela suspensão das contratações dos artistas e de toda a cadeia de criação e produção. O desenvolvimento da Plataforma Sesc Digital expressa nossa preocupação com a expansão da atuação social do Sesc para o ambiente digital”, comenta Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo. “Acreditamos ser possível, ainda que desafiadora, a experimentação de uma prática cênica, performativa, em novos formatos, gramáticas e suportes. Pretendemos contemplar outras linguagens artísticas em nossas transmissões ao vivo nos próximos dias”, conclui.

LEIA MAIS

Comentários