Sábado é dia de Carnaval: o cortejo da Madalena

Itabira às vezes pode ser uma cidade dura. O seu histórico minerador e o seu ar incrustrado de minério talvez deixem as pessoas desta terra um pouco mais calejadas, com um jeito de ser bastante peculiar – férreo. Mas por trás dessa aparência se esconde uma veia sapeca, foliã que imprime um desejo ferrenho de o itabirano festejar. Nos últimos anos, essa malemolência voltou a ter um representante a altura de nossa história carnavalesca: o bloco “Madalena não Gosta de Poema”.

Embalada pelas tradicionais marchinhas e temperada com o frevo pernambucano, o bloco se prepara para o seu segundo cortejo. Em 2016, após um período de maturação do projeto, a Madalena coloriu as ruas dos bairros Centro e Pará de amarelo e roxo – suas tinturas próprias – e deu aquele gostinho de carnaval de rua que estava tão escasso por essas bandas. Agora, em 2017, o bloco volta às ruas no dia 11 de fevereiro, às 15h, com concentração na praça do Centenário.

“Acho que as forças mais importantes que impulsionam os organizadores do Madalena são o amor e o respeito a Itabira e ao Carnaval. Uma energia carnavalesca que se renova a cada ano. E a ideia foi: por que não criar um bloco aqui em Itabira, nas ruas antigas de nossa cidade? O bloco foi criado em uma época cultural muito ruim e herdou essa força de fazer e não esperar! Unir forças e iniciar uma movimentação cultural. Misturar algumas formas e culturas de brincar o carnaval”, reflete Hebert Rosa, idealizador do “Madalena não Gosta de Poema”.

07
O primeiro cortejo do “Madalena não Gosta de Poema” saiu em 2016 abrindo o Carnaval itabirano. Este ano a festa se repete.

Antes de se afirmar como um bloco carnavalesco, a Madalena era um ponto de encontro para amigos. Mas não desses pontos de encontros tradicionais, rígidos e comuns. Madalena, em um conceito físico, é um carrinho com uma caixa de isopor que se posiciona nos locais mais festivos de Itabira – e, à sua volta, sempre uma roda de amigos. Foi desses encontros que partiu a ideia de colocar um bloco na rua.

“A proposta inicial era colocar o bloco na rua. Itabira precisava respirar um novo momento carnavalesco, novas atitudes, fazer uma prévia carnavalesca e resgatar uma cultura que já existiu em Itabira. Carnaval é arte, doação e amor! Uma grande aventura e uma cachaça mineira gostosa! A Madalena nasceu com um conceito e características de blocos tradicionais e adotou a marchinha e o frevo como as suas músicas para abrir o carnaval de Itabira”, conta Hebert Rosa.

O bloco “Madalena não Gosta de Poema” contribui de maneira determinante para o resgate do Carnaval itabirano. Durante muito tempo, Itabira manteve uma programação bastante interessante para a folia momesca: desde bailes em clubes até a folia nas ruas. Dessa época, restaram algumas iniciativas como as festas nos bairros Campestre e Pará. Porém, iniciativas como esse cortejo trazem frescor para a folia local.

09
Renato Sampaio, o “Renatinho” (primeiro na direita), é o homenageado deste ano pelo bloco carnavalesco “Madalena não Gosta de Poema”, que foi idealizado por Hebert Rosa (primeiro na esquerda).

Para reforçar essa ligação com a história itabirana, a Madalena, em seus cortejos anuais, homenageia figuras importantes para a cultura local. Neste ano, o homenageado é o dentista e músico Renato Sampaio. “O Bloco segue uma linha de atividades de blocos tradicionais. Homenageamos alguém de importância para Itabira, que tenha a cara do Carnaval e goste da Madalena. Renatinho [Sampaio] fez parte de nosso crescimento: dentista, artista, escritor, cantor, boêmio e um dos caras mais gente boa da ‘Cabral Street’ [nome de uma música que faz alusão a uma rua do bairro Pará]! Fez as primeiras músicas nos quais nos identificamos com Itabira. Foi unânime, todos aplaudiram sua escolha. Viva a arte de Renatinho!”, destaca Hebert Rosa.

É com esse espírito momesco que a Madalena ganhará as ruas de Itabira no próximo sábado para trazer um pouco mais de dança, folia e sabor para essa terra dura. Mas, antes de pular o Carnaval, não se esqueça de que cultura não se faz com rigor, mas com criatividade e, também, irreverência. “Itabira é uma cidade privilegiada por ser berço do mais reconhecido poeta brasileiro precisa de mais. O carnaval é a festa da quebra e da irreverência! Madalena estudou em Itabira e conhece tudo de poesia, outro dia na feira ela falou que de poesia já está bom”, reflete Hebert Rosa.

SERVIÇO

Cortejo do bloco carnavalesco Madalena não Gosta de Poema
Data e horário: sábado, 11 de fevereiro, às 15h
Local: Concentração na praça do Centenário, Centro, Itabira, Minas Gerais
Ingressos: A conferir. Informações aqui.

16650350_1271127232964148_1825752784_n

LEIA MAIS

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.