Patrimônio histórico e cultural de Santa Bárbara é reconhecido em 30 tombamentos

Com 30 mil habitantes, Santa Bárbara é berço de singulares paisagens naturais e ricos patrimônios imateriais e materiais. Antigas construções refletem uma arquitetura particular, que traz nos traços do Mestre Ataíde a sensibilidade do barroco nas muitas pinturas e peças sacras. Neste contexto, o patrimônio santa-barbarense é reconhecido por meio de tombamentos, registros e inventários.

O Município possui, hoje, 30 bens tombados, sendo o Núcleo Histórico Urbano de Brumal e o Núcleo Histórico de Santa Bárbara, tombados pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha), e a matriz de Santo Antônio, a igreja de Santo Amaro, em Brumal, e a Casa da Cultura, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O tombamento é o instrumento que permite reconhecer e proteger o patrimônio cultural mais conhecido de determinado lugar, cuja conservação seja de interesse público, em virtude de seu valor histórico, arqueológico, etnográfico, bibliográfico ou artístico.

Nesse contexto de preservação da história, Santa Bárbara possui, também, seis bens registrados. São eles a Cavalhada de Brumal, a Encenação “Os Passos da Agonia”, a Festa de Santo Antônio, o Grupo de Congo de Santa Bárbara, a Corporação Musical Santo Antônio e o Modo de Fazer as Bonecas de Palha. De acordo com o Iphan, esses bens caracterizam-se pelas práticas e domínios da vida social, apropriados por indivíduos e grupos sociais como elementos importantes de sua identidade.

No que diz respeito aos bens inventariados são mais seis categorias, Estruturas Arquitetônicas e Urbanísticas, Núcleos Históricos/Conjuntos Urbanos, Conjuntos Paisagísticos, Bens Móveis e Integrados, Arquivos e Patrimônio Imaterial. Os inventários são como um banco de dados de preservação, que tem por objetivo identificar as várias manifestações culturais e bens de interesse de preservação, tanto materiais, quanto imateriais.

Dentre esses bens tombados, registrados e inventariados, estão conhecidos pontos turísticos como o Centro Histórico, o Memorial Affonso Penna, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, o acervo da Capela da Arquiconfraria do Cordão de São Francisco, as Ruínas do Barão de Catas Altas, a Represa do Peti, o Conjunto Natural Paisagístico e Paleontológico da Bacia do Gandarela, entre outros.

Assim sendo, com um olhar diferenciado para o patrimônio cultural, o poder público busca fazer a diferença no desenvolvimento sustentável de uma Cidade, que preserva seus bens culturais e naturais, para contar histórias no presente e no futuro.

Patrimônio

LEIA MAIS

Comentários