Orquestra Ouro Preto celebra os 250 anos de Beethoven em concerto especial com o pianista Cristian Budu

O concerto será transmitido ao vivo pelo YouTube, no dia 24 de outubro, às 20h30, direto do Sesc Palladium, em Belo Horizonte, Minas Gerais

A excelência da Orquestra Ouro Preto será apresentada em mais um concerto único e marcante na trajetória de 20 anos do grupo. Além dos populares Valencianas, Beatles e outros que atraem grande público, a vertente erudita também tem espaço de destaque. Desta vez, a Orquestra apresenta Beethoven de um jeito especial. No dia 24 de outubro, às 20h30, o grupo recebe o pianista Cristian Budu, como solista convidado, para celebrar em grande estilo os 250 anos de nascimento do compositor, um dos maiores gênios da música clássica de todos os tempos. O concerto será transmitido ao vivo pelo canal da Orquestra no YouTube, direto do Grande Teatro do Sesc Palladium, em Belo Horizonte-MG, seguindo todas as medidas padrão de isolamento social e higiene necessárias à preservação da saúde e segurança dos músicos e da equipe de produção.

Com regência do Maestro Rodrigo Toffolo e patrocinado pela CBMM, o repertório traz duas peças representativas da grandiosidade do compositor alemão em um concerto de aproximadamente 60 minutos. A célebre “Sonata ao luar” para Piano Solo é um dos temas mais conhecidos do compositor, sendo inclusive utilizado em inúmeras obras cinematográficas. Já o Concerto nº 5 para Piano e Orquestra, popularmente conhecido como “Imperador”, será apresentado em uma composição especial para a ocasião. Com a atual crise sanitária, o desafio colocado foi de realizar o concerto em homenagem aos 250 anos de Beethoven em condições mais seguras possíveis. “Buscamos, dentro da versatilidade da Orquestra Ouro Preto, a solução que transforma este concerto em um momento ainda mais especial e seguro, sem a presença de instrumentos de sopros”, destaca Toffolo. Em uma orquestração pouco conhecida do grande público, será apresentada a versão para cordas do compositor alemão Vincenz Lachner publicada em 1881, 70 anos após a estreia desse concerto.

“A abertura do concerto já nos coloca a frente da mente revolucionária de Beethoven, uma clara ruptura com o modelo tradicional até então. Lembro-me da primeira vez que ouvi este concerto, tinha 16 anos e chegava ao teatro junto com meu irmão, após uma apresentação do quarteto de cordas que tínhamos a época. O sentimento de susto, seguido do puro êxtase ao ouvir a transição do segundo para o terceiro movimento, ainda percorre meu corpo até hoje. É sublime. E tenho certeza que todos que nos assistirão, no Brasil e no mundo, terão essa sensação. Impossível não se curvar a genialidade de Beethoven”, destaca o regente titular e diretor artístico Rodrigo Toffolo.

Para o pianista convidado, Cristian Budu, que abrirá o concerto com a Sonata para piano, “interpretar Beethoven é um desafio – e sempre deve ser, para ser Beethoven. Ele representa a busca pelo inatingível, a mudança através da superação. Sua música requer mais questionamentos do que respostas prontas. Ela vive enquanto vive o ser humano e, por isso, deve ser sempre renovada e aprofundada, para de fato ser vivenciada”, ressalta o pianista.

LEIA MAIS

Comentários