No feriadão! Ancestralidade e contemporaneidade se unem no Palco Brumadinho

O som poderoso dos tambores quilombolas e a dança contemporânea marcam mais uma tarde musical no Inhotim

Marque na agenda: dia 16 de novembro, sábado, é dia de curtir mais uma tarde de apresentações do Palco Brumadinho, no Inhotim. Três atrações que representam as manifestações culturais da região se revezam no palco montado próximo ao Magic Square, a partir das 14h30.

Para celebrar o congado — tradição forte da cultura e religiosidade mineira –, a Associação dos Congados e Moçambique de Nossa Senhora do Rosário de Conceição de Itaguá é uma das atrações convidadas. O grupo vai fazer o público vibrar ao som de tambores e xique-xiques, além da cantoria a capella dos integrantes.

E vai ser difícil ficar parado observando os passos de Vinícius Damasceno, que leva ao Palco Brumadinho sua contagiante dança contemporânea. Em conjunto com quatro alunos de seu estúdio de dança em Brumadinho, Vinícius vai mostrar ao público a dança urbana, que tem influências do hip hop e da cultura pop.

O artista quilombola Reibatuque volta a se apresentar no Inhotim, agora com seu novo show Memórias de um Quilombo, trazendo no repertório a representatividade de sua trajetória cultural e artística. A proposta é potencializar a relação sonora com a memória, o corpo e a tradição.

Saiba mais sobre as atrações

A Associação dos Congados e Moçambique de Nossa Senhora do Rosário de Conceição de Itaguá foi fundada há 90 anos. Tem 45 integrantes de 10 a 90 anos e sede em Brumado, distrito de Brumadinho. Pela tradição, as apresentações começam com reverência à bandeira da Associação e uma oração.

Vinícius Damasceno estudou dança na Fundação Clóvis Salgado e integrou o Ballet Jovem Palácio das Artes. Ele se apaixonou pela dança contemporânea em 2010, após participar do projeto Laboratório Inhotim, quando teve contato com o universo artístico. Hélio Oiticica e Jarbas Lopes são os artistas que mais influenciaram seu trabalho, devido à fluidez e à interatividade que propõem nas obras.

Cantor, compositor, percussionista e educador musical, Reibatuque é da comunidade quilombola de Marinhos. Neto de carnavalescos criadores do carnaval na região na década de 60, desde a infância convive com um rico universo cultural e a presença das manifestações do congado e moçambique influenciando seu trabalho musical.

Curadoria

A seleção dos artistas do Palco Brumadinho é feita por uma equipe de curadoria formada por Jana Janeiro, Júlio Santos, Leci Strada e Márcio Nagô, todos com forte atuação cultural na região. Conheça-os a seguir:

Leci Strada — Cantor, instrumentista e compositor. Nasceu em Brumadinho e começou a carreira profissional em janeiro de 1968. Em 1980, gravou seu primeiro disco por meio do Festival Nacional MPB Show, da TV Globo, com a música “Voar com Gaiola e Tudo”. Depois, outras composições foram gravadas para programação de TV e novelas. Completa 50 anos de carreira com dois compactos, três LPs, quatro CDs, um DVD e novos projetos por vir.

Márcio Nagô — A carreira de Márcio Nagô começou em 2001 por influência do seu pai, um grande apreciador da música brasileira e colecionador de vinis. Nas rodas de capoeira, experimentou o canto e começou a tocar percussão. Já o pandeiro e o cavaco foram as primeiras descobertas como ferramenta de composição. Suas letras, românticas, falam de amor e traduzem com beleza o cotidiano popular, fruto da musicalidade dos tempos de infância, em que participava das guardas de Congado e Moçambique.

Júlio Santos — Júlio Santos é maestro da Escola de Música Inhotim. É músico e um interlocutor cultural importante na região de Brumadinho, atuando também como maestro, diretor musical, produtor e professor de música. Sua missão é guiar pessoas para os caminhos profissionais e prazerosos que a música permite.

Jana Janeiro — Janaína Silva é belo-horizontina e trabalha no Inhotim há seis anos, na área Educativa, onde desenvolve formação com educadores e atividades para visitantes. É graduada em Gestão em Turismo pelo Centro Universitário Newton Paiva e pós-graduada em Gestão Cultural pelo Senac-SP. É cofundadora da Casa Quilombê, projeto de intercâmbio cultural quilombola, e criadora do projeto de afro-empreendedorismo Ateliê Pele Preta.

SERVIÇO

Igressos Inhotim
Inteira: R$ 44
Meia-Entrada: R$ 22
Quarta-feira (exceto feriados): Gratuito
*Moradores de Brumadinho cadastrados no programa Nosso Inhotim não pagam entrada.

INFORMAÇÕES

Instituto Inhotim
Endereço: Rua B, 20, Brumadinho, Minas Gerais
Site: www.inhotim.org.br
Telefone: (31) 3571-9700 | (31) 3194-7300

LEIA MAIS

Comentários