Músicas e versos que interpretam montanhas: um bate-papo com Bernardo do Espinhaço

Montanhas, matas, flores, rios, animais silvestres e vilarejos isolados… esses são alguns dos elementos que permeiam a história de Bernardo Puhler. Um conjunto de paisagens que encantam os olhos e alimentam a alma – e são traduzidas por meio de acordes, melodias e versos para contar (e cantar) um pouco das belezas da Serra do Espinhaço, um conjunto de montanhas que corta Minas Gerais e Bahia.

Nascido no Espinhaço, Bernardo Puhler conheceu os encantos da serra desde muito cedo, quando se dedicou a percorrer seus caminhos, trilhas e travessias – rotina que até hoje mantém em sua vida. As diversas experiências encontradas ali acabaram por se tornar o alimento para o violão, piano, viola caipira, acordeão e flauta, instrumentos que acompanham o músico.

Mais do que inspiração para letras e canções, a Serra do Espinhaço se tornou nome para Bernardo, que acrescentou o Espinhaço ao seu nome artístico. Um pouco dessa curiosa história é contada no bate-papo que tive com Bernardo do Espinhaço. Confira nos parágrafos a seguir:

05

Trem das Gerais: Como surgiu o seu interesse pela música? E quando deu início à sua carreira profissional como músico?

Bernardo do Espinhaço: A coisa começou muito por conta da minha mãe que é pianista. Com cinco anos ou algo assim eu já estudava esse instrumento, e ele sempre estava disponível em casa ou na casa dos meus avós. Profissionalmente foi mais tarde, com 15 ou 16 anos comecei a tocar em bares, uns três anos depois entrava de corpo inteiro no autoral, onde estou desde então.

TG: Porque a escolha do nome artístico Bernardo do Espinhaço?

BE: Não surgiu de maneira premeditada, o que se passou foi que, talvez pela dificuldade de pronunciar meu sobrenome (Puhler), e também pela relação que tenho com esse lugar, as pessoas sempre se referiam a mim como “o Bernardo do Espinhaço”. Quando percebi que até mesmo gente das comunidades isoladas também havia adotado, achei que fazia sentido assumir isso.

TG: Qual a influência da Serra do Espinhaço na sua vida?

BE: O Espinhaço me impeliu ao mundo. E não sendo suficiente ter nascido ali, eu me sinto obrigado cotidianamente a recorrer aos seus cuidados para me acertar nas coisas da vida. Não sei imaginar uma vida sem as possibilidades que a Serra do Espinhaço me oferece.

TG: Qual a influência da Serra do Espinhaço na sua música?

06

BE: Até mesmo quando não me refiro ao contexto do Espinhaço as montanhas estão ali inseridas na maneira de ver o mundo e relatar as coisas. Também por isso meu processo criativo nunca é monotemático, nada me limita durante a criação, e ainda assim a relação com a montanha está quase sempre presente, quando não objetiva, de forma subjetiva.

TG: Você também é montanhista. Como essa prática contribui em seu processo criativo e na sua música?

BE: O montanhismo é o mecanismo de relação com a minha essência. Foi ele que me permitiu entender a amplitude de um lugar como o Espinhaço, ou a Mantiqueira, ou os Andes. Me ocorre agora que talvez sem o montanhismo tudo seria diferente e, talvez, até a decisão sobre compor para o Espinhaço.

TG: Como é o seu processo de criação?

BE: Não tenho regra, mas de uma maneira geral é sempre uma labuta braba (rsrs). Nunca me dou por vencido e sigo refazendo as coisas até chegar onde me parece justo. Do ponto de vista da técnica, a ordem é quase sempre música (harmonia, melodia, arranjo) e depois letra.

TG: Você integrou o grupo Músicas do Espinhaço. Como foi participar desse projeto?

BE: O Músicas do Espinhaço surgiu para atender uma demanda que existia de fazer shows com as canções que vinha compondo e já agradavam algum público. Como antes eu gravava praticamente todos os instrumentos, a ideia de levá-las ao palco era inviável de maneira solo.

TG: Porque encerrar esse ciclo com o Músicas do Espinhaço?

BE: A parada no Músicas do Espinhaço decorreu de um período turbulento da minha vida, decidi não mais fazer shows e voltar só à composição, também para me dedicar mais as travessias, que são as coisas que realmente me realizam.

07

TG: O que te levou seguir a sua carreira solo?

BE: Fiquei cerca de 2 anos sem me apresentar, e como o trabalho se restringia a composição e gravação de discos, era o melhor caminho no momento.

TG: Você tem dois álbuns lançados em sua carreira solo. Como você define o disco “O Alumbramento de um Guará Negro numa Noite Escura”, de 2014?

BE: O “Guará Negro” não pode ser entendido enquanto uma compilação de músicas. É uma história contada de maneira cronológica, onde cada canção denota um espaço geográfico e emocional. Todo o disco tem duplo sentido, servindo a contextos heterogêneos. É escuro, forte, denso e, de certa forma, triste.

TG: E como você define o álbum “Manhã Sã”, de 2015?

BE: O “Manhã” é mais solar e pensado, especialmente em sua primeira parte, para ser um disco para ser escutado na montanha. Talvez seja metade do disco para você caminhar na montanha e a outra metade para escutar na barraca de noite, antes de dormir.

TG: Quais são os seus próximos projetos?

BE: Em abril lanço o primeiro single do meu terceiro disco. É uma canção chamada “Supertramp (Só)”, inspirada na história do livro/filme “Into the Wild” [do escritor John Krakauer]. Depois, é provável que em maio lance outra [canção] e o disco inteiro em junho ou julho. Paralelo a isso estão acontecendo sondagens para apresentações, em especial agora, que acontecem as aberturas de temporadas de montanha no Brasil. Acredito que já em abril devo fazer algum show.

LEIA MAIS

 

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.