Movimentos culturais: o desafio de se fazer cultura – Parte 2

Na primeira parte dessa série de matérias (clique aqui e leia!) retratamos alguns dos desafios em se produzir música independente. Enquanto o mercado fonográfico dá prioridade a materiais pouco produzidos e focados em um entretenimento simples, casas de shows, em sua maioria, abrem espaço apenas para artistas covers, o que dificulta o surgimento de bons produtos culturais no Brasil.

Porém, artistas e bandas independentes têm seguido na contramão do mercado mainstream e se dedicado às produções próprias e a reinventar o próprio cenário cultural brasileiro. Parte desse esforço acontece devido ao crescimento da internet e dos mecanismos de divulgação online, que permitem a esses músicos divulgarem o seu trabalho a um público que, anteriormente, não era tão acessível.

“É importante mostrar que não precisamos estar vinculados a meios de produção em massa para mostrar o nosso trabalho e que não precisamos seguir uma “tendência”, podemos falar do que quisermos no estilo que queremos. Quando tocamos música cover temos espaço, porém, quando partimos para a música autoral, esse meio já diminui, mas as mídias audiovisuais e sociais vêm encorajando o artista a apresentar sua arte, ou seja, a cena vem crescendo”, reflete Fernando Martins “Cotonete”.

Por outro lado, o “colaborativismo” entre as bandas independentes tem permitido a troca de informações, a promoção de eventos em conjunto e o desenvolvimento de um novo cenário baseado na qualidade e compartilhamento artístico. Um movimento que tem aberto espaço para que novas iniciativas se desenvolvam nas mais diversas localidades.

“A produção independente se faz em demasia importante, visto que o mainstream atinge uma pequena parcela do total de artistas existentes na cidade. É perceptível que, em época de “colaborativismo”, bandas saem do fundo do baú e outras vêm surgindo por dar oportunidade das mesmas mostrarem sua arte”, destaca Igor Venal.

É nesse sentido que a cena independente itabirana vem se desenvolvendo atualmente. Coletivos artísticos, eventos em parceria e uma boa relação entre os artistas vêm contribuindo para que novos produtos culturais floresçam pela cidade. Não há uma disputa por espaço ou público, mas um consenso de que a união é necessária para que esses grupos possam conquistar espaço e mostrar o seu trabalho.

“Hoje em dia, para se constituir uma cena, movimento ou algo do tipo, é plausível ter parcerias de uma forma em que todos contribuem. Fazer cultura é algo complicado! Como artista, é interessante colaborar com outros, e, como público também, acreditamos que quando colaboramos uns com os outros, as coisas acontecem”, defende Tiago Labiapari, integrante da banda Spoiler.

Com o objetivo de apoiar a cena cultural local e dar visibilidade para os artistas que vêm produzindo e criando em Itabira, o 1º Movimento Trem das Gerais, que acontece no dia 17 de dezembro, às 12h, na Espeteria Filé di Gato, reúne dez bandas independentes em um dia inteiro de muita cultura.

Clique aqui e conheça um pouco mais dos artistas que agitarão o evento.

Os ingressos para o 1º Movimento Trem das Gerais já estão à venda na bilheteria do Filé di Gato (Avenida Mauro Ribeiro Lage, 776, Esplanada da Estação, Itabira, Minas Gerais) ou pela internet por meio do Sympla. Confira os valores:

  • 1º lote: R$ 10 (encerrado);
  • 2º lote: R$ 15 (até o dia 10/12);
  • 3º lote: R$ 20 (a partir do dia 11/12).

O 1º Movimento Trem das Gerais conta com o apoio da Origami Propaganda, Pousada do Carmo, Laboratório Nossa Senhora das Dores (LNSD), Casa César, Zaga Consultoria Ambiental, Construtora Linhares, Sett Engenharia, Aplik Imóveis, Amo Pizza, Vibes Store, Funcesi e Santa Fúria Tatto Shop.

SERVIÇO

1º Movimento Trem das Gerais
Shows com Poison or Medicine, Postura, Nosso Fulcro, Spoiler, Igor Venal, Rivotrio, Thiago SKP, Fernando Cotonete, Virginia’s e Karlo.
Data e horário: sábado, 17 de dezembro, das 12h às 23h59
Local: Filé di Gato (Avenida Mauro Ribeiro Lage, 776, Esplanada da Estação, Itabira, Minas Gerais)
Ingressos*: R$ 10 (1º lote), R$ 15 (2º lote) e R$ 20 (3º lote)

*Clique aqui e compre o seu ingresso online.

LEIA MAIS

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.