Juninho Ibituruna lança o EP experimental “C.O.M.F.U.S.O”

Depois de fechar a porta de casa e colocar os pés na rua certamente você, leitor, será bombardeado por uma diversidade de sons. Caminhar pela cidade ou pela natureza é uma experiência sonora, porém, muitas pessoas acabam não percebendo essa riqueza. O percussionista radicado em Itabira, Juninho Ibituruna, resolveu não desperdiçar esse material e o utilizou em seu novo trabalho: o EP “C.O.M.F.U.S.O”, que foi lançado no final de dezembro de 2016.

Mais do que um registro musical experimental, “C.O.M.F.U.S.O” é um trabalho criativo complexo e que instiga novas possibilidades sonoras para quem o escuta. A gravação desse trabalho exigiu a criação de um banco de dados com “paisagens sonoras”, que vieram a ser usadas juntas com batidas de bateria acústica, percussão, contrabaixo e teclados. Todo o EP foi gravado no home studio do próprio Juninho Ibituruna.

“Já faz muito tempo que gravo paisagens sonoras da rua, da natureza. Em tudo e em todo lugar existe muito som no ar e procuro manter minha antena ligada com o que se passa ao meu redor. Certo dia fiz uma música misturando os sons da rua com teclado e batida eletrônica, gostei do resultado, era algo novo para mim, que vinha de um universo sonoro tão presente, mas que eu não prestava tanta atenção. Então comecei uma grande pesquisa por uma nova forma de fazer música, acho que o EP é um bom fragmento dessa pesquisa eterna”, explica Juninho Ibituruna.

10

Para quem está acostumado em ver o trabalho do percussionista em projetos como TiãoDuá e Xafu, o EP “C.O.M.F.U.S.O” é uma verdadeira surpresa por reunir sonoridades fora dos padrões acadêmicos e estéticos. O álbum é inteiramente dedicado ao trabalho experimental e a um novo modo de fazer e perceber música, pois permite que Ibituruna busque uma sonoridade mais livre e sem a necessidade de se prender a uma linguagem ou identidade específica, como acontece em seus outros projetos artísticos.

“Curto muito o transe que rola nas rodas de percussão e também gosto dos loops da música eletrônica, a junção da tradição com o contemporâneo tem uma força maravilhosa. Outro motivo de ter usado essa fusão foi a minha limitação de recursos humanos e materiais. Eu gravei quase tudo em casa e com um equipamento básico, não fiz mixagem e nem masterização, que são processos para bombar o som e ficar com boa escuta, eu quis me colocar nessa situação de poder desembolar um álbum interior praticamente sozinho”, avalia Juninho Ibituruna.

Todas as oito faixas do EP têm essa pegada experimental e, em sua maioria, instrumental. A faixa “Costume” é uma das exceções, pois conta com um texto declamado por Antônio Abujamra – um personagem que, segundo Ibituruna, sempre buscou provocar e sair dos modelos tradicionais. Uma clara inspiração para tudo o que buscou desenvolver com “C.O.M.F.U.S.O”.

08

“Abujamra foi a grande voz do Brasil! A sua forma de interpretar e a agressividade com as palavras me influenciaram bastante. Esse texto é como um soco de verdades na cara, então era necessário no EP. Na parte sonora foi uma mistura só: percussão baiana, pandeiro grave como se fosse bateria, MPC, baixo dobrando o teclado com um efeito meio bizarro, dois solos de bateria com distorção de guitarra brigando de propósito com a voz, tudo para sair do tradicional, sair do ‘Costume’. Eu sempre vi o Antônio Abujamra criando essas provocações e só queria dialogar com ele um pouco”, ressalta Juninho Ibituruna.

Após lançar o EP em formato digital, o percussionista pretende buscar recursos para prensa-lo em CD, assim como desenvolver um formato de show para esse trabalho. Além disso, todas as músicas de “C.O.M.F.U.S.O” vão integrar a trilha sonora do espetáculo “Na Esquina”, do grupo circense Coletivo Na Esquina, do qual Ibituruna é diretor musical. O grupo deve sair em turnê pelo Brasil a partir de maior deste ano.

Escute o EP “C.O.M.F.U.S.O” na íntegra:

LEIA MAIS

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.