Jornal Minas exibe nesta semana série sobre a musicalidade de Diamantina

Entre 20 e 24 de maio, reportagens vão mostrar o “DNA musical” do município que disputa o título de “Cidade Criativa”, da Unesco

Diamantina, no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, nasceu de um povoado de 1722 e hoje tem uma população, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de pouco mais de 45 mil habitantes. A história e a tradição musical se mantêm a gerações, o que a torna referência no Brasil pela melodia entonada em suas ruas e ladeiras. Hoje o local disputa o título de “Cidade Criativa” da Unesco na categoria música. O Jornal Minas, da Rede Minas, preparou uma série especial, “Do Sagrado ao Profano”, que vai ao ar a partir de segunda-feira, 20 de maio, e será exibida durante toda a semana para mostrar ao público as maravilhas desse lugar.

No episódio de estreia, a jornalista Romina Farcae apresenta “A Musicalidade dos Sinos”. Na reportagem, ela fala sobre o toque dos sinos e o ofício de sineiro, registrados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como patrimônio cultural de todos os brasileiros. O público, em casa, confere mais sobre as peças da cidade que emitem badaladas diversas em uma linguagem reconhecida pela população, além de outras curiosidades.

A série ainda promete várias surpresas nos outros quatro episódios. O concerto com órgão fixo mais antigo construído no Brasil; as serestas que ainda reúnem, em cortejo, vários músicos; a Orquestra Sinfônica Jovem da cidade; a influência de Diamantina nas músicas do Clube da Esquina, que foram compostas por Fernando Brant que mudou para o município quando ainda era criança; o samba no Mercado Municipal – mais conhecido como Mercado Velho; o coral Arte Miúda e famoso bloco de carnaval Bartucada são algumas das atrações.

A série exibida nos jornais faz parte da campanha “Rede Minas em apoio às cidades que concorrem a rede Cidades Criativas da Unesco” e foi uma coprodução com a TV Vale. A emissora apresenta programação especial, durante todo o mês, que mostra as riquezas e potencialidades dos municípios mineiros que concorrem ao título.

São sete categorias. Diamantina, pela música; Cataguases, pelo cinema; e Belo Horizonte disputa pela gastronomia. Atualmente, 180 cidades de 72 países foram agraciadas com o título – apenas oito no Brasil. O jornal ainda prepara outra série especial sobre Cataguases.

Sobre o título de “Cidade Criativa” da Unesco

Em 2004, a Unesco criou a rede mundial de Cidades Criativas com o objetivo de promover a cooperação internacional fomentando o desenvolvimento sustentável. O título é uma oportunidade para impulsionar a economia criativa e a troca de experiências bem sucedidas e melhores práticas.

Atualmente, a rede é composta por 180 cidades em 72 países – apenas oito delas no Brasil. São sete categorias consideradas pela Unesco como impulsionadores da economia: artesanato e artes folclóricas, artes midiáticas, design, cinema, gastronomia, literatura e música.

Os municípios agora preparam um dossiê, que deverá ser entregue até o dia 30 de junho e avaliado por comitês. A previsão é que o resultado seja divulgado no final do ano.

 

SERVIÇO

Série “Do Sagrado ao Profano”
Onde: Jornal Minas 1ª Edição, às 12h30, e Jornal Minas 2ª Edição, às 19h15
Período de exibição: de segunda-feira, 20 de maio, a sexta-feira, 24
1º episódio: “A Musicalidade dos Sinos”
Produção: Rede Minas com coprodução da TV Vale

*Como sintonizar: a Rede Minas está no ar no canal 9.1 (HD) e 9.2 (SD); One Seg (para portáteis) 9.3; Net 20 e Net HD 520; Oi 09; além do site da emissora www.redeminas.tv e o aplicativo.

LEIA MAIS

Comentários