Cabelos Crespos e Cacheados – 1º Encontro Itabirano: Identidade da cabeça aos pés

É como se essas linhas fossem um desfile: cabelos emaranhados, enrolados a passar – aqui e ali. Pode ser black, dread, raspado, curto ou longo. E, quem sabe, com adornos. Aí, juntam-se pentes, tererês e turbantes. Tudo com muita cor, estilo e, principalmente, reforçando a cultura negra. Um verdadeiro festival que mistura autenticidade com tradição.

Um movimento que, do alto das cabeças, reforça a busca pela identidade. Em um mundo em que chapinhas e escovas ditam moda, assumir os cabelos crespos ou cacheados é um ato desafiador – e libertador. Há anos produtos químicos alisantes e padrões de beleza assumem um tom excludente, daqueles que limitam a diversidade. Porém, há quem se organize para soltar as madeixas e por um limite às “exigências” de um cabelo bem domado.

E neste contexto as discussões extrapolam a questão estética. Não que este tópico não esteja ali. Mas passa por temas como a autoaceitação, a busca pela identidade própria, o reconhecimento cultural e das tradições afro. E, sobretudo, a libertação de padrões controladores e limitadores. Uma reflexão que, em Itabira, chega por meio do evento “Cabelos Crespos e Cacheados – 1º Encontro Itabirano”.

O evento, agendado para acontecer no dia 13 de setembro, das 13h às 17h, no Parque Belacamp, será dedicado à valorização da identidade negra por meio do artesanato, de oficinas de amarração de turbantes e de penteados para cabelos crespos e cacheados. Além de fotografia, poesia, música, workshop de maquiagem e corte de cabelo.

“Este encontro é um momento para reunir pessoas que valorizam a identidade, a cor, a raça negra. Encontros como este estão sendo realizados em várias cidades do Brasil e é sempre em clima de alegria e espontaneidade. O encontro é aberto ao público. As pessoas trocam experiências de cuidados e autoestima, tiram fotos e divulgam para incentivar outros eventos similares”, destaca Selma Duarte Cruz, uma das organizadoras do encontro.

E mais: promover a autoestima é uma forma de desenvolver uma cidade mais harmônica e alegre. Sentimentos que contribuem para que aconteçam mais trocas de experiências e, assim, se promova a cultura local. Ainda mais quando se fala da cultura negra, tão presente na construção social do nosso país.

Essas influências são sentidas na música, literatura, artes plásticas, culinária, moda… mas essa riqueza cultural nem sempre recebe o reconhecimento devido. O que torna ainda mais importante realizar atividades que ocupem as cidades, os espaços públicos e promovam a inclusão e as discussões relacionadas às manifestações afro.

“A cultura negra é manifestada o tempo todo, mas nem sempre é percebida, por ser inserida no cotidiano das pessoas. Temos grupos de marujos, congado, além da cultura inserida nas nossas roupas, comidas, linguagem. O espaço existe, nós temos que ocupar este espaço, nos organizarmos, nos reunirmos, ter iniciativas. É preciso gerar movimento contínuo, de alguma forma, para obter ganhos coletivos. O grande obstáculo está na inércia e no medo. A partir do momento em que estamos dispostos, criamos oportunidades e temos coragem para realizar, muitas coisas bacanas acontecem”, ressalta Selma Duarte.

E é um pouco disso que o “Cabelos Crespos e Cacheados – 1º Encontro Itabirano” se propõe: colocar nas ruas itabiranas beleza, cores e alegria. Sempre respeitando a identidade, individualidade e autenticidade de cada um.

SERVIÇO
Cabelos Crespos e Cacheados – 1º Encontro Itabirano
Local: Parque Belacamp (Bela Vista, Itabira)
Horário: 13h às 17h
Ingressos: Gratuito

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.