Fleeting Circus antecipa novo disco com single “Disconnection”

A Fleeting Circus passou boa parte do segundo semestre de 2016 trabalhando em seu próximo álbum, sucessor do elogiado primeiro trabalho. Agora chegou a hora do público conhecer um pouco dessa nova sonoridade com o single “Disconnection”, que chega aos principais serviços de streaming de música. A canção já garantiu destaque no Spotify, com presença nas listas de Novidades da Semana e Brasil 360, ao lado de artistas de renome no cenário nacional e internacional.

“Disconnection” já demonstra o amadurecimento sonoro que a Fleeting Circus teve desde o álbum de estreia, homônimo, lançado no Brasil e nos EUA. Se o primeiro trabalho levou a shows internacionais e trilhas sonoras de novelas da Rede Globo, a banda mira voos ainda mais altos para este novo projeto.

Embora tenha guitarras marcantes, o novo single surgiu como um riff de violão. “Desde o início a gente sentia a influência de bandas como Television na levada da música e buscamos criar uma canção rápida, impactante e direto ao ponto. O conceito de single foi sendo definido ao longo da gravação, conforme os elementos do arranjo foram sendo criados e a música ia ganhando forma. Mas acho que depois da primeira vez que a tocamos inteira, a reação de todos foi começar a rir, por termos feito uma música que trazia um lado novo da banda. A gente sabia que ela tinha uma peculiaridade”, explica o guitarrista Felipe Vianna. Completam a Fleeting Circus Taynã Frota, Rodrigo Seven e Lucas Faria.

03
Após lançar o single “Disconnection”, a Fleeting Circus prepara um videoclipe e o lançamento do seu segundo álbum.

Além do primeiro single, “Disconnection” vai ganhar o primeiro clipe do novo disco, com previsão de lançamento para março. Já o álbum, ainda sem título e em fase de pós-produção, vem ainda neste primeiro semestre.

O principal catalisador dessa nova sonoridade foi Patrick Laplan, experiente músico e produtor que assina trabalhos marcantes do rock nacional, já tendo trabalhado com bandas como Eskimó, Rodox e Planar. E ele trouxe, além de uma identidade musical ainda mais forte, as próprias baquetas, tocando bateria nas faixas. “O Laplan teve uma participação importante no processo de composição e nos ensaios, o que ajudou a deixar todos mais imersos no projeto”, avalia Vianna.

O processo de produção foi bastante diferente do primeiro álbum, gravado no Melhor do Mundo Studios. Neste, as sessões foram feitas no estúdio da própria banda, apelidado de Fleeting Cave, graças à ambiência intimista do espaço. Esse clima também norteou a composição das novas músicas, que vão na contramão dos riffs mais complexos e longos que se tornaram sinônimo da banda. Agora, a Fleeting Circus quer pegar o ouvinte já nos primeiros acordes – e deixar aquele gostinho de “quero mais”, como define o próprio guitarrista.

Para coroar essa trajetória – que inclui ainda um EP, “Dream World of Magic”, e uma série documental gravada durante a tour novaiorquina da banda -, “Disconnection” abre um novo mundo de possibilidades para a Fleeting Circus, que já planeja essas e outras novidades para 2017.

cover_disconnection
Capa do single “Disconnection”.

Confira o single “Disconnection”:

LEIA MAIS


Comentários