Festival Misture une nomes da música mineira independente em encontros que transbordam diversidade cultural

Artistas recebem convidados especiais para sábado de comunhão de sons; entre eles, Maíra Baldaia, Tamara Franklin e Johnny Herno

Uma fusão de sons da música independente em um casarão centenário que guarda muitas histórias: é o que promete o Festival Misture, em Santa Luzia, região metropolitana de Belo Horizonte, que acontece em 3 de novembro com o forte intuito de mostrar à sociedade, em meio ao atual e turbulento cenário político, a necessidade de união entre artistas e público para fomento, discussão e fortalecimento da cultura e toda sua multiplicidade.

A combinação de estilos, vozes, batidas e tons fica por conta dos artistas Guilherme Ventura, Tom Nascimento, Luiz Laco e Rafael Dejero, que se juntam para esse grande evento que abraça a diversidade artística e convidam Maíra Baldaia, Tamara Franklin, Johnny Herno, Tiago Nonato, Companhia Teatral Solares e Dj Sapão. Para os artistas, que são os próprios organizadores do festival, a ideia é criar um espaço que seja um elogio e um incentivo à pluralidade cultural para que o público, além de apreciar e se divertir, sinta-se representado pela mistura de possibilidades que os encontros vão provocar.

“Temos a intenção de fazer um festival inesquecível, que afirme a grandeza da arte feita em Santa Luzia. É claro que não conseguiremos mostrar toda essa vasta riqueza, mas certamente terá uma parte importante representada. Esse festival vai mostrar que é possível e viável fazer grandes eventos culturais sem perder a qualidade artística. Queremos, com o Misture, uma grande comunhão arrebatadora”, afirmou o multiartista Guilherme Ventura.

Como forma de reinventar a música independente – condição que os organizadores afirmam ser fundamental para que os trabalhos artísticos se mantenham – as atrações foram misturadas da seguinte maneira: Guilherme Ventura se apresenta com Maíra Baldaia, Tom Nascimento se junta a Johnny Herno, Laco e os Lunáticos se somam com o som de Tiago Nonato e Jorge Band compartilha o palco com Tamara Franklin. DJ Sapão dá as boas vindas antes da primeira atração e artistas da Companhia Solares fazem intervenções e mostram seu talento durante os intervalos.

A arte de cozinheiros locais também estará presente e as atrações gastronômicas ficam por conta de Eliane Martins, que leva a Cantina da Lica com sua comida de boteco, e de João Cláudio Salles, chef de cozinha responsável pelo “Cozinha Ao Vivo”, com o preparo de massas variadas.  Assim como os pratos, as bebidas também serão vendidas à parte.

O Festival Misture acontece a partir das 15h, no Espaço Vila Santana, no centro histórico de Santa Luzia. Os ingressos estão disponíveis em www.sympla.com.br/festivalmisture  e nas unidades da Ótica Santa Luzia, no próprio município.

Serviço:

Quando: 03.11.2018

Horário: A partir das 15h

Onde: Villa Santana: Rua Silva Jardim, 120, Centro Histórico, Santa Luzia, MG

Ingressos: A partir de R$ 20 (1º lote) em www.sympla.com.br/festivalmisture

Sobre os artistas:

Guilherme Ventura: luziense, cantautor e artista premiado em vários festivais de canção. Em sua discografia possui o disco “Bucadim de Samba” (2007), gravado com a banda Cirandeiros, e seu primeiro álbum solo autoral “Dois Lados” (2017). Integrante do coletivo IMuNe, lançou em 2016 seu primeiro clipe: “Criola”.

Maíra Baldaia: cantora, compositora e atriz mineira. Considerada uma das representantes da boa e nova safra de cantautoras e cantautores do Brasil, apontada em uma seleção feita pela “Musicoteca” como uma “das incríveis mulheres que estão chamando a atenção e modificando os “tipos” e lugares da música brasileira.

Tom Nascimento: Com Swing, musicalidade e versatilidade. O beat peculiar da Black Music, seja soul, reggae, blues ou rock, vai ao encontro dos ritmos brasileiros, num passeio entre o samba e o baião na voz e no violão de Tom Nascimento. É difícil resumir o talento desse compositor, instrumentista, cantor e intérprete que é um dos nomes do seleto grupo de artistas da MPB contemporânea revelados em Minas Gerais.
Tom já fez 4 turnês pela Europa ( Alemanha, Áustria, Suíça e Itália) levando seu Afro Pop mundo afora.

Johnny Herno: artista mineiro com mais de 20 anos de dedicação à música e às artes. Com trabalhos realizados na América, Europa e Ásia, ele tem um estilo único, seja na percussão, no canto à capela, na berimlata, nos sons onomatopeicos ou no silêncio.

Rafael Dejero: iniciou-se no cenário artístico aos 15 anos e estudou música no CEFAR e FEA e Contrabaixo na UFMG. Atuou como baixista oficial no Festival Internacional de Corais acompanhando nomes consagrados como Lô Borges, Marcus Vianna, Tavito, Wilson Sideral, 14 Bis e Tianastácia. Dejero é fundador da Jorge Band e também diretor e educador musical. Atualmente, é contrabaixista dos artistas Guilherme Ventura, Tamara Franklin e Lucca Paris das bandas Jorge Band e Bloco Afro Magia Negra.

Tamara Franklin: Dona de uma voz marcante, personalidade forte e um talento diferenciado, a artista nasceu e cresceu em Ribeirão Das Neves com o Rap sendo parte de sua vida, e foi ouvindo o som alto dos vizinhos que entendeu que os versos que escrevia poderiam, aliados aos bumbos e caixas característicos do gênero, transformarem-se em Rap. Atualmente, é uma das grandes promessas do Rap nacional.

Jorge Band: Criada em 2011 por Rafael Dejero com o intuito de homenagear Jorge Ben e Tim Maia. Com o passar do tempo, o repertório se expandiu com a inclusão de clássicos da música brasileira e latino-americana, nos gêneros musicais Samba Rock, Soul, Salsa e derivações. No mais alto astral possível, o baile da Jorge Band não deixa ninguém parado!

 Luiz Laco: músico com bagagem de quase 15 anos no cenário martístico. Residente desde criança em Santa Luzia, ele se juntou aos Lunáticos para tocar suas composições e influências que flutuam desde Tianastácia até Bob Dylan, passando por Red Hot Chilli Pepers e Los Hermanos. Seu trabalho é uma grande mistura de boas sonoridades e representa a mistura da força do rock com a energia do reggae e a leveza do pop.

Tiago Nonato: multi-instrumentista, cantor e produtor musical e seu som tem influência de clássicos como Bach, Bethoven, Mozart e conhecidos nomes do Jazz instrumental como Joe Pass, Wes Montgomery, Chi Corea e George Benson. Sente-se também representado por estilos instrumentais mais contemporâneos como Joe Satriani, Steve Vai e Eric Johnson.

DJ Sapão: atua desde 1994 na cena musical e nunca se prendeu a nenhum estilo, embora opte por vertentes que aguçam mais seu gosto como música eletrônica, samba, samba rock, forró pé de serra e rock n’ roll. Sapão é um grande adepto da cultura do vinil e possui uma coleção de mais de 1500 vinis que leva por onde toca.

Cia Teatral Solares: grupo formado por jovens artistas luzienses que se reúnem em prol da arte e cultura na nossa cidade e apresentam espetáculos teatrais com enfoque nas linguagens de rua e espaços alternativos, intervenções cênicas e circenses, com temáticas variadas.

LEIA MAIS

Comentários