Em seu EP de estreia, “Amarelo Manga”, o itabirano The Ogoin traz um rap com pitadas de R&B e pop

Durante o 43º Festival de Inverno de Itabira, o coletivo cultural Nosso Fulcro anunciou um hiato em sua breve carreira. Na época, o grupo era um dos representantes da nova cena musical de Itabira e trazia um experimentalismo interessante em suas composições autorais e interpretações de clássicos nacionais. Mesmo após essa interrupção, os integrantes do projeto, por meio de trabalhos solo, continuam movimentando a cena local. Prova disso é João Lucas Prado, que, sob a alcunha The Ogoin, assina o recém-lançado “Amarelo Manga”.

Em seu primeiro trabalho solo, o músico encontrou a liberdade necessária para trabalhar temas e ritmos que representam o seu cotidiano e o universo de sentimentos que perpassam o seu dia a dia. O EP apresenta composições de rap que trazem em sua essência pitadas de R&B e pop. Essa mistura musical ganha ainda mais potência na voz de The Ogoin, que confere uma sonoridade única para o seu trabalho.

06

“O ‘Amarelo Manga’ trata principalmente de emoções e como eu as interpreto. As letras são basicamente um desafio que me fiz de expor sentimentos que geralmente não são expostos daquela forma nas músicas que ouço ou que são tocadas por aí. Eu não senti necessariamente todos eles, apenas os vi no meu cotidiano e me desafiei a projeta-los musicalmente”, reflete The Ogoin.

“Amarelo Manga” começou a ser desenvolvido no final de 2016. Naquele momento, as composições eram apenas uma forma que The Ogoin encontrou para exprimir suas ideias, percepções e experimentar possibilidades musicais. Não havia, no entanto, o objetivo de tornar público esse trabalho.

05

Mais tarde, em 2017, quando o Nosso Fulcro já havia suspendido o seu trabalho, o músico decidiu iniciar as gravações do EP. Todo o processo foi feito de maneira independente: as músicas foram captadas em home studio com apoio de Kevem William (também responsável pela masterização) e mixado por Hugo Dias. Os dois produtores também participaram do projeto anterior de The Ogoin.

“Eu comecei a me envolver com a produção de beats de rap no final de 2016 e peguei muita coisa do básico muito rápido e isso, de certa forma, me incentivou a continuar produzindo e compor algo por cima dos resultados. Os instrumentais foram todos feitos nessa ideia, eu aprendia uma coisa nova e colocava neles, se o resultado ficasse legal eu mantinha, se não, eu tentava fazer de forma diferente”, explica The Ogoin, que também teve apoio da Tumor, selo coletivo que integra desde o início de 2018.

Após o lançamento do “Amarelo Manga”, o músico itabirano se prepara para um evento de apresentação do seu novo trabalho. No sábado, 14 de abril, The Ogoin participa na capital mineira, Belo Horizonte, do encontro “O Que Dizem as Cores?”, promovida pelo coletivo Tumor. Na ocasião, além de mostrar suas música, também discorrerá sobre o seu processo criativo.

07

“Amarelo Manga” faixa a faixa por The Ogoin:

“Canção do Cais”: “é sobre desencaixe social, sobre não se sentir ancorado, amparado O instrumental dela soa bem estranho, único, mas é justamente pra complementar essa ideia de ser desencaixado, que é o objetivo da música”.

“Amarelo Manga”: “é sobre coisas que me incomodavam na época, ela é meio que um desabafo. Tentei ser o mais rap possível nessa porque queria criar uma atmosfera old school para que alguns elementos remetessem aos raps dos anos 90, que tinham essa carga mais ‘obscura’ nas letras, mas, ao mesmo tempo, sem fugir da sonoridade proposta pelo EP”.

“Padmé”: “é sobre as relações e seus efeitos. É basicamente um eu lírico obsessivo por um relacionamento que não deu certo e suas lamentações e desejos a respeito disso. Usei a imagem da Padmé de ‘Star Wars’ porque ela é um pilar importante para que o Anakin se torne o vilão Darth Vader. Na música, ela é a analogia ao momento em que esses sentimentos deixam de ser saudáveis pra se tornar obsessivo e doentio.

“? (ou Interrogação)”: “é uma homenagem que fiz ao sentimento de saudades e perda e às pessoas que são obrigadas a conviver com ele”.

Escute o EP “Amarelo Manga”:

Onde encontrar o EP “Amarelo Manga”:

 LEIA MAIS

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.