Em Belo Horizonte, Verão Arte Contemporânea chega à sua última semana

As últimas semanas do Verão Arte Contemporânea (VAC) 2018, em Belo Horizonte, Minas Gerais, foram mágicas. Centenas de pessoas passaram pelos espaços culturais que receberam atrações da moda, gastronomia, música, teatro e dança. Diversos espetáculos tiveram os ingressos esgotados. Para algumas apresentações, foi necessário criar sessões extras para atender a demanda de público. E, antes de sair de cena e deixar saudade, o VAC encerra a temporada 2018 com debate político, seminário de arquitetura, apresentações de hip hop, dança, ballet, teatro e MPB.

Idealizado e realizado pelo Grupo Oficcina Multimédia (GOM), que em 2017 completou 40 anos de trajetória, o VAC reafirma seu compromisso de incentivar a pesquisa e a experimentação nas artes, valorizando a criação artística local e trazendo a cada edição novidades.

Boa parte da programação tem preços populares e algumas atrações possuem entrada gratuita. Este ano, o VAC conta com o patrocínio da Codemig (por meio do Governo de Minas Gerais) e apoio cultural do Sesc, entre outras instituições. Confira a programação completa da última semana do Verão Arte.

Programação de 31 de janeiro a 04 de fevereiro 

Inicialmente marcado para 18 de janeiro, o MARP (Movimento de Arte e Reflexão Política) foi adiado em respeito à memória do músico e compositor Flávio Henrique. E o debate político abre a programação da última semana do VAC e será realizado nesta quarta-feira, 31 de janeiro, às 20h, no CCBB.

Em parceria com o Coletivo Alternativa Popular, o movimento vai promover uma mesa redonda composta por artistas, intelectuais e público com o título “E agora José?”. O objetivo é introduzir no Verão Arte um momento de reflexão sobre inquietações relacionadas à arte e à cultura na atualidade. João Paulo Cunha, Jacyntho Lins Brandão e Nívea Sabino serão os debatedores do encontro que será mediado por Francisco César. No evento haverá também a presença de Nilcéa Moraleida representando o Coletivo Alternativa Popular. A entrada é franca e a classificação 16 anos.

Nos dias 31 de janeiro e 1º de fevereiro, quarta e quinta, às 18h30, na Sala Multiuso do CCBB, o Seminário Comum I Público discute a produção do comum em tempos de ameaças à democracia. Serão abordadas questões sobre geopolítica, globalização desigual, atuações dos mecanismos transnacionais na fragilização do público, soberania nacional e popular, redes de movimentos sociais e universidades em defesa do que é público e do que é da ordem do comum. Com curadoria de Natacha Rena, Marcela Brandão e Mariana Moura, o Comum I Público tem entrada franca e classificação 16 anos.

Um dos destaques na programação do VAC 2018, o encontro de Lucia Castello Branco e Chico Neves será realizado na quinta-feira, às 20h, no auditório do Memorial Minas Gerais Vale. A escritora, psicanalista e professora titular em estudos literários da Faculdade de Letras da UFMG conversa com o produtor musical mineiro trazendo à tona a memória de quatro décadas da música popular brasileira e de tudo o que envolve a gravação e a produção dos discos no Brasil. A carreira de Chico Neves, contada em livro pelo escrito e jornalista Paulinho Assunção, tem lançamento prevista para 2018. Para participar do Lúcia conversa com Chico é necessário retirar convite uma hora antes do evento, limitado a um convite por pessoa. A entrada é franca e a classificação é 16 anos.

O espetáculo Exit, do Grupo Cultura do Guetto, ocupa o Teatro Bradesco nos dias 01 e 02 de fevereiro, quinta e sexta, às 20h. Na apresentação, o grupo questiona se é possível criar algo novo, o limite para a nossa criatividade, quais são as liberdades que nos deixam presos, quais as escolhas que nos fazem livros e como escapar da rotina. O Cultura do Guetto propõe uma reflexão sobre estas e tantas outras inquietações. Exit celebra os 11 anos do grupo que nasceu em 2006 reunindo amigos do Pompéia, bairro da região leste da capital. A classificação é livre e os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

A dependência do outro, o desgaste das relações, a solidão e condicionamento humano como antítese da liberdade. Esses são alguns dos temas abordados pela peça Uma Tendência para Alegria do Cia. 5 Cabeças. O espetáculo mostra o cotidiano de Amado, Bernadet e Rara Magia, que sob o mesmo teto atravessam juntos as estações do ano compartilhando conflitos e pequenas alegrias. A direção é de Ronaldo Jannotti e elenco é formado pelos atores Carol Oliveira, Luisa Rosa e Saulo Salomão. Em cartaz de 02 a 04 de fevereiro, sexta a domingo, às 19h, na Sala Multiuso do CCBB, os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) com classificação de 12 anos.

A IX Mostra de Cinema, Cultura, Arte e Poder ocupará, nesta semana, o MIS – Cine Santa Tereza com a exibição de três filmes de 2 a 4 de fevereiro. Na sexta-feira, 02, às 19h30, será exibido Los Leones. No sábado, 3, o filme é Martírio, às 19h. E no domingo, 4, também às 19h, é a vez de O silêncio da noite é que tem sido testemunha das minhas amarguras. A Mostra de Cinema tem entrada franca e os convites devem ser retirados 30 minutos antes do início de cada sessão.

O Sesc Palladium recebe o Palco Hip Hip Danças Urbanas nos dias 3 e 4 de fevereiro. Sábado, às 20h e domingo, às 19h. Os ingressos custam R$ 2 (inteira) e R$ 1 (meia). O palco propõe a valorização, difusão e promoção das danças da cultura hip hop com apresentações de MCs, DJs, Grupos de Dança e Grafiteiros, além de uma batalha livre de Danças Urbanas. Resistente desde 2011, o Palco Hip Hop é hoje um dos maiores e mais importantes festivais dedicados à cultura de rua do Brasil.

O Ballet Jovem Minas Gerais apresenta o Ritos Pragmático no sábado, 4 de fevereiro, às 21h, no Teatro Bradesco. Em Ritos estão presente as manifestações culturais nas diferentes religiões pelo mundo. A coreografia foi inspirada no Brasil de diferentes culturas, origens e rituais presentes em nosso cotidiano e nos nossos gestos. Pragmático destaca o verdadeiro homem do seu tempo, em seus movimentos de liberdade, é a ação racional de um sentimento honesto. O espetáculo é indicado para todas as idades e os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).

E, encerrando a programação do Verão Arte Contemporânea 2018, o cantor José Luis Braga sobe ao palco do Teatro Bradesco para o lançamento do álbum Nossa Casa. O CD é o primeiro trabalho solo do cantor, compositor, antropólogo e fundador da banda Graveola e o Lixo Polifônico. A sonoridade de Sua Casa é ao mesmo tempo suave e densa, com composições leves que interagem com arranjos elaborados, numa narrativa que preza a fusão polifônica que celebra a beleza das incursões cancionais em sintonia com a sutileza e o decoro instrumental. Nossa Casa traz a simplicidade flertando com a complexidade, num encontro de forças musicais vivas e originais. A apresentação de José Luis Braga será no domingo, 04 de fevereiro, às 19h, com classificação livre. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).

Sobre o VAC 2018 

Realizado graças à contratação de parte da programação artística pelo Sesc e patrocínio da Codemig (por meio do Governo de Minas Gerais), oVerão Arte Contemporânea, o VAC (www.veraoarte.com.brchega a sua 12ª edição integrando 30 atrações nas áreas de teatro, dança, música, arquitetura, entre outras.

Realizado na capital mineira até 4 de fevereiro de 2018, o festival tem idealização, produção e realização do Grupo Oficcina Multimédia (GOM), liderado pela diretora artística Ione de Medeiros (que em 2018 completa 35 anos à frente do Grupo). A Pessoa Agência de Relações Púbicas é a responsável pelo relacionamento estratégico com a mídia e influenciadores digitais; a arte e design da edição é assinada por Adriana Peliano e fotografia de Netun Lima.

Além do apoio cultural do Sesc, também são apoiadores a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, Fundação Municipal de Cultura, e Centro de Referência da Juventude; Fundação de Educação Artística; Teatro Bradesco; Cinema Belas Artes; Galpão Cine Horto; ZAP 18; BH Trans; Restaurante Bem Natural; Restaurante Cantina do Lucas; Fundação Clóvis Salgado; Rede Minas; Memorial Minas Gerais Vale; Centro Cultural Banco do Brasil; Circuito Liberdade; Iepha; Governo de Minas e Governo Federal.

LEIA MAIS

Comentários