Em Belo Horizonte, Verão Arte Contemporânea celebra 12 anos com novidades e programação em 10 áreas culturais

Verão Arte Contemporânea ocupa desde domingo, 7 de janeiro, 17 espaços culturais de Belo Horizonte, Minas Gerais, além de uma apresentação em Ibirité e Contagem. Serão 29 dias de teatro, dança, artes visuais, gastronomia, arquitetura, cinema, literatura, música, moda e também discussões políticas com o  M.A.R.P.

Idealizado e realizado pelo Grupo OficcinaMultimédia (GOM), que em 2017 completou 40 anos de trajetória, o evento reafirma seu compromisso de incentivar a pesquisa e a experimentação nas artes, valorizando a criação artística local e trazendo novidades a cada edição. Boa parte da programação do VAC tem preços populares e algumas atrações possuem entrada gratuita.

Ione de Medeiros, Jonnatha Horta Fortes e Henrique Mourão do Grupo OficcinaMultimédia (GOM) reforçam a continuidade do evento nas diversas linhas conceituais que se entrelaçam na programação e destacam a parceria com a classe artística.

“O GOM investe na organização do evento, faz a curadoria, elabora a programação e mantém sua continuidade, graças às parcerias com os artistas e com instituições culturais de BH. Gosto de dizer que o evento é mágico porque persiste, apesar da insegurança e dos contratempos, mas as pessoas ficam surpresas com a sua extensão e a qualidade da sua programação. A mágica, neste caso, está também no ‘colaborativismo’ dos artistas e parceiros que apoiam e investem na realização do VAC por acreditarem na sua importância para a cidade e para as pessoas que aqui vivem. É emocionante ver todos juntos realizando um evento que quer levar arte para todos, que valoriza e incentiva a liberdade de escolha e de expressão”, reflete Ione de Medeiros que, em 2018, completa 35 anos de trajetória na direção do GOM.

Entre as novidades deste ano, o VAC 2018 inaugura uma instalação em espaço aberto como um “tableau vivant”  recriando o quadro impressionista “O Almoço sobre a relva” de Edouard Manet. “O formato da instalação é de um ateliê para modelo ao vivo a partir das recriações do quadro.

O evento quer reiterar o espaço do nu na arte, que escandalizou críticos e público em 1863 e ainda hoje vem sendo questionado”, conta Jonnatha Horta Fortes do GOM. Segundo ele, a proposta deste ateliê, compreende a presença de artistas que poderão pintar as recriações ao vivo da obra de Edouard Manet. O “Almoço Sobre a Relva” será realizado nos jardins do Teatro Francisco Nunes no dia 30 de janeiro, terça-feira, às 20h. A entrada é franca e os interessados devem retirar o convite uma hora antes do evento, limitado a um par de convites por pessoa.

M.A.R.P

Criado em 2006 pelo GOM, o M.A.R.P – Movimento de Arte e Reflexão Política, retorna ao VAC e, desta vez, em parceria com o Coletivo Alternativa Popular, irá promover uma mesa redonda composta por artistas e intelectuais e público com o título “E agora José?”.

O objetivo é introduzir no VAC um momento de reflexão sobre inquietações relacionadas à arte e à cultura na atualidade. O debate será no dia 18 de janeiro, quinta-feira, às 20h, no Centro Cultural Banco do Brasil. João Paulo Cunha, Jacyntho Luiz Brandão e Nívea Sabino serão os debatedores do encontro que será mediado por Francisco Cesar. No evento haverá também a presença de NilcéaMoraldeia representando o Coletivo Alternativa Popular. A entrada é franca e a classificação 16 anos.

Moda

No dia 13 de janeiro, sábado, às 14h, o Centro de Referência da Juventude recebe o bazar “Moda X-Tudo – Mercado das Pulgas no VAC”. A entrada é franca e a classificação é livre. O evento vai valorizar produtos de baixo custo reciclando a moda e promovendo uma circulação de roupas e adereços. Projetado com um “Mercado das Pulgas”, o objetivo é diversificar o consumo de usados, introduzindo nas bancas livros, revistas, CD’s e outras quinquilharias.

Gastronomia

Já na área da gastronomia será montada uma grande mesa para 30 pessoas desfrutarem um jantar cujo cardápio será mantido em segredo até o momento da degustação. Com nome de “VER(ÃO) – O Jantar Secreto”, os alimentos serão preparados com ingredientes que seriam descartados.

O objetivo é valorizar uma comida sem rótulos, promovendo uma noite de experiências e sensações desafiadoras. O chef Carlos Normando, criador do Projeto Gororoba, será o responsável pelo cardápio que terá entrada, prato principal e sobremesa. O jantar é no dia 10 de janeiro, quarta-feira, às 19h, no Centro de Referência da Juventude (CRJ).A entrada é franca e os interessados devem retirar convite uma hora antes do evento, limitado a um convite por pessoa.

Arquitetura

Nos dias 31 de janeiro e 1º de fevereiro, às 18h30, a Sala Multiuso do Centro Cultural Banco do Brasil recebe o seminário “Comum I Público” para discutir a produção do comum em tempos de ameaças à democracia. Serão abordadas questões sobre geopolítica, globalização desigual, atuação dos mecanismos transnacionais na fragilização do público, soberania nacional e popular, redes de movimentos sociais e universidades em defesa do que é público e do que é da ordem do comum. A curadoria do seminário é de Natacha Rena, Marcela Brandão e Mariana Moura. Entrada franca, classificação livre.

“A Arquitetura traz à tona questões sociais pertinentes da contemporaneidade, e levanta reflexões relacionadas a questões de geopolítica, da globalização desigual e atuação dos mecanismos transnacionais, na fragilização do público, soberania nacional e popular, no perigo da onguetização. E o papel da sociedade civil e rede de movimentos sociais e universidades em defesa do que é público e do que da ordem do comum”, reflete Ione de Medeiros.

Literatura

No bate-papo “Lucia conversa com Chico”, no dia 1º de fevereiro, às 20h, no auditório do Memorial Minas Gerais Vale, Lucia Castello Branco, escritora, psicanalista e professora titular em estudos literários da Faculdade de Letras da UFMG, conversa com o produtor musical mineiro Chico Neves. O bate-papotraz à tona a memória de quatro décadas da música popular brasileira e de tudo o que envolve a gravação e a produção dos discos no Brasil. A carreira de Chico Neves, contada em livro pelo escritor e jornalista Paulinho Assunção, tem lançamento previsto para 2018. O evento tem entrada franca.

Artes Visuais

A partir de 9 de janeiro, o VAC apresenta dentro do Projeto Parede do Sesc Palladium o artista Eder Oliveira. O projeto é um desdobramento do trabalho do artista, iniciado desde 2005 que trata sobre retrato e identidade a partir da imagem do homem amazônico. Partindo de apropriações de fotos publicadas em jornais de Belém do Pará, onde vive, a ação discorre sobre as relações possíveis entre imagem, identidade, poder, cor, mídia e marginalização. O processo de construção do trabalho poderá ser acompanhado de 9a 14 de janeiro, e a obra ficará exposta até 4 de março.

Cinema

A IX Mostra de Cinema, Cultura, Arte e Poder ocupará os cinemas Sala Humberto Mauro, Sesc Palladium, Centro Cultural Banco do Brasil e Cine Santa Tereza. Todas as exibições são gratuitas com retirada de ingressos 30 minutos antes do início de cada sessão. Com curadoria de Sávio Leite e do GOM, a mostra trata de semelhanças e especificidades da linguagem audiovisual em filmes que dialogam no eixo da cultura, da arte e do poder. Serão exibidos curtas e longas-metragens de jovens talentos emergentes e consagrados diretores cinematográficos brasileiros.

Ione reforça que a Mostra mantém o foco no tema –  Cultura Arte e Poder- e prioriza a produção nacional, valorizando trabalhos recentes com foco na ficção e em documentários que  resgatam a história da cultura brasileira. “Alguns filmes terão debate após a exibição. Entre eles o escritor João Silvério Trevisan, no Cinema José Tavares de Barros (SESC Palladium), após o documentário “Lampião da Esquina”. Francisco Franco diretor do filme  “Os Três Atos de Carlos Adão” e André Lage diretor de “Los Leones”.

“A Farra do Circo”, “A Batalha do Passinho”, “O Homem que matou John Wayne”, “Ameaçados”, “Confession”, “Histórias que nosso cinema (Não) contava” e “As Incríveis Artimanhas da Nuvem Cigana” são alguns dos títulos presentes na mostra.

Dança

A Laia Cia de Danças Urbanas traz o espetáculo “Nada mais é” nos dias 21 e 22 de janeiro, às 19h, na Sala Multiuso do Centro Cultural Banco do Brasil. A obra se estrutura a partir da desconstrução de pilares que alicerçam nossa formação e que nos afetam desde a infância: o machismo, a religião e o racismo. A classificação é livre e os ingressos custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia).

No sábado, 27 de janeiro, às 18h, Contagem recebe o “Palco Hip Hop – Danças Urbanas” que propõe a valorização, difusão e promoção das danças da cultura hip hop. O palco terá apresentações de MCs, DJs, grupo de dança e grafiteiros, além de uma batalha livre de danças urbanas. Já no domingo, 28, o palco vai para o Teatro Municipal de Ibirité, às 17h. Nos dias 3 e 4 de fevereiro, o Palco chega ao Grande Teatro do Sesc Palladium. Nas três cidades, os ingressos serão vendidos a R$ 2,00 (inteira) e R$ 1,00 (meia).

Já o Ballet Jovem Minas Gerais apresenta o “Ritos/Pragmático” no Teatro Bradesco, às 21h, do dia 3 de fevereiro, sábado. O espetáculo fala “dos ritos que estão presentes em nosso cotidiano e em nossos gestos”. A classificação é livre e os ingressos custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (a meia).

O Grupo Cultura de Guetto ocupa o Teatro Bradesco nos dias 1 e 2 de fevereiro, às 20h, com o espetáculo “Exit”. A apresentação questiona se é possível criar algo novo, o limite para a criatividade, quais são as liberdades que nos deixam presos, as escolhas que nos fazem livres e como escapar da rotina. O espetáculo celebra os 11 anos do Grupo que nasceu em 2006 reunindo amigos do bairro Pompéia, região leste da capital. A classificação é livre e o valor é R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia).

Teatro

Na área da dramaturgia, o VAC investe em propostas de pesquisa e inclui espetáculos recentes, além de uma estreia. O Grupo Planos Incríveis apresenta a peça “Os Indicados”, de 11 a 14 de janeiro, no Teatro Marília. Evandro Passos e AruanaZamby se apresentam no Centro Cultural Banco do Brasil com o espetáculo “O negro conta” nos dias 12 e 13 de janeiro, às 19h. Já o Este Coletivo é o responsável pelo “Suave Coisa Nenhuma”, também no CCBB, de 17 a 20 de janeiro, às 19h. O ZAP 18 recebe o “Homem Vazio na Selva da Cidade” de 19 a 21 de janeiro.

“O Mergulho”, do Novo Coletivo de Teatro, ocupa o CCBB de 24 a 27 de janeiro. O Galpão Cine Horto recebe “A Cerimônia e Os Negros” de 25 a 28 de janeiro, às 19h. A Cia 5 Cabeça traz para o VAC “Uma Tendência para Alegria”, de 2 a 4 de fevereiro, no CCBB. Todas essas apresentações teatrais custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia).

Já a Janela da Dramaturgia realiza uma edição especial no VAC com a reapresentação de leituras performáticas de textos teatrais inéditos da última edição do projeto. Nos dias 27 e 28 de janeiro, no Teatro de Bolso do Sesc Palladium. A entrada é franca e tem duração de 4h com intervalos a cada uma hora. “A Janela da Dramaturgia vai promover a leitura de novos dramaturgos mineiros, com textos dedicados à infância e juventude”, comenta Ione de Medeiros.

Música

As compositoras Marina Cyrino, Nathália Fragoso, Patrícia Bizzotto e Thais Montanari se apresentamnos dias 10 e 11 de janeiro, às 19h, no CCBB. “Vale ressaltar que são jovens  compositoras  sintonizadas com a pesquisa de novas linguagens musicais contemporâneas”, lembra Ione de Medeiros. O Grupo de Percussão da UFMG celebra 20 anos e homenageia Esdras Ferreira, o Neném, no CCBB, dia 11 de janeiro, às 20h. O CCBB também recebe os artistas Alexandre Andrés e Rafael Martini com a apresentação “Haru” no dia 24 de janeiro, às 20h.

O compositor e instrumentista argentino Rufo Herreraapresenta um recital revelando as diferentes facetas do bandoneón. O repertório inclui obras de J.S. Bach, AstorPiazzolla, e do próprio Rufo Herrera. Para este recital, Herrera também convidou os bandoneonistas Otto Hanriot e Francisco Cesar, para a estreia de sua mais recente obra, composta para três bandoneóns: Variações Ad Libitum. O recital será no auditório do Memorial Minas Gerais Vale na quinta-feira, 25 de janeiro, às 19h.

Já o Teatro Francisco Nunes recebe o lançamento do álbum “Boa Noite” do Grupo Julgamento, que comemora 20 anos, no dia 26 de janeiro, às 20h. E no sábado, 27 de janeiro, às 20h, o Teatro Francisco Nunes será palco dos MCs da Favelinha.

O MeiaMeia, do Arcomusical Brasil, é a atração do domingo, 28 de janeiro, às 19h, no CCBB. No dia seguinte, 29, o CCBB recebe o grupo Semreceita. E, encerrando a programação musical do VAC, José Luis Braga lança o CD “Nossa Casa” no dia 4 de fevereiro, às 19h.

SERVIÇO

Verão Arte Contemporânea 2018
Data: 7 de janeiro a 4 de fevereiro
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia-entrada). Há espetáculos com entrada franca, mediante retirada ingressos uma hora antes do evento.
Informações: www.veraoarte.com.br
Redes sociais: www.facebook.com/veraoarte/  
Site:  veraoarte.com.br
RealizaçãoGrupo OficcinaMultimédia
Patrocínio: Codemig, Governo de Minas Gerais e Sesc
Apoio cultural: Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, Fundação Municipal de Cultura, e Centro de Referência da Juventude; Fundação de Educação Artística; Teatro Bradesco; Cinema Belas Artes; Galpão Cine Horto; ZAP 18; BH Trans; Restaurante Bem Natural; Restaurante Cantina do Lucas; Fundação Clóvis Salgado; Rede Minas; Memorial Minas Gerais Vale; CCBB; Circuito Liberdade; Iepha; Governo de Minas e Governo Federal.

*Com informações da Secretaria de Estado de Cultura.

LEIA MAIS

Comentários