Dois artistas mineiros estão entre os selecionados ao 7º Prêmio EDP nas Artes, realizado em parceria com Instituto Tomie Ohtake

Anúncio dos premiados está previsto para outubro, junto com abertura de exposição no Instituto Tomie Ohtake

O Instituto Tomie Ohtake e a EDP, com o apoio do Instituto EDP, anunciam os 10 artistas selecionados, entre os 456 inscritos, provenientes de 21 Estados brasileiros e do Distrito Federal, nesta sétima edição do Prêmio EDP nas Artes. Os artistas mineiros Davi de Jesus do Nascimento, de Pirapora, e Luana Vitra, de Contagem, compõem a seleção.

Davi de Jesus do Nascimento é barranqueiro curimatá, arrimo de muvuca e escritor fiado. Gerado às margens do Rio São Francisco – curso d’água de vida e pesquisa – trabalha coletando afetos da ancestralidade ribeirinha e percebendo “quase-rios” no árido. Foi criado dentro do emboloso da cumbuca de carranqueiros, pescadores e lavadeiras. O peso de carregar o rio nas costas bebe da nascente dos primeiros sóis que chorou na vida.

Davi de Jesus do Nascimento.
Davi de Jesus do Nascimento.

Já Luana Vitra é artista plástica, dançarina e performer. Cresceu em Contagem, cidade industrial que fez seu corpo experimentar o ferro e a fuligem. Gestada entre a marcenaria (pai) e a palavra (mãe), se movimenta como reza em busca da sobrevivência e da cura das paisagens que habita. Entende o próprio corpo como armadilha, e sua ação como micropolítica na lida com a materialidade que seu trabalho evoca.

Luana Vitra.
Luana Vitra.

Além deles, foram selecionados ainda: Arivanio Alves, Quixelô – CE; Emerson Munduruku – Uyra Sodoma, Manaus – AM; Érica Storer de Araújo, Curitiba – PR; Felipe Rezende, Salvador-BA; Gu da Cei, Ceilândia – DF; Hariel Revignet, Goiânia – GO; Talles Lopes, Anápolis – GO; e Yná Kabe Rodríguez, Brasília – DF.

Do total de inscrições, foram pré-selecionados 20 nomes, mediante análise de portfólio, desempenhada por um júri composto pelos artistas Arthur Chaves, Dora Longo Bahia e Elilson e pelos curadores Amanda Carneiro e Theo Monteiro. Após entrevistas individuais por vídeo-chamada, definiu-se a lista dos 10 selecionados. O grupo receberá acompanhamento personalizado da equipe de jurados para o processo de realização das respectivas obras. Este acompanhamento, oportunidade rara para jovens artistas, implementa os critérios para a escolha dos três premiados.

A premiação se completa com a exposição dos trabalhos dos 10 artistas no Instituto Tomie Ohtake. A abertura da exposição e o anúncio dos três premiados com residências internacionais, deverá acontecer em 1º de outubro deste ano, data a ser confirmada em função das orientações sanitárias e governamentais a respeito do controle da pandemia da Covid-19.

Voltado para estimular a produção artística contemporânea, o Prêmio EDP nas Artes é dedicado a jovens artistas de todo o Brasil, nascidos ou residentes no país há pelo menos dois anos, com idade entre 18 e 29 anos. A iniciativa, além da premiação, contempla uma série de atividades ao longo do ano, como cursos, palestras, lives e workshops em regiões brasileiras onde o acesso à arte contemporânea é mais restrito.

Na edição anterior, em 2018, os três premiados com residências artísticas internacionais foram Marie Carangi (Recife – PE, 1989); Elilson (Recife – PE, 1991) e Iagor João Barbosa Peres (Rio De Janeiro – RJ, 1995).

Sobre o IEDP

Desde que foi fundado em 2009, o Instituto EDP investiu mais de R$ 100 milhões em projetos socioculturais, que beneficiaram cerca de três milhões de pessoas, em cerca de 400 programas espalhados por todo o País. Somente em 2019, iniciativas apoiadas pela organização favoreceram 82 mil moradores das comunidades do entorno das áreas de atuação da Companhia. O Instituto EDP tem como responsabilidade estruturar os investimentos e as iniciativas sociais da EDP em frentes ligadas à valorização da Língua Portuguesa, à educação, ao desenvolvimento local com geração de renda, ao empreendedorismo e ao voluntariado, por meio do esporte, cultura e saúde.

Sobre Instituto Tomie Ohtake

Inaugurado em 28 de novembro de 2001, o Instituto Tomie Ohtake tornou-se uma referência no circuito das artes visuais pela qualidade de sua programação. Além de realizar mostras nacionais e internacionais de artes plásticas, arquitetura e design, promove prêmios nestas três áreas. Desenvolve amplo e criativo trabalho de educação por meio da arte e um inédito programa de acessibilidade voltado a públicos que não têm garantidos seus direitos sociais.

SERVIÇO

7º Prêmio Energias na Arte
http://premioedpnasartes.institutotomieohtake.org.br

LEIA MAIS

Comentários