Das páginas dos livros para os acordes musicais: poesia cantada

A poesia repousava ali naquelas tantas páginas de tantos livros. Até que um jornalista e artista mineiro decidiu que era necessário extrapolar aquela forma escrita e dar música aos versos. Desse processo surgiu o álbum “Thelmo Lins Canta Drummond”, lançado em 2003 e que trouxe uma nova roupagem e interpretação da obra do escritor itabirano Carlos Drummond de Andrade.

cultura_thelmo_lins_02O projeto, idealizado por Thelmo Lins e coproduzido por Tavinho Bretas, começou a ser pensado em 2002, ano do centenário de Drummond, porém, devido às necessidades de patrocínio, o álbum acabou sendo lançado no ano seguinte no Museu Abílio Barreto, em Belo Horizonte. Logo a produção ganhou o país e foi apresentada em uma turnê que durou quatro anos.

Mas até chegar à forma final foi necessário muito trabalho. Primeiro foi preciso enfrentar a dura missão de escolher quais poemas seriam musicados e, em seguida, escolher os músicos que topavam encarar o desafio de transformar em canções os versos drummondianos. “Na época fizemos uma triagem de poemas que tivessem mais musicalidade, ou seja, que fossem mais fáceis de serem musicados. Mas também queríamos que eles perpassassem por boa parte de sua obra, com a variedade e diversidade de temas”, explica Thelmo Lins.

Claro que nesse trabalho não poderiam faltar poemas marcantes do escritor itabirano. Obras como “Confidência do Itabirano” e “No Meio do Caminho” tinham o seu lugar marcado na produção. Além disso, cada compositor que participou do projeto recebeu cinco poemas para escolher aquele que gostaria de trabalhar.

E foi um time de primeira que encarou o desafio: Tavinho Moura, Flávio Henrique, Sérgio Santos, Renato Motha, Milton Nascimento, Sueli Costa, Joyce, Francis Hime, José Miguel Wisnik, Belchior, Geraldo Vianna (responsável pela direção musical). Além da voz de Maria Bethânia. A empreitada, ainda, contou com o apoio de Gilberto Gil. Tudo isso feito com o aval da família de Drummond. “A produção foi bastante trabalhosa. Eram muitas etapas. A primeira, sem dúvida, foi à autorização dos familiares para utilizarmos a obra em um projeto desta natureza. Por felicidade, tivemos um ótimo contato com a advogada da família e, por meio dela, criamos um ótimo canal com Pedro Drummond, neto do poeta”, conta Thelmo Lins.

Drummond alcançou um lugar entre os grandes escritores de língua portuguesa pela enorme capacidade cultura_thelmo_lins_03de transcrever em palavras os nossos sentimentos – da alegria a angústia – e retratar as percepções de mundo, que ainda sem mantêm atuais. Transpor esse universo para a música é mais uma forma de levar às pessoas as reflexões e encantamentos da obra drummondiana. O álbum “Thelmo Lins Canta Drummond” tem o mérito de fazer essa ponte entre a literatura e a música reunindo o poeta itabirano a grandes músicos do cenário nacional.

“Na época que fiz o disco, todos comemoravam o centenário de seu nascimento. Foi uma forma de unir a grande admiração que tenho por sua poesia com a música de compositores de expressão em Minas e no país. A poesia dele ultrapassa épocas e é sempre atual, pois fala de sentimentos e temas que não se atrelam a modismos. Falam da alma humana, das angústias e alegrias de um povo, em especial o povo brasileiro. Muitas vezes, ela resvala por uma certa desesperança ou melancolia, mas buscamos mostrar também o lado bem humorado e esperançoso do poeta”, avalia Thelmo Lins.

Talvez quem escute o resultado final de toda essa empreitada não consiga imaginar o tamanho do desafio: levar a beleza dos poemas escritos para um formato musical que continuasse encantando e ainda trouxesse um novo sabor à obra drummondiana. Coragem que foi recompensada. “Confesso que fui acometido de uma boa dose de ousadia. Nas gravações, eu me ouvia cantando aqueles versos tão belos e contundentes e me perguntava: em que eu fui mexer? Será que tenho condições de trazer a esses versos alguma novidade? Algum frescor? Depois, relaxei e deixei o trabalho fluir”, lembra Thelmo Lins.

cultura_thelmo_lins_04Novos projetos
A homenagem a Drummond trouxe visibilidade para o trabalho de Thelmo Lins. Após o lançamento do álbum, a crítica especializada teceu bons elogios à gravação. Além disso, em 2003, “Thelmo Lins Canta Drummond” foi eleito o melhor disco de Minas Gerais. O reconhecimento incentivou o jornalista e cantor a se dedicar a novos trabalhos.

Atualmente, Thelmo Lins se dedica a um projeto que mistura música e poesia. Dentre os homenageados pela iniciativa estão Cecília Meireles, Henriqueta Lisboa e Vinícius de Morais. E novas produções vêm aí. Para 2015 está previsto o lançamento do álbum infanto-juvenil “O que Você vai ser Quando Crescer?”, baseado na obra de Leo Cunha. Já em 2016 chegará ao público o disco “Imaginário a Dois”, concebido a partir do trabalho do casal Affonso Romano de Sant’Anna e Marina Colassanti. Aguardemos!

Acesse www.cantadrummond.tnb.art.br e escute o álbum “Thelmo Lins Canta Drummond”.

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.