Colibri representa a música baiana com disco de estreia solo

Guiado pela estética folk em uma atmosfera bucólica e psicodélica, Colibri acaba de divulgar seu primeiro disco solo, “Canto de Colibri”

Produzido por Tiago Simões, do Cremenow Studio, registro marca uma jornada repleta de invenções e experimentalismos na carreira do artista baiano. “É um disco imersivo e muito sincero. Ele nos fez extrapolar as paredes do estúdio e usar  um universo inteiro que existia ao nosso redor como instrumento. Na busca de uma voz própria, percebemos que a força daquilo que fazíamos estava na capacidade de congregar pessoas em torno de sentimentos profundos, nutrindo reflexões sem impor limites. Pra nós, a música é este fenômeno coletivo que comunica algo que muitos sentem, é onde todo o infinito da cabe”, explica.

Entre as principais inspirações do projeto, a voz e violão no “Disco do Tênis”, de Lô Borges, “Qualquer Coisa”, de Caetano Veloso e “Milagre dos Peixes”, de Milton Nascimento, além do homônimo Geraldo Azevedo, de 1977.

“RAM”, de Paul McCartney e “Pink Moon”, de Nick Drake, também são referências importantes que somam-se com as texturas de “7”, do Beach House, o sentimentalismo do “Crack-Up”, de Fleet Foxes e a abstração de “House In The Tall Grass”, de Kikagaku Moyo.

O resultado visita, de um jeito afetuoso e familiar, a música popular, o cancioneiro nordestino, o rock progressivo, a extravagância dos anos 60 e os toques percussivos de matriz africana que estão na raiz da música brasileira. Colibri explora a linguagem do mistério para expressar o infinito. Suas letras possuem um ar romântico e não-objetivista do simbolismo, trazendo leveza, esperança no transcender proporcionado pela arte e o apreço pelo que há de vir.

“Vale dizer que esse é, sobretudo, um convite que faço para comemorarmos as melhores coisas da vida juntos, deixando a alma fluir… Acima de toda e qualquer frieza. Acima de todo e qualquer preconceito. Nesse momento precisamos reconhecer – antes que a gente se perca na onda de ódio que está espalhada por aí – a força do afeto. Acredito, de verdade, que a arte tem o papel fundamental de diluir as tensões e, com esse trabalho, nos esforçamos para que isso tudo pudesse ser contemplado”, explica o artista que é acompanhado por Rodrigo Santos (teclado), Levi Vieira (guitarra), Victor Vogel, Bernardo Passos e Gabriel Burgos (bateria e percussões).

Com 11 faixas, “Canto de Colibri” é rio/céu, mata/caverna, chuva/vento, tempo/além. Sensível e atento aos detalhes , faz o caminho de volta para si mesmo, onde cada passo é muito bem descrito, como capítulos da mesma história.

Escute o álbum “Canto de Colibri”:

Sobre Colibri

Colibri (Zé Neto) é um artista baiano multifacetado. Nascido em Salvador, Bahia, e criado no interior, em Alagoinhas, participa ativamente da cena musical da Bahia há oito anos. Após um período de laboratório no Cremenow Studios – integrando a equipe de artistas dos mais diversos gêneros musicais –, o produtor, cantor, compositor e músico retorna aos palcos. Nasce “Canto de Colibri”, o primeiro registro de uma jornada criativa cheia de experimentação. Com uma sonoridade que mescla elementos de música popular e vanguardas da era digital, suas canções deságuam em um folk tenro, bucólico e psicodélico, dotado de uma poesia trovadoresca despretensiosa. A atmosfera do show é sensível e atenta aos detalhes.

LEIA MAIS

Comentários