Coletivo Casa de Jah comemora decisão da Unesco

Na tarde desse quinta-feira, 29, a Unesco anunciou que o reggae agora é um Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. Em nota oficial em seu site, a Unesco frisa que essa decisão está pautada no fato do gênero musical ter conseguido ultrapassar as barreiras da musicalidade e se tornar um movimento cultural muito mais amplo.

Em Itabira, o ritmo é inspiração para o Coletivo Casa de Jah, criado pelo jornalista Mário Brito e o empresário Paulo Henrique Pessoa, o “Cebola”. Em um bate papo rápido com o Trem das Gerais, eles comemoraram a decisão. “Para nós, do coletivo Casa de Jah, esse reconhecimento mostra a grandeza da música reggae no mundo”, conta Mário.

Ele ressalta ainda que para a Jamaica, berço do estilo musical, “isso é excelente! Só vem a valorizar o país e seus músicos, com composições que sempre abordam questões de injustiça, resistência, amor e humanidade. Nós aqui, num pedacinho de Minas, tentamos manter essa tradição dos sound systens nas ruas, como era feito na Jamaica na década de 60”, ressalta Mário.

18698030_1520617591323585_3049690510957898054_n

Para eles, movimentos que seguem essa linha de igualdade e respeito só tem a ganhar com um reconhecimento desse nível. “Acreditamos que, por ter nascido nos guetos de Kingston, capital da Jamaica, esse movimento por si só já vem carregado com a ideia de dar voz à lutas contra o racismo e a intolerância. Por isso muitas vezes, ainda é tratado como algo marginalizado dentro da realidade local de injustiça social”, explica Paulo Henrique.

Para ele, o reconhecimento de uma ideia que surgiu envolvendo questões sobre desigualdade, preconceito, fome e outros problemas sociais, ainda tão nítidos nos dias de hoje, “além de coroar os fundadores e entusiastas do movimento reggae, fortalece os movimentos contemporâneos a continuar em prol da busca do equilíbrio entre todos os seres e o meio em que vivemos”.

Mário encerra deixando claro que, “como admiradores e entusiastas do ritmo caribenho, nos sentimos honrados em levantar a bandeira da paz por meio do reggae e suas diversas vertentes. Essa diversidade proporciona a interação de pessoas de várias “tribos”, em busca do bem estar comum dentro de uma sociedade tão desigual”.

LEIA MAIS

Comentários

Tatiana Linhares. Muitas. Jornalista. Mineira. Tatuada. Outono e primavera. Pão de queijo. Livros. Música. Revistas. Cinema. Teatro. Futebol. Cruzeiro. Viagens de carro. Areia e mar. Esmalte colorido. Cerveja gelada. Família grande. Incontáveis amores. Paixonites agudas. Saudade. Simplicidade. Palavras