Chico Mendes, Áurea Martins, Tim Bernardes, Péricles Cavalcanti, Dudu Nobre e Ceumar se apresentam pela série “Música” no #EMCASACOMSESC

Músicos com carreiras consolidadas e expoentes da nova geração compõem a programação de shows ao vivo do Sesc São Paulo na internet, que traz apresentações diárias, sempre às 19h, no Instagram e YouTube

O cantor soteropolitano Chico Mendes apresenta na terça-feira, 11 de agosto, um show com repertório de clássicos do samba nacional e composições autorais, acompanhado dos músicos Gabriel Deodato (violão 7 cordas) e Cleiton Fernando (percussão). Com 50 anos de carreira, Chico Mendes iniciou sua trajetória no Rio de Janeiro em 1968, com o Samodesto Trio. No final dos anos 1970, entrou para o grupo Os Cantores de Ébano, que se notabilizou com a música “Leva Eu Saudade”.

Na quarta-feira, 12, é dia de Áurea Martins, acompanhada pelo violão de Lucas Porto. A live é parte das comemorações dos 80 anos da cantora, que trará um apanhado do repertório de mais de 50 anos de carreira, com canções de Lupicínio Rodrigues, Dolores Duran, Délcio Carvalho, Dona Ivone Lara, Johnny Alf, Hermínio Bello de Carvalho, Moacyr Luz e Cartola. Áurea é reconhecida por novos cantores da MPB e pelos grandes nomes da música, e continua apresentando seus shows e participando como convidada de projetos de outros artistas, como o grupo Casuarina, as cantoras Teresa Cristina, Fabiana Cozza, Mônica Salmaso, entre outros. Nascida Áldima Pereira dos Santos, se transformou em Áurea na década de 60 por iniciativa dos atores Mário Lago e Paulo Gracindo, que a levou para a Rádio Nacional.

Tim Bernardes, na voz, violão e piano, se apresenta na quinta-feira, 13. Na live, ele passeia pelo repertório de seu disco solo, Recomeçar, e traz algumas das canções do seu grupo O Terno, além de composições suas gravadas por outros artistas, como Jards Macalé, Gal Costa e Paulo Miklos. Tim ainda inclui no repertório algumas versões que marcaram seu lado intérprete também presente na turnê de “Recomeçar”. Diretamente de sua sala e com atmosfera entre o caseiro e o home studio, Tim se reveza entre o piano e os violões, para apresentar as canções e conversar com o público. Músico, compositor, produtor musical e multi-instrumentista, Tim trabalhou com nomes como Tom Zé e David Byrne, entre outros. Com a sua banda, O Terno, tem quatro discos e um EP lançados, todos com composições da sua autoria. Em setembro de 2017, estreou sua carreira solo com o álbum Recomeçar, que integrou as principais listas de melhores álbuns desse ano no Brasil, incluindo a Rolling Stone, que o considerou um dos grandes compositores brasileiros da sua geração.

Na sexta-feira, 14, a apresentação fica por conta de Péricles Cavalcanti, em voz e violão. No repertório, relembra suas músicas mais conhecidas, gravadas por Gal Costa, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Adriana Calcanhotto, Arnaldo Antunes, Céu e Tiê, entre outros, e também conversa sobre leituras que tem feito, a origem de suas canções e influências filosóficas, num clima informal e caloroso. Assim, não faltarão canções conhecidas, como “Quem Nasceu?”, “Elegia”, “O Velho Lenhador e a Morte” e “Medo de Amar nº3”. Além de seus discos e singles, apresenta canções que fez para a peça A Farra da Terra, do Grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone, com Regina Casé e Luiz Fernando Guimarães. Péricles possui uma variedade de canções representativas da riqueza da música brasileira. Agora, aos 73 anos, tem um rico trabalho autoral que valoriza gêneros musicais tão diversos como fundamentais, como samba, blues, frevo, bolero, baião, balada, carimbó e rock.

Os sambas de Dudu Nobre entram na programação de sábado, 15. Grandes sucessos seus e de outros compositores, como “A Grande Família”, “No Mexe Mexe, no Bole Bole”, “Goiabada Cascão”, “Camarão que dorme a Onda leva”, “Ô Irene”, “Vou botar teu nome na Macumba”, estarão no setlist. O músico, que completou 20 anos de carreira em 2019, lançou, em parceria com outros artistas, a canção “O Mundo Parou” no mês de março de 2020, quando a pandemia do novo coronavírus começou a afetar nosso país. A música foi gravada com o intuito de conscientizar a sociedade sobre a gravidade do Covid-19 e levar informação à população. Na live, Dudu promete trazer toda positividade e o clima do samba para os espectadores.

Para fechar a semana, no domingo, 16, a cantora, compositora e instrumentista Ceumar apresenta canções do álbum lançado recentemente, Espiral (Selo Circus). O projeto marca seus vinte anos de carreira fonográfica, desde o lançamento do disco Dindinha, produzido por Zeca Baleiro. No repertório, ela relembra ainda músicas de seus oito álbuns, além de surpresas para o público. Nascida na região da Serra da Mantiqueira, no sul de Minas Gerais, Ceumar coleciona parcerias com grandes nomes, como a poeta Alice Ruiz, o músico Chico César, a cantora Tata Fernandes, o instrumentista Lui Coimbra e o violeiro Paulo Freire, e realizou turnês pela Holanda ao lado do pianista jazzista Mike del Ferro. Como compositora, escreveu para a peça teatral do ator Gero Camilo, Canções de Invento, que traz referências a violeiros do nordeste como Xangai e Vital Farias e mistura poesia, teatro e música popular. Tem canções gravadas pelos cantores Rubi e Gonzaga Leal.

Agenda 9 a 16 de agosto, sempre às 19h

  • terça-feira, 11 de agosto: Chico Mendes. Participação: Gabriel Deodato e Cleiton Fernando;
  • quarta-feira, 12 de agosto: Áurea Martins. Participação: Lucas Porto;
  • quinta-feira, 13 de agosto: Tim Bernardes;
  • sexta-feira, 14 de agosto: Péricles Cavalcanti;
  • sábado, 15 de agosto: Dudu Nobre;
  • domingo, 16 de agosto: Ceumar.

LEIA MAIS

Comentários