Artista radicado em Itabira é convidado do Festival Internacional de Quadrinhos

A cada dois anos, desenhos saltam das páginas de jornais e revistas para ganhar as ruas da capital mineira. Em novembro, Belo Horizonte irá sediar mais uma vez o Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ), que chega à sua 9ª edição. E esta festa terá a participação do ilustrador e quadrinista Laz Muniz.

Durante o FIQ, que acontece entre os dias 11 e 15 de novembro, o artista irá lançar a revista/fanzine “Bacanal de Estrelas”, que é uma compilação de quadrinhos antigos e inéditos. E a criatividade não para aí: o quadrinista vem trabalhando na HQ virtual “A Grande Epopéia” – porém a obra ainda é inédita.

Laz Muniz chega ao FIQ credenciado por mais de 20 anos dedicados aos desenhos e pinturas. Natural de Nova Era, escolheu a Itabira de Drummond para morar e conduzir os seus estudos nas artes gráficas. Mas antes de se firmar entre riscos e rabiscos, teve uma trajetória única em na sua carreira.

O artista
Os primeiros traços profissionais foram esboçados em 1991, quando tinha apenas 13 anos. Na época, foi convidado a publicar os seus desenhos por um editor de Nova Era. Logo, personagens de sua autoria começaram a ganhar as tiras semanais de jornais – a exemplo de “Arnaldão e Arnaldinho”.

No jornal Bom Dia Leste, da região do Vale do Aço, passou para as colaborações diárias. E, aos 17 anos, Laz deixa a sua terra natal para se aventurar como diretor de arte em um semanário da prefeitura de Betim.

Desde então, a sua obra ganhou outras plataformas e novas formas de colaborar com as artes visuais. Foi co-criador do Estúdio HQ, em parceria com vários outros quadrinista, e já soma em seu currículo quase oito mil publicações – entre desenhos em diários, semanários, volumes únicos, páginas mensais, livros, jornais, revistas e publicações independentes.

O evento
A relação entre Belo Horizonte e as HQs remonta a 1997, quando a capital mineira, em comemoração ao seu primeiro centenário, sediou a 1ª Bienal de Quadrinhos. Uma ideia concebida pela Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte. Mais tarde, em 1999, o encontro foi rebatizado – nascia o Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ) – que, aproximando-se da nona edição, já é considerado um dos principais do gênero na América Latina.

Em 2015 serão quatro dias dedicados às artes gráficas e aos quadrinhos. O homenageado desta edição será o quadrinista Antônio Luiz Ramos Cedraz, falecido em 2014. O artista é criador de “A Turma do Xaxado”, que conta as aventuras de Xaxado, neto de um cangaceiro do bando de Lampião, em companhia de outros personagens típicos do nordeste brasileiro.

 

*Texto com informações do Festival Internacional de Quadrinhos.

Comentários