Ars Nova Coral da UFMG na Quarta 12 e 30

Na penúltima quarta-feira do mês de agosto, o Ars Nova – Coral da UFMG se apresenta no projeto Quarta 12 e 30, na praça de serviços do campus pampulha da UFMG. O foco do grupo neste ano é a música composta no século XX, divulgando não apenas os compositores brasileiros, mas também novos repertórios de compositores internacionais, com ênfase em obras ainda consideradas inéditas no Brasil. Esta é uma maneira de incentivar a produção de novas obras para coral, além de garantir que cantores e público pratiquem e escutem a música de nosso tempo, com suas idiossincrasias, seus contrastes, suas coerências e incoerências.

O repertório tem início com os  Three Madrigals, da compositora norte americana Emma Lou Diemer (1927), para coro e piano, trazendo 3 poemas de William Shakespeare, cada um deles explorado de maneira diferente: harmonias transparentes em “O Mistress Mine, Where Are You Roaming?”, harmonias pesadas em “Take, Oh Take Those Lips Away” e rápidas provocações ao piano em “Sigh No More Ladies, Sigh No More!”.

Em seguida, o Ars Nova interpreta:

  • Hymne au Soleil, que homenageia os 100 anos de morte da compositora Lili Boulanger – a primeira mulher a ganhar o Prix de Rome -,  composta em 1912, descreve um cenário evocativo de um despertar do sol, baseado no poema de Casimir Delavigne.
  • Remember me do compositor Dr. James McCray, Professor Emérito de Música na Universidade Estadual do Colorado. Sua música é executada e gravada por muitos dos principais corais da atualidade. McCray publicou livros sobre regência e vários artigos em importantes periódicos, além de centenas de composições e edições de música. O texto musicado por James McCray e apresentado aqui fala de esperança, saudade e amor.
  • Yver, vous n’estes qu’un villain de Claude Debussy. Esta é a última das três canções para coro a cappella, ou sem acompanhamento, compostas por Claude Debussy para o poema do renascentista Charles D’Orleans – aliás, as únicas escritas pelo compositor para esta formação. É uma explosão irada contra o Inverno, o qual o poeta chama de vilão e foi composta em 1898. Além do coro, há um quarteto solista que fala do prazer que é estar no verão!
  • Cancioneiro de Lampião, composição do pernambucano Marlos Nobre, que escreveu um trio de canções – Muié Rendêra, É Lamp, é Lamp, é Lampa e Cantigas de Lampião – em homenagem ao cangaceiro Virgulino Ferreira, o Lampião. Nos concertos de 2018 o Ars Nova – Coral da UFMG vem relembrar os 120 anos do nascimento de Lampião e os 80 de sua morte.

As quatro músicas que se seguem são de autoria do maestro Carlos Alberto Pinto Fonseca que, em 1964, fundou o Ars Nova – Coral da UFMG. O coral homenageia os 85 anos de nascimento de seu fundador com as seguintes composições:

  • Ponto de Oxum Iemanjá, uma obra escrita em 1965, rica pelo aspecto rítmico e inovadora: as vozes masculinas imitam o som de tambores, acompanhando uma melodia tradicional da Umbanda. O texto lembra o sincretismo religioso e no início saúda Iemanjá como a Rainha do Mar.
  • Ponto de São Jorge Ogum Guerreiro, mais uma das obras do maestro Carlos Alberto dedicada a preservar e divulgar o universo da música de Umbanda. Como a canção anterior, ela exibe precisão rítmica aliada a uma melodia que torna-se fácil de cantar por seu desenrolar progressivo.
  • Ponto Máximo de Xangô.
  • Dona Nobis Pacem; O compositor Carlos Alberto Pinto Fonseca compôs um vasto acervo de peças para coro, instrumentos solistas, canto e piano; escreveu ainda inúmeros arranjos de peças do folclore popular brasileiro. Sua obra prima, a Missa Afro-Brasileira de Batuque e Acalanto, foi composta em 1971 e dela extraímos este belíssimo Dona nobis Pacem.

A canção que encerra o concerto é um m breve passeio pela obra composta e interpretada pelo compositor Milton Nascimento, com arranjos vocal e de piano idealizados pelo Maestro Lincoln Andrade e por Fred Natalino. Fazem parte desse medley:

  • Ponta de Areia, de Milton e Fernando Brant, Estrela Estrela, de Vítor Ramil, Bailes da Vida, de Milton e Wagner Tiso e Para Paula e Bebeto, de Milton e Caetano Veloso, além de outras citações feitas pelo piano.

SOBRE O ARS NOVA – CORAL DA UFMG

Desde 2016, quando passou a ser regido pelo maestro Lincoln Andrade, o Ars Nova tem buscado ampliar a área de atuação do coral e divulgar não só os compositores brasileiros, mas também novos repertórios de compositores internacionais, com ênfase em obras ainda consideradas inéditas em território brasileiro.

É uma maneira de incentivar a produção de novas obras para coral, além de garantir que cantores e público pratiquem e escutem a música de nosso tempo, com suas idiossincrasias, seus contrastes e suas coerências e incoerências, mas acima de tudo, com o registro de uma leitura atual do movimento coral mundial.

Ars Nova40_Duda Bona

LINCOLN ANDRADE

Lincoln Andrade é natural de Leopoldina, Minas Gerais. Mas foi em Brasília onde começou seus estudos em música e iniciou uma sólida carreira como professor e maestro. Possui doutorado em Regência pela University of Kansas, EUA, mestrado em Regência pela University of Wyoming, EUA, e é licenciado em Música pela Universidade de Brasília.

Foi professor e diretor do Centro de Educação Profissional/Escola de Música de Brasília, professor assistente premiado na University of Wyoming, na University of Kansas e na Indiana State University. Foi professor no curso de pós-graduação da Faculdade de Artes do Paraná, em Curitiba. Foi diretor musical do grupo vocal Invoquei o Vocal e regente titular do Madrigal de Brasília e ganhou medalha de prata e medalha de ouro nas categorias coro misto e coro folclore, no Festival Internacional de Coros de Atenas, na Grécia, em 1994. Foi regente assistente do Coro Jovem Comunitário de Kansas City e maestro do Coro Lírico do Teatro Nacional Cláudio Santoro, em Brasília. Foi também o maestro titular do Coral Brasília e ganhou medalha de ouro no Festival Internacional de Coros em Atenas, Grécia, em 2004.

Regeu concertos na Alemanha, Argentina, Chile, Espanha, nos Estados Unidos, Grécia, Hungria, Paraguai, Polônia, Portugal, e Turquia. Foi regente titular do Coral Lírico de Minas Gerais e regeu concertos como maestro convidado da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e da Orquestra de Câmara Opus. Lincoln Andrade foi o produtor musical, apresentador e entrevistador do programa “Conversa de Músico”, produzido e veiculado durante 12 anos pela TV Senado. É constantemente convidado a ministrar cursos, palestras e workshops sobre regência nos diversos festivais de música pelo Brasil. É professor de regência e coordenador da Orquestra Sinfônica da Escola de Música da UFMG.

SERVIÇO

Ars Nova – Coral da UFMG
Concerto Quarta 12 e 30
Local: Praça de Serviços campus Pampulha UFMG
Dia: 22 de agosto (quarta-feira)
Horário: 12h30
Entrada franca

 

LEIA  MAIS

Comentários