Ars Nova – Coral da UFMG celebra 10 anos do Museu Inimá de Paula com apresentação única

O Ars Nova – Coral da UFMG aceitou com grande alegria fazer parte das atrações que celebram a década completada pelo Museu Inimá de Paula, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Para compor a festa, o maestro Lincoln Andrade selecionou um repertório minuciosamente estudado, trazendo composições que celebram lugares e compositores, dentre elas: Ave Generosa (Ola Gjeilo), obra que utiliza o texto de Hildegrad von Bingen, compositora alemã nascida no século XI!; Locus Iste (Anton Bruckner), usada para celebrar aniversários e inaugurações de igrejas e templos. Dona Nobis (Carlos Alberto Pinto da Fonseca), celebra os 85 anos do compositor que também foi o regente do Ars Nova por 41 anos e Cancionero de Lampião (Marlos Nobre), composição que homenageia os 120 anos de Lampião, bem como os 80 anos de sua morte.

O coral traz para a celebração as sete seguintes composições:

  • Ave Generosa Ola Gjeilo (1978)
    O texto utilizado pelo compositor norueguês é a primeira estrofe da obra homônima da compositora alemã Hildegrad von Bingen (1098-1179), também homenageada neste concerto, por seu aniversário de 920 anos! Este moteto, escrito em 2016 para vozes femininas a cappella, se caracteriza por sua delicadeza melódica e transparência harmônica sem abrir mão da linguagem contemporânea que explora profundas e contundentes dissonâncias.
  • De Profundis Arvo Pärt(1935)
    O estoniano Arvo Pärt compôs este moteto em 1980 usando como base o texto do Salmo 130, em latim, que traduz uma profunda angústia e que inspirou vários compositores ao longo dos séculos. Esta é uma obra para coro masculino a quatro vozes e órgão e Pärt propõe seu estilo pessoal, o tintinnabuli, no qual as vozes soam como sinos.
  • Crucifixus Antonio Caldara (1670-1736)
    A partir de 1716 o italiano Antonio Caldara foi trabalhar para a corte de Charles VI, em Viena, como vice-Kapellmeister. Seu superior era o legendário compositor Johann Joseph Fux (1660-1741), que escreveu o tratado Gradus ad Parnassum. Para agradar seu superior e seu patrono ele escreveu este moteto finamente forjado em dezesseis vozes, na verdade, dezessete, se considerarmos a voz independente do baixo contínuo. É uma obra de grande expressividade e as vozes são escritas e entrelaçadas com grande habilidade, de tal maneira que a música soa clara e transparente, apesar de sua aparente complexidade. A melhor disposição para o coro é uma fila única de sopranos, altos, tenores e baixos para que a música se mova da esquerda para a direita.

03

  • Locus Iste Anton Bruckner (1824-1896)
    Locus iste é um moteto muito cantado na comemoração de aniversários das igrejas católicas. Este, em particular, escrito por Bruckner em 1869 foi o primeiro moteto escrito pelo compositor e foi dedicado à nova catedral de Linz, na Áustria, onde o Bruckner era mestre di cappella. O Ars Nova-Coral da UFMG utiliza este moteto para celebrar o aniversário do Museu Inimá de Paula, uma verdadeira catedral da arte contemporânea em Belo Horizonte.
  • Quatre Motets por um Temps de Pénitence Francis Poulenc (1899-1963)
    Timor et tremor Tenebrae factae sunt
    Vinea mea electa Tristis est anima mea

    Completados em 1939 pelo compositor francês Francis Poulenc, estes quatro motetos possuem configuração de textos que apresenta um equilíbrio de expressão e utilização de texturas que tornam este conjunto como um dos mais notáveis do século XX. Poulenc usa suas conhecidas ferramentas harmônicas com uma medida adicional de controle dramático. Ele trabalha texto e música intensamente, explora dissonâncias dolorosas, estresses cromáticos, pinta quadros com gestos rítmicos e melódicos, numa grande e envolvente alegoria.
  • Dona nobis Pacem Carlos Alberto Pinto da Fonseca (1933-2006)
    Três Corais Brasileiros para coro misto a cappella, opus 52

    Em 1964, o maestro mineiro Carlos Alberto Pinto da Fonseca fundou o Ars Nova – Coral da UFMG e o regeu por 41 anos. O Ars Nova, sob a sua regência, foi considerado pelo compositor e crítico de arte José Antônio Resende de Almeida Prado, como o “maior conjunto vocal do Brasil”. O compositor Carlos Alberto Pinto Fonseca compôs um vasto acervo de peças para coro, instrumentos solistas, canto e piano, bem como de inúmeros arranjos de peças do folclore popular brasileiro. Sua obra prima, a Missa Afro-Brasileira, de Batuque e Acalanto, foi composta em 1971. Dela extraímos este belíssimo Dona nobis Pacem, para celebrar seus 85 anos.
  • Cancioneiro de Lampião Marlos Nobre (1939)
    Muié Rendêra
    É Lamp, é Lamp, é Lampa
    Cantigas de LampiãoO compositor pernambucano Marlos Nobre é um dos mais celebrados compositores eruditos brasileiros da atualidade. Em 2006 recebeu o prêmio Tomás Luis de Victoria, na Espanha, por sua excelente trajetória, transcendência e projeção internacional de sua obra, assim como a originalidade do seu pensamento estético. Em 1980, ele escreveu esta trilogia de canções baseadas no folclore nordestino, com alusões ao famoso cangaceiro Virgulino Ferreira, o Lampião (1898-1938), neste ano em que celebramos 120 de seu nascimento e 80 anos de sua morte.

04

Sobre o Ars Nova – Coral da UFMG 

Desde 2016, quando passou a ser regido pelo maestro Lincoln Andrade, o Ars Nova tem buscado ampliar a área de atuação do coral e divulgar não só os compositores brasileiros, mas também novos repertórios de compositores internacionais, com ênfase em obras ainda consideradas inéditas em território brasileiro.

É uma maneira de incentivar a produção de novas obras para coral, além de garantir que cantores e público pratiquem e escutem a música de nosso tempo, com suas idiossincrasias, seus contrastes e suas coerências e incoerências, mas acima de tudo, com o registro de uma leitura atual do movimento coral mundial.

Lincoln Andrade

Lincoln Andrade é natural de Leopoldina, Minas Gerais. Mas foi em Brasília onde começou seus estudos em música e iniciou uma sólida carreira como professor e maestro. Possui doutorado em Regência pela University of Kansas, EUA, mestrado em Regência pela University of Wyoming, EUA, e é licenciado em Música pela Universidade de Brasília.

Foi professor e diretor do Centro de Educação Profissional/Escola de Música de Brasília, professor assistente premiado na University of Wyoming, na University of Kansas e na Indiana State University. Foi professor no curso de pós-graduação da Faculdade de Artes do Paraná, em Curitiba. Foi diretor musical do grupo vocal Invoquei o Vocal e regente titular do Madrigal de Brasília e ganhou medalha de prata e medalha de ouro nas categorias coro misto e coro folclore, no Festival Internacional de Coros de Atenas, na Grécia, em 1994. Foi regente assistente do Coro Jovem Comunitário de Kansas City e maestro do Coro Lírico do Teatro Nacional Cláudio Santoro, em Brasília. Foi também o maestro titular do Coral Brasília e ganhou medalha de ouro no Festival Internacional de Coros em Atenas, Grécia, em 2004.

Regeu concertos na Alemanha, Argentina, Chile, Espanha, nos Estados Unidos, Grécia, Hungria, Paraguai, Polônia, Portugal, e Turquia. Foi regente titular do Coral Lírico de Minas Gerais e regeu concertos como maestro convidado da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e da Orquestra de Câmara Opus. Lincoln Andrade foi o produtor musical, apresentador e entrevistador do programa “Conversa de Músico”, produzido e veiculado durante 12 anos pela TV Senado. É constantemente convidado a ministrar cursos, palestras e workshops sobre regência nos diversos festivais de música pelo Brasil. É professor de regência e coordenador da Orquestra Sinfônica da Escola de Música da UFMG.

SERVIÇO

Ars Nova – Coral da UFMG apresenta “Concerto para os 10 anos do Museu Inimá de Paula”
Data e horário:
quinta-feira, 03 de maio, às 19h30
Local: 
Museu Inimá de Paula (Rua da Bahia, 1201, Centro, Belo Horizonte)
Ingressos: Entrada gratuita  

02

LEIA MAIS

Comentários