Após vender 15 mil discos de maneira independente, banda The Leprechaun se consolida no cenário indie & folk nacional

Os paulistanos do The Leprechaun, sexteto conhecido por sua rotina em apresentações aos domingos na Avenida Paulista, na capital São Paulo, conseguiram atingir a marca dos 15 mil discos vendidos de maneira independente. Com influencias do folk, misturado a elementos bem pessoais, o grupo vem se destacando e crescendo com a distribuição dos discos de maneira informal e despretensiosa.

O grupo conseguiu alcançar resultados de vendagens relevantes, o que é um feito considerável ao se analisar o momento que vive o mercado fonográfico, principalmente com o crescimento das mídias digitais, no qual eles também se destacam.

The Leprechaun é composta por Fabiana Santos (vocal), Bruno Stankevicius (violão), Eric Fontes (baixo), Rafael Schardosim (banjo), Andrew Nathanael (violino) e Guilherme Sokolowski (bateria).

É neste clima de reconhecimento de um trabalho que vem dando muitos frutos que o grupo lançou, em 2017, o disco “Isósceles”, produzido por eles ao lado de Cesar Benzoni (O Bardo e o Banjo) e masterizado por John Gold (Green Day e Pear Jam). O nome do álbum vem do triângulo que possui um lado excepcional. O álbum fecha uma trilogia iniciada com ‘The Years are Just Packed” (2012).

“Isósceles” não é rico apenas em sua estética sonora, mas, também, em suas fortes letras, que abordam temas cotidianos e relevantes como felicidade, solidão, superação e saudade. Um mix de sentimentos que permeiam todas as pessoas. Em cada faixa do álbum, essa sensações são trabalhadas em uma eficiente mistura de palavras, banjos, gaitas, violinos e outros elementos únicos – que vão dos estilos nordestinos à música folk europeia.

Com influências variadas, como bluegrass, folk, música irlandesa, rock’n roll, punk rock, country e até forró, a banda encontrou uma sonoridade cativante e peculiar, com letras profundas e melodias marcantes, além de arranjos bem trabalhados, inclusive quando apresentam algum cover em suas tardes de apresentações na Paulista.

Essa combinação aliada à qualidade dos músicos tem garantido reconhecimento inclusive fora do Brasil. Foi visando também o mercado internacional que o grupo escolheu o inglês em suas letras. “Cantar em inglês sempre foi muito natural para nós, até pelas influências que temos, mas isso nunca atrapalhou o The Leprechaun aqui no Brasil, visto a quantidade de discos vendidos e nossos acessos nas plataformas de streaming”, comenta Eric Fontes, baixista da banda.

Para aqueles que ainda não viram a apresentação da banda, o grupo garante que continuará comparecendo à Avenida Paulista, mesmo com as demandas de shows aumentando cada vez mais. “Não podemos esquecer que a música tem de ser democrática e tocar na rua garante que isso aconteça. Além disso, temos um carinho muito grande pela Avenida Paulista, pois foi ali que tudo começou, onde atingimos públicos diferentes e conseguimos vender nossos discos. Esperamos que ainda mais pessoas apareçam por lá para nos prestigiar”, conclui Fabiana Santos, vocalista da banda.

Confira a música “Nothing Is Gonna Be All Right”, que está no álbum “Isósceles”:

LEIA MAIS

Comentários