80 anos da Cavalhada de Brumal, em Santa Bárbara, inspira documentário

Parte da gravação do filme, que contará a história da festa, aconteceu no domingo, 15 de outubro, no Largo de Santo Amaro, no pequeno distrito de Brumal, em Santa Bárbara, Minas Gerais, palco do evento há 80 anos.

O projeto está sendo realizado através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, Lei do Audiovisual e Lei Rouanet, em um recurso previsto de R$ 240 mil, captados de duas empresas da região, a Cenibra e a AngloGold Ashanti, patrocinadora Máster do projeto.

Para o diretor Guilherme Reis, da produtora Postura Digital, será um filme que vai contar a história do surgimento da festa, cuja origem remonta a 1937. Uma festa de cunho religioso, realizada no primeiro domingo do mês de julho, que se consolida num trançar de fitas que marca a tradição de imponentes cavaleiros e de toda uma comunidade que, unida, retrata a luta entre mouros e cristãos.

Com 70 minutos, o documentário terá como trilha sonora a Banda Santa Cecília de Barão de Cocais. Quem narra a Cavalhada é o membro mais antigo, Sr. Divino Lúcio Luiz, que conduz os cristãos há mais de 50 anos, e o Sr. José Ângelo Camilo, responsável por conduzir os mouros.

Com apoio da Prefeitura de Santa Bárbara e da Associação Comunitária de Brumal, a estreia está prevista para o primeiro semestre de 2018.

Para o Prefeito, Leris Braga, “uma oportunidade de reconhecimento, que casa com o propósito da construção do Memorial do Cavalhada. O propósito de preservar os patrimônios, através de atos de respeito à importância da cultura local, e, principalmente, à história de cada pessoa que compõe a Cavalhada, ao longo desses 80 anos.”

Para a Presidente da Associação, Veralucia da Silva, é uma honra a oportunidade de ver essa história da comunidade ser retratada com tanta fidelidade. “Esse projeto vem pra consolidar a comemoração dos 80 anos da Cavalhada junto com o marco que alcançamos com a construção do Memorial.”

O Memorial, inaugurado este ano, manterá viva a história dessa tradicional festa de Brumal, apresentando a cronologia dos 80 anos e do importante significado dessa festa, tanto para a comunidade, quanto para os turistas que lotam o distrito na ocasião do evento.

História da Cavalhada

Em 1937, o senhor Jorge da Silva Calunga fez um promessa a Santo Amaro e, sendo uma graça alcançada, ele realizaria durante todos os anos uma festa. Como ele conseguiu a graça, ensaiou e realizou a primeira cavalhada de Brumal. O evento reúne milhares de devotos, romeiros, turistas e visitantes vindos de diversos lugares da região no largo da matriz, um imenso espaço localizado no centro da vila colonial de Brumal.

A festa com 34 cavaleiros, ricamente vestidos, divididos entre Mouros e Cristãos, que trançam espetacularmente fitas num grande mastro encimado por um estandarte com a estampa de Santo Amaro. O mastro colocado no centro da praça, símbolo dos campos de batalha, erguido, simboliza a vitória dos cristãos e o trançar das fitas traduz a alegria pela grande conquista do cristianismo.

A fita vermelha simboliza o período das guerras, das cruzadas, das lutas pela unificação da terra santa e do cristianismo. A fita amarela é o símbolo do ouro, da realeza e das conquistas dos cristãos. A fita verde representa a esperança da conquista e do cristianismo unificado e a azul significa a salvação, o céu, esperança maior de todos os cristãos.

Santo Amaro, padroeiro do distrito de Brumal, nasceu em Roma, no século VI, depois de Cristo. Ingressou na ordem criada por São Bento como missionário beneditino. Viveu a maior parte de sua vida na França.

Confira a galeria de fotos da Cavalhada de Brumal:

LEIA MAIS

Comentários