Sobre a dificuldade de escrever

Quando fui convidada para escrever esta coluna me senti honrada. Não é todo dia que alguém manifesta gostar dos meus devaneios literários e ainda faz encomenda deles semanalmente. Essa minha cabeça ensandecida e cheia de ideias fervilhou na hora! “Maravilha! Não vai faltar assunto!”, pensei.

Faltou! Deu branco! Sumiu tudo! Como assim? Justo eu… pessoa a quem nunca faltam palavras.

Não preocupei. Reli meus textos, busquei inspiração em autores sagazes, fui fundo nos meus sentimentos e raso nos meus pensamentos… e nada! Não vinha absolutamente nenhuma ideia para um texto de abertura dos trabalhos! O que estava acontecendo comigo? Tinha perdido a capacidade de escrever qualquer coisa, a qualquer momento?

Tinha.

Não me abati, no entanto! Saí como uma louca entrando em blogs, sites, pegando livros no fundo armário, cadernos com antigas anotações… qualquer coisa que me fizesse ver uma luz no fim do túnel e acionasse aquele start interno de “achei o tema!”.

Não funcionou!

Sentei na frente do computador com uma página do word aberta, em branco, com aquele tracinho infernal piscando intermitentemente, me lembrando da minha completa e total incapacidade de pensar em qualquer assunto minimamente interessante!

Era isso, então! Eu, minha cabeça e aquela página do word estávamos vivendo nossa primeira crise de relacionamento! E ninguém parecia disposto a ceder. Uma sinuca de bico, isso sim, era aquela situação.

Como não sou obrigada a me manter em constrangimento algum, coloquei o computador de lado, esvaziei os pensamentos, empunhei uma caneta de escrita fina e me lancei de peito aberto ao meu bom e velho caderno de espirais! Amigo fiel, ele se abriu sem restrições ou resistência. E assim, palavra por palavra, desabafei a frustração da falta de assunto e, surpresa, ela virou assunto!

Quem diria… a falta de assunto teve seu dia de estrela por aqui!

Já ficamos tranquilas, minha cabeça e eu, por conseguir fazer desse limão-pouco-inspirado uma bem-humorada limonada literária. Pegamos o touro pelo chifre, encaramos o desafio de frente, lançamos mão de lugar-comum, apelamos para os trocadilhos e imploramos a presença das citações! Viemos, vimos e vencemos!

Tá! Ok! Já deu!

Vamos explicar um branco? Não! Mas vamos superar quando ele vier! É isso!

Estaremos aqui toda semana… minha cabeça e eu! Lindas, loucas, insanas, viajadas, inspiradas (ou não), e muitas outras coisas que, se você tiver coragem e bom-humor para acompanhar, poderá ver mais de perto!

E com assunto! Muito assunto! Espero…

Comentários

Tatiana Linhares. Muitas. Jornalista. Mineira. Tatuada. Outono e primavera. Pão de queijo. Livros. Música. Revistas. Cinema. Teatro. Futebol. Cruzeiro. Viagens de carro. Areia e mar. Esmalte colorido. Cerveja gelada. Família grande. Incontáveis amores. Paixonites agudas. Saudade. Simplicidade. Palavras