PORTUGUÊS: você sabe usar o ponto e vírgula?

Prezado leitor, você sabe usar corretamente o ponto e vírgula? Este sinal de pontuação raramente é bem usado. Separamos um trecho de Machado De Assis para mostrar um modo de usar o sinal de ponto e vírgula.

Ler para aprender. Ler e espelhar-se em quem tem a gramática das sinfonias poéticas. Ler, ter ordenadas ideias e ganhar um novo mundo. Isso tudo (e muito mais!) tem Machado de Assis:

“Talvez espante o leitor a franqueza com que lhe exponho e realço a minha mediocridade; advirto que a franqueza é a primeira virtude de um defunto.”

Esse é um marcante trecho de Memórias Póstumas de Brás Cubas: uma obra riquíssima em criatividade, finos recursos (marcantes inversões vocabulares) e pontuação professoral. Uso esse distinto adjetivo para a pontuação machadiana, pois tudo o que professa educa.

Hoje em dia, é raro ver o bom uso do sinal ponto e vírgula, como no trecho – acima – machadiano.

Responsável pela enumeração oracional ou ideológica, o ponto e vírgula também sinalizará a separação de orações coordenadas de certa extensão:

“Astrônomos já tentaram estabelecer contato com seres extraterrestres; suas tentativas, porém, foram infrutíferas.”

Lembrando que o nosso sistema oracional tem como base a relação “sujeito-verbo-complemento”, duas ou mais orações (em um mesmo parágrafo, organizadas em uma mesma ideia) podem ser separadas por ponto e vírgula:

“Cremos em um novo país; cremos em uma nova Educação; cremos em coerentes diretrizes nas universidades norte-americanas.”

Além disso, para separar termos de um artigo de lei, de um regulamento, de um decreto, de uma petição, esse sinal de pontuação é extremamente útil e didático:

Art. 1º – A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados, Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I – a soberania;

II – a cidadania;

III – a dignidade da pessoa humana;

IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;

V – o pluralismo político.”

Boa leitura e bons estudos!

Fonte: professor Diogo Arrais

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.