PORTUGUÊS: Um pouco mais sobre a nossa língua

Prezado leitor, continuando com as dicas e curiosidades sobre a língua portuguesa, selecionamos umas bem interessantes para essa semana. Vamos a elas.

O que é lugar-comum?

Se você imaginou que era um lugar comum, enganou-se. Quero falar do lugar-comum, com hífen. Trata-se daquela expressão batida e tão repetida que já perdeu a graça. É o mesmo que chavão ou clichê.

Vejamos alguns exemplos encontrados com alguma frequência no meio jornalístico:

  1. O agente da lei teve que invadir a aeronave.
  2. Ao apagar das luzes, o Palmeiras conseguiu dar a volta por cima e, finalmente, fez as pazes com a vitória.
  3. O Chefe do Executivo respondeu em alto e bom som.
  4. Via de regra, esse tipo de notícia estoura como uma bomba no congresso nacional.
  5. É preciso aparar as arestas e chegar a um denominador comum.
  6. Foi dar o último adeus ao amigo, e foi obrigado a dizer cobras e lagartos para o administrador do cemitério.
  7. Sua explicação deixou a desejar.
  8. Nada vai empanar o brilho da sua conquista.
  9. Sua contratação veio preencher uma lacuna.
  10. Vamos encerrar com chave de ouro.
  11. O atacante estava completamente impedido.
  12. O todo-poderoso Manchester United perdeu para um desconhecido clube da terceira divisão.
  13. A festa não tem hora para acabar, mas amanhã o carioca volta à dura realidade.
  14. São imagens impressionantes que nos deixam uma lição de vida.
  15. Mas nem só de shows vive a cantora.
  16. Muitos finalmente poderão realizar o sonho da casa própria.
  17. Resta saber, se o governo vai pôr a ideia em prática.
  18. Bandidos fortemente armados invadiram o banco e transformaram o saguão numa verdadeira praça de guerra.
  19. E o cidadão tupiniquim continua sua via crúcis.
  20. A fúria da natureza deixou um rastro de destruição.
  21. As ruas viraram verdadeiros rios e o barco era o único meio de transporte.
  22. O artista foi recepcionado por um batalhão de repórteres e cinegrafistas.
  23. A ousadia dos traficantes não tem limites.
  24. Para você ter uma ideia, eram 20 quilos de cocaína pura.
  25. Cinco times ainda lutam para fugir do fantasma do rebaixamento.
  26. O estádio virou um verdadeiro caldeirão.
  27. Conseguiu carimbar o passaporte para as Olimpíadas.
  28. O jogo está eletrizante.
  29. O trânsito está complicado.
  30. As eleições estão literalmente pegando fogo.

Uma dica

Eu me PRECAVENHO ou PRECAVEJO? Nenhum dos dois.

O verbo PRECAVER-SE é defectivo:

  • no presente do indicativo, só apresenta PRECAVEMOS e PRECAVEIS;
  • no presente do subjuntivo, nada;
  • o pretérito e o futuro são regulares (ele se PRECAVEU, ele se PRECAVERÁ).

Se as formas “precavejo” e “precavenho” não existem, a solução é “estou me precavendo” ou substituir por sinônimo (=”eu me previno”, “eu tomo cuidado”…)

Um desafio

Que é um monegasco?

  1. quem nasce em Mônaco;
  2. homem ou mulher que só tem um cônjuge;
  3. relativo aos monges.

Resposta:

  • Opção (1). Monegasco é o natural ou habitante de Mônaco.
  • Quem só tem um cônjuge é monogâmico ou monógamo.
  • Monacal ou monástico é relativo aos monges.

Uma dúvida

Leitor apresenta versão diferente do dicionário Houaiss para a origem da palavra pindaíba: “Vem do tupi-guarani pindá (anzol) e yba (vara), formando-se no português para designar a vara de pescar. Pindaíba, no sentido de pobreza absoluta, origina-se do seguinte fato: o índio vivia principalmente da pesca. Quando o anzol e a vara não o ajudavam, ele ficava sem os peixes, ou seja, na miséria, sem recursos, sem seu principal meio de subsistência.”

Acho que entendi. Se isso for verdade, ficar na pindaíba era ficar sem os peixes ou, em outras palavras, era ficar só com a vara.

Até a próxima semana!

Fonte: dicas do professor Sérgio Nogueira.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.