PORTUGUÊS: Três erros de português muito frequentes nas mensagens pelo WhatsApp

Prezado leitor, na comunicação escrita por meio daquele famoso aplicativo – WhatsApp –, os desvios em relação ao padrão da Língua podem trazer inúmeros prejuízos ao texto. A seguir segue uma lista de alguns pontos que merecem a nossa atenção.

Vocativo ou complemento 

O chamado vocativo, termo responsável pelo chamamento, tem o emprego da vírgula como marca. Exemplos:

  •  “Já estou com o veículo oficial. Levarei, Maria?”

Sem o uso da vírgula, no exemplo acima, “Maria” é o complemento do verbo e o sujeito “levará Maria” a algum lugar.

  •  “Já estou com o veículo oficial. Levarei Maria?”

  É apenas um sinal de pontuação, mas em grupos de trabalho, a confusão pode ser enorme.

Ambiguidade 

Linguisticamente, é o vício de linguagem que resulta em mais de uma interpretação de significado para um agrupamento de palavras. Vejamos  o caso abaixo:

  • “Caros Colegas,
    Vocês não vão acreditar! Acabei de falar com o chefe que estava com depressão.”

Quem estava depressivo? O sujeito da frase ou o chefe? O pronome “que” também nos leva a entender que há outros chefes, mas um passou por depressão. Uma simples reestruturação da oração retira o problema:

  • “Caros Colegas,
    Vocês não vão acreditar! Acabei de falar com o chefe sobre minha depressão”.

Excessos de desvios ortográficos 

No ambiente profissional, estamos constantemente sendo avaliados. Uma dessas avaliações ocorre em relação ao padrão da Língua, uma vez que apresentações e publicações (a clientes, a colaboradores e ao público) devem ocorrer em acordo às regras gramaticais.

 Por isso, procure sempre revisar a mensagem escrita.

Fonte: dicas de Diogo Arrais, professor de português

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA PORTUGUÊS

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.