PORTUGUÊS: revisão sobre a utilização da língua portuguesa – Parte 4

Prezado leitor, sem mais delongas, continuaremos nossa revisão sobre a utilização da língua portuguesa. Vamos a ela?

Ele REQUIS ou REQUEREU? O verbo REQUERER parece ser uma eterna dor de cabeça. Já sabemos que: REVER é derivado do verbo VER;
INTERVIR é derivado de VIR; REPOR é derivado de PÔR.

Mas será que REQUERER é derivado de QUERER? De jeito nenhum! Esse é apenas mais um verbo que confunde muita gente. REQUERER não significa “querer de novo”. REQUERER é solicitar por meio de requerimento, dirigir petição a uma autoridade ou pessoa em condições de despachar o que é pedido. Então, nem pense em conjugar o verbo REQUERER como o verbo QUERER.

Ouça com atenção: “EU REQUEIRO”, e não eu requero. “EU REQUERI”, e não eu requis. Aliás, o REQUIS é uma praga que sempre está na boca de muita gente. Então, não esqueça que o correto é: “Ele REQUEREU a revisão da prova”;
“Ele REQUEREU uma audiência”. “Se eu requeresse”, “quando eu requerer”…

Locução verbal com o verbo VIR
Vamos analisar um erro que vem se espalhando em relação à locução verbal formada com o verbo VIR. O certo é DEVEREI VIR, PODEREI VIR, sempre com “R” no final, e nunca “deverei vim”, “poderei vim”, com “M” final, pois essa forma é inaceitável. VIM é a primeira pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo: “eu VIM de longe….” O infinitivo é VIR, e é com ele que se formam as locuções verbais.

O correto, portanto, é “eu poderei vir, nós poderemos vir, eles poderão vir”.
Outra construção pouco agradável de se ouvir é a locução construída com os verbos IR e VIR, como em “ele vai vir”. Prefira usar o tempo futuro de vir: “ele VIRÁ”. Também não diga “nós vamos vir”. Prefira: “nós VIREMOS”.

Particularidades do verbo PÔR
Agora o verbo primitivo em destaque é PÔR. Cuidado, porque ele tem algumas particularidades. Você sabe por que o verbo PÔR pertence à segunda conjugação? Porque antigamente era “poer”, com vogal temática E.

Mais curiosidades:

  1. O verbo pôr é acentuado, recebe acento circunflexo na letra “O”. Mas seus derivados, como REPOR, COMPOR, EXPOR não são acentuados graficamente.
  2. A primeira pessoa do pretérito perfeito do modo indicativo é PUS, com “S”.
    O verbo PÔR não tem a letra Z em nenhuma das suas pessoas, tempos ou modos: puseram, puser, pusemos…

Até a próxima semana!

Fonte: dicas do professor Sérgio Nogueira

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários