PORTUGUÊS: Revisão – plural de bastante e a utilização correta do pronome porque

Prezado leitor, volto hoje com mais dois assuntos que derrubam muitos concurseiros distraídos: o plural de bastante e a utilização correta do pronome porque. Então, para que você não erre mais, estude bastante e preste atenção.

A palavra bastante, ao concordar com o feminino plural, se transforma em bastantes?

A resposta é não – embora, de acordo com o professor Pasquale Cipro Neto, a palavra “bastantes” de fato exista.

Ao pé da letra, “bastante” significa “o que basta” – a frase “não há dinheiro bastante” quer dizer “não há dinheiro que baste”. Mas o professor explica que a palavra também acabou virando sinônimo de “muito”, e com as mesmas variações.

“Então ‘não há muita gente’ (é igual a) ‘não há bastante gente’. ‘Não há muito dinheiro’ (significa) ‘não há bastante dinheiro’. ‘Não há muitas pessoas’, (é a mesma coisa que) ‘não há pessoas bastantes’, ‘não há bastantes pessoas’”, diz Pasquale.

O exemplo “As mulheres são bastantes inteligentes” está incorreto. O certo seria dizer “as mulheres são bastante inteligentes”.

O especialista deixa uma dica: “Se eu posso trocar ‘bastantes’ por ‘muitos’, ‘muitas’, ‘suficientes’, eu acertei, é ‘bastantes’ mesmo. Se eu vou trocar por ‘muito’, e se só cabe ‘muito’, então eu vou usar ‘bastante’”.

Exemplo: Os jogadores estavam bastante nervosos (muito nervosos) porque o time perdeu bastantes oportunidades (muitas oportunidades) para transformar a derrota em vitória.

Quando usar ‘porque’, ‘por que’ ‘porquê’ e ‘por quê’?

Para responder a esta dúvida, consultamos o professor Pasquale Cipro Neto, que já começa derrubando a ideia compartilhada por muitos de que o “por que” é usado em todas as frases terminadas com ponto de interrogação. “Isso é o caminho para o naufrágio”, alerta.

Confira, a seguir, dicas para não errar:

“Por que” separado

“O ‘por que’ separado sempre pode embutir a palavra ‘razão’ ou a palavra ‘motivo’”, explica o professor.

Isso vale para perguntas diretas – “Por que você não foi?” vira “Por que razão você não foi?” e “Por que você não pagou a conta?” vira “Por que motivo você não pagou a conta?”.

E também para frases terminadas com ponto final – “Você sabe por que eu ajo assim” vira “Você sabe por qual razão eu ajo assim” ou “Você sabe por qual motivo eu ajo assim”.

“E existe ainda um outro ‘por que’ separado”, acrescenta Pasquale. “Lembra aquela música? ‘Só eu sei as esquinas por que passei’, lembra?”.

Com esse exemplo, ele explica que o “por que” também é separado quando equivale a “pelo qual”, “pela qual”, “pelos quais”, “pelas quais”.

No caso da música, a letra também poderia ser: “Só eu sei as esquinas pelas quais passei”.

“Porque” junto

O “porque” junto é uma conjunção que indica causa, motivo, justificativa ou explicação.

Um exemplo: “Eu não fui porque estava doente”.

De acordo com o professor, “Porque estava doente” é a oração que indica a razão pela qual ele não foi.

Nesses casos, o “porque” é junto e sem acento.

Com isso, é possível existir “porque” junto mesmo em frases que terminam com interrogação, como esta: “Será que ela está chateada comigo porque eu não fui ao aniversário dela?”

Alguns professores recomendam tentar trocar o “porque” junto por “pois”. Se der certo, está correto o uso do “porque” junto.

“Por quê” separado com acento

O “por quê” separado e com acento é um “por que” separado localizado antes de uma pausa na fala ou na escrita.

“É preciso que haja uma pausa, um ponto final, um ponto de interrogação…” explica Pasquale.

Exemplo: “Por quê?”

Só isso. É o mesmo que perguntar “Por qual razão?”, “Por qual motivo?”.

De acordo com o professor, esse “quê” vira tônico na entonação. Assim, quando há um “por que” separado encerrando uma frase, ele ganha o acento e passa a ser “por quê”.

“Porquê” junto com acento

Nesse caso, o “porque” vira sinônimo da palavra “motivo”. O professor exemplifica: “Qual é o porquê de tanta tristeza?”.

É o mesmo que perguntar “Qual é o motivo de tanta tristeza?”.

Até a próxima semana!

Fonte: dicas do professor Pasquale Cipro Neto.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários