PORTUGUÊS: Outras concordâncias e pegadinhas

Prezado leitor, dando continuidade às nossas dicas e pegadinhas, segue mais uma leva de concordâncias que, por desatenção, nos pregam peças ou, como dizem os mais novos, “nos jogam no buraco”.

Portanto, preste atenção!

  1. Existe ou existem? O verbo existir admite plural, diferentemente do verbo haver, que é impessoal.

Exemplo: Existem muitos problemas nesta empresa, ou existe apenas um problema nesta empresa.

  1. Tão pouco ou tampouco? Tão pouco corresponde a “muito pouco”.

Exemplo: Trabalhamos muito e ganhamos tão pouco.

Tampouco corresponde a “também não”, “nem sequer”.

Exemplo: Não compareceu ao trabalho, tampouco justificou sua ausência.

  1. A nível de ou em nível de? A expressão “em nível de” deve ser usada quando se refere a “âmbito”.

Exemplo: A pesquisa será realizada em nível de direção.

Já o uso de “a nível de” significa “à mesma altura”.

Exemplo: Estávamos ao nível do mar.

  1. Chego ou chegado? Chego é 1ª pessoa do Presente do Indicativo.

Exemplo: Eu sempre chego cedo.

Embora alguns verbos tenham dupla forma de particípio, como imprimido/impresso, frito/fritado e acendido/aceso, o único particípio do verbo chegar é chegado.

  1. Meio ou meia? No sentido de “um pouco”, a palavra “meio” é invariável.

Exemplo: Ela estava meio nervosa na reunião.

Como numeral, meio deve concordar com o substantivo.

Exemplo: Ele comeu meia maçã, ou, ele comeu meio abacate.

  1. Mas ou mais? Mas é conjunção adversativa e significa “porém”.

Exemplo: Gostaria de ter viajado, mas tive um imprevisto.

Mais é advérbio de intensidade.

Exemplo: Adicione mais açúcar se quiser.

  1. Descriminar ou discriminar? Descriminar significa absolver, inocentar.

Exemplo: O juiz descriminou o jovem acusado.

Discriminar significa separar, diferenciar.

Exemplo: Os produtos estão discriminados na nota fiscal.

  1. Faz ou fazem? No sentido de tempo decorrido, o verbo “fazer” é impessoal, ou seja, só é usado no singular.

Exemplo: Faz dois meses que trabalho nesta empresa.

Em outros sentidos, faz deve concordar com o sujeito.

Boa leitura!

Fonte de pesquisa: LFG Blog Acontece.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.