PORTUGUÊS: O que todos deveriam saber sobre português para concursos

A língua portuguesa está presente em praticamente todas as provas de concurso público. Mesmo assim, inúmeros candidatos cometem o erro crucial de não estudar português para concursos. Alguns, por acreditarem que já sabem o bastante, focam em outras matérias. Essa tática é uma grande cilada, pois existe uma enorme diferença entre a linguagem coloquial e a norma culta. Com isso, muitos candidatos cometem erros que são comuns nas provas, e ainda caem em pegadinhas provocadas pela banca.

Você pode começar a estudar com livros de 5ª ou 6ª séries mesmo. Outra dica é estudar bem os termos semelhantes que causam confusão como “há” e “a”, pois “” se refere ao verbo haver e é usado no sentido de existir. Interpretar bem o texto e o enunciado também é de suma importância para se dar bem na prova de português.

Procurar se atualizar gramaticalmente lendo livros de bons autores, ou uma boa apostila de português, por exemplo, é uma boa maneira de começar os estudos de português para concursos, isto ajudará o candidato a ter uma boa noção da norma culta e até redigir melhor uma redação. Muitas pessoas têm dificuldades para estudar todas aquelas regras de português, logo, o aprendizado fica mais difícil. Por esse motivo, muitos estudantes partem para a famosa decoreba.

O português está quase sempre presente nos editais de concursos públicos. Os temas mais comuns nas provas são: interpretação de texto, concordância verbal, voz ativa e voz passiva, verbos, regência verbal, pronomes relativos, pontuação e nexos oracionais (orações subordinadas e coordenadas). Então, por onde começar a estudar? Muitos não sabem como começar a estudar português para concursos. Comece resolvendo exercícios e simulados, teste o seu conhecimento e anote as dúvidas quando surgirem. Quando errar uma questão, anote a resposta certa.

A maioria dos concurseiros sente dificuldade com a língua portuguesa porque não tiveram uma boa base da disciplina quando crianças. Neste caso, o candidato pode não ter um bom rendimento nos concursos, se não der a atenção devida nos estudos de português. Tendo um bom conhecimento da base, o candidato irá entender melhor os conceitos vistos no ensino médio, e conseguirá ter um bom desempenho na prova objetiva e ainda fazer uma boa redação, caso haja.

Cinco erros mais cometidos em português para concursos

Veja, a seguir, os cinco erros mais cometidos em provas de língua portuguesa para concurso e observe, também, dicas para evitá-los e ter sucesso nos estudos e nas provas:

  1. Não Interpretar textos e enunciados – muitos candidatos vão direto para as questões sem ler o texto. Eles não têm paciência para absorver o texto, ou então ficam preocupados com o relógio e deixam de se concentrar na leitura.

Dica: marque no enunciado os verbos de comando, os que diferenciam a ação esperada do candidato, como “comente”, “indique”, “justifique”. E, para garantir que você entendeu bem, vale a pena reler o que está sendo proposto, mesmo quando for um texto que precise de análise.

  1. Uso de crase – A crase é um tema que causa muita confusão, a fusão da preposição “a” com o artigo feminino “a” apresenta regras de emprego específicas.

Dica: caso não esteja muito seguro a respeito do uso da crase, o conselho é para que você revise o tema com atenção especial, pois há casos optativos, isto é, quando a crase pode ou não ser usada.

  1. Ortografia – escorregar na ortografia pode causar a eliminação do candidato, dependendo da banca. Este erro clássico é causado pelo candidato que não lê.

Dica: Criar o hábito de ler revistas, jornais, sites e livros ajuda a diminuir os erros. Essa dica também vale para fazer uma redação melhor.

  1. Emprego de pronomes  tema sempre presente em provas, questões relacionadas a pronomes geralmente aparecem com “pegadinhas”. O candidato deve prestar atenção para não confundir regras de colocação de pronomes oblíquos átonos, como “lhe”, “me”, “te”, “se”, “o”, “a”.

Dica: no linguajar popular, geralmente falamos e ouvimos frases como “Você viu ela?” ou “Me entregaram uma carta”, que são incorretas segundo a norma culta. Para não ter dúvida na hora de escrever, o correto é pegar os livros e analisar com atenção os diferentes usos de cada pronome.

  1. Uso de aonde x onde  novamente, a influência da língua falada pode confundir o candidato. Mesmo que as pessoas empreguem “aonde” e “onde” na língua oral sem distinção, a escrita não permite o mesmo, o que acaba por gerar vários erros nas provas.

Dica: “Onde” emprega-se em algo que não tem movimento, algo fixo como “onde você mora?”. “Aonde” vem acompanhado de verbos de mudança, que passa a ideia de movimento, como “Aonde você foi?”. O candidato precisa aprender essa básica distinção para fazer bonito.

Conclusão

Muitas pessoas não gostam de estudar português para concursos, mas não tem jeito, pois português vai estar no concurso escolhido. Em concursos públicos, não tem essa de gostar de uma matéria e não gostar de outra, todas elas devem receber a mesma atenção na hora dos estudos, pois o que está em jogo é a luta pela aprovação e não a simpatia por essa ou aquela matéria.

Logo, quem não gosta deve passar a gostar do português, focar no edital e ver o que é mais relevante, não precisa estudar a gramática toda, apenas o que for precisar para o concurso. E, com o passar do tempo, o português entra nas veias e a chance de aprovação aumenta. Boa sorte e bom português para todos!

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.