PORTUGUÊS: Mais dicas ortográficas

Prezado leitor, semana passada iniciamos uma série de textos mostrando dicas ortográficas referentes à nossa Língua Portuguesa. E, pela importância e utilidade do assunto, pretendemos detalhar alguns pontos que são fundamentais para o sucesso em qualquer prova ou concurso.

Nessa coluna enfocaremos o emprego da pontuação (ponto, dois pontos, reticências, parênteses, pontos de exclamação e de interrogação):

Pontuação

Os sinais de pontuação são recursos da linguagem escrita utilizados com o objetivo de demarcar unidades e sinalizar os limites das estruturas sintáticas nos textos.

Os sinais de pontuação são recursos de linguagem empregados na língua escrita e desempenham a função de demarcadores de unidades e de sinalizadores de limites de estruturas sintáticas nos textos escritos. Assim, os sinais de pontuação cumprem o papel dos recursos prosódicos, utilizados na fala para darmos ritmoentoação e pausas e indicarmos os limites sintáticos unidades de sentido.

Como na fala temos o contato direto com nossos interlocutores, contamos também com nossos gestos para tentar deixar claro aquilo que queremos dizer. Na escrita, porém, são os sinais de pontuação que garantem a coesão e a coerência interna dos textos, bem como os efeitos de sentidos dos enunciados.

Vejamos, a seguir, quais são os sinais de pontuação que nos auxiliam nos processos de escrita:

Ponto ( . )

  1. a) Indicar o final de uma frase declarativa:
  • Gosto de sorvete de goiaba.
  1. b) Separar períodos:
  • Fica mais um tempo.Ainda é cedo.
  1. c) Abreviar palavras:
  • Av. (Avenida)
  • V.Ex.ª (Vossa Excelência)
  • p(página)
  • Dr.(doutor)

Dois-pontos ( : )

  1. a) Iniciar fala de personagens:
  • O aluno respondeu:

– Parta agora!

  1. b) Antes de apostosou orações apositivasenumeraçõesou sequência de palavras que explicam e/ou resumem ideias anteriores.
  • Esse é o problema dos caixas eletrônicos:não tem ninguém para auxiliar os mais idosos.
  • Anote o número do protocolo:
  1. c) Antes de citação direta:
  • Como já dizia Vinícius de Morais“Que o amor não seja eterno posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure.”

Reticências ( … )

  1. a) Indicar dúvidasou hesitação:
  • Sabeandei pensando em uma coisa mas não é nada demais.
  1. b) Interromperuma frase incompleta sintaticamente:
  • Quem sabe se tentar mais tarde
  1. c) Concluir uma frase gramaticalmente incompleta com a intenção de estender a reflexão:
  • “Sua tez, alva e pura como um foco de algodão, tingia-se nas faces duns longes cor-de-rosa” (Cecília– José de Alencar)
  1. d)Suprimirpalavras em uma transcrição:
  • “Quando penso em você () menos a felicidade.” (Canteiros – Raimundo Fagner)

Parênteses ( )

  1. a) Isolarpalavras, frases intercaladas de caráter explicativo, datase também podem substituir a vírgula ou o travessão:
  • Manuel Bandeira não pôde comparecer à Semana de Arte Moderna (1922).
  • “Uma manhã lá no Cajapió (Joca lembrava-se como se fora na véspera), acordara depois duma grande tormenta no fim do verão.”(O milagre das chuvas no Nordeste- Graça Aranha)

Ponto de Exclamação ( ! )

  1. a) Após vocativo
  • Ana, boa tarde!
  1. b) Final de frases imperativas:
  • Cale-se!
  1. c) Após interjeição:
  • UfaQue alívio!
  1. d) Após palavras ou frases de caráter emotivoexpressivo:
  • Que pena!

Ponto de Interrogação ( ? )

  1. a) Em perguntas diretas:
  • Quantos anos você tem?
  1. b) Às vezes, aparece com o ponto de exclamação para enfatizar o enunciado:
  • Não brinca, é sério?!

Bons estudos!

Fonte de pesquisa: Português, o seu sítio da Língua Portuguesa

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.