PORTUGUÊS: Mais curiosidades sobre a nossa língua

Prezado leitor, gostou da coluna da semana passada? Ela pode ser útil para você? Ou para algum dos seus amigos que estão na disputa por uma vaga em concursos? Conhecimento nunca é demais, né mesmo? Como o Trem das Gerais acha que essas dicas e curiosidades são importantes, resolvemos continuar nessa linha.

Assim sendo, vamos a mais uma sessão de dicas e curiosidades sobre a nossa língua.

Eu REAVEJO ou REAVENHO? – nenhum dos dois.
O verbo REAVER é defectivo:
a)    no presente do indicativo, só há: nós REAVEMOS e vós REAVEIS;
b)    no presente do subjuntivo, nada;
c)    no pretérito e no futuro, segue o verbo HAVER: reouve, reavia, reouvera, reaverei, reaveria, reouvesse, reouver, reavendo, reavido…
Como não existem as formas “reavejo” e “reavenho”, a solução é “eu estou reavendo” ou substituir por um sinônimo: “eu recupero”.

REAVERAM ou REAVIRAM? – é a “famosa” dúvida do nada com coisa alguma. Nenhum dos dois.
O certo é REOUVERAM, porque REAVER é derivado do verbo HAVER:
Ele houve                – ele REOUVE
Nós houvemos        – nós REOUVEMOS
Eles houveram        – eles REOUVERAM
Se eu houvesse      – se eu REOUVESSE
Quando ele houver – quando ele REOUVER
REAVER não é “ver de novo”. REAVER é “haver de novo”, por isso deve seguir o verbo HAVER.

MAIS UM DESAFIO
Que significa bancarrota?
a)    quebra, falência ou insolvência;
b)    pobreza extrema, indigência, miséria;
c)    emigração, saída, retirada.
Resposta:
Letra (a) = bancarrota vem do italiano banca (=banco) + rotta (=quebrado). Quando alguém está na bancarrota é porque está na ruína, faliu, quebrou. Quem está na pobreza extrema (indigência, miséria) está na penúria; e emigração (saída, retirada) pode ser êxodo.

DUAS DÚVIDAS
1ª) Leitor quer saber se, na linguagem popular do Brasil, uma das acepções de medrar é “ter medo”.
Bem, como se sabe, o significado original de medrar é “fazer crescer, prosperar, progredir, desenvolver-se, melhorar”. No dicionário Aurélio, encontramos um célebre exemplo de Castro Alves: “Lá no solo onde o cardo apenas medra / Boceja a Esfinge colossal de pedra / Fitando o morno céu”.
É importante, entretanto, saber que tanto o dicionário Houaiss quanto o novíssimo Aurélio já registram o verbo medrar com a acepção de “ter medo”. No dicionário Houaiss, encontramos um típico exemplo da linguagem falada brasileira: “O time medrou diante do adversário”.

2ª) A BAIXO ou ABAIXO?
DEBAIXO ou DE BAIXO?
EMBAIXO ou EM BAIXO?
A BAIXO = só na expressão “de cima a baixo”: “Examinou tudo de cima a baixo”;
ABAIXO = nas demais situações: “Veio tudo abaixo”; “Posicionou-se abaixo de mim”;
DEBAIXO DE = quando estiver seguido da preposição DE: “Escondeu-se debaixo da mesa”;
DE BAIXO = nas demais situações: “Mora no andar de baixo”;
EMBAIXO (sempre junto) = DEBAIXO DE: “Escondeu-se embaixo da mesa”.
Existe “em baixa”: “O mercado de imóveis está em baixa”.

Até a próxima semana!

Fonte: dicas do professor Sérgio Nogueira.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.