PORTUGUÊS: Formação do plural – regras básicas

Prezados leitores, nessa e nas próximas semanas vamos abordar regras básicas de português que derrubam os menos avisados ou os mais desatentos. E vamos começar pela formação do plural que, em princípio, pode ser considerada como regra banal, mas que traz armadilhas sutis.

Em substantivos simples, acrescenta-se a desinência “-s” aos substantivos terminados em vogal, ditongo oral ou ditongo nasal “ãe”: casa/casas, peru/perus, pai/pais, lei/leis, herói/heróis, réu/réus, troféu/troféus, fogaréu/fogaréus, degrau/degraus, grau/graus, sarau/saraus, bacalhau/ bacalhaus, maçã/maçãs, mãe/mães… Atente, entretanto, para as formas “avôs” (o avô materno e o paterno) e “avós” (casal formado por avô e avó, ou plural de avó; também indica os antepassados de um modo geral).

A maioria dos substantivos terminados em “-ão” forma o plural substituindo essa terminação por “-ões” (incluem-se nesse grupo os aumentativos): balão/balões, eleição/eleições, leão/leões, sabichão/sabichões, coração/corações, vozeirão/vozeirões…

Os paroxítonos terminados em “-ão” e alguns poucos oxítonos e monossílabos formam o plural pelo simples acréscimo de “s”: sótão/sótãos, cidadão/cidadãos, chão/chãos, bênção/bênçãos, cristão/cristãos, grão/grãos, órfão/órfãos, irmão/irmãos, mão/mãos… Alguns substantivos terminados em “-ão” formam o plural substituindo essa terminação por “-ães”: alemão/alemães, capitão/capitães, pão/pães, cão/cães, charlatão/charlatães, sacristão/sacristães, capelão/capelães, escrivão/escrivães, tabelião/tabeliães…

Em alguns casos, há mais do que uma forma aceitável para esses plurais. A tendência da língua portuguesa atual do Brasil é utilizar a forma de plural em “-ões”: guardião – guardiões, guardiães; verão – verões, verãos; anão – anões, anãos; cirurgião – cirurgiões, cirurgiães; corrimão – corrimões, corrimãos; vilão – vilões, vilãos; ancião – anciões, anciães, anciãos; ermitão – ermitões, ermitães, ermitãos; faisão – faisões, faisães; refrão – refrães, refrãos.

zangão (substantivo masculino de abelha) zangãos, zangões; que pode ser pronunciada também de duas maneiras: zangão ou zângão (acento colocado para mostrar a pronúncia).

Artesãos/Artesões – quando se refere ao indivíduo que tem por ofício as artes que dependem de habilidade manual, o feminino é “artesã”, e o plural é “artesãos”. No entanto, a palavra “artesão” também se usa em arquitetura, com o sentido de “adorno que se coloca entre molduras em abóbadas e tetos”. Neste caso, o plural é “artesões”. Disso se conclui que é possível dizer que “os artesões de determinada igreja foram produzidos por famosos artesãos”.

Acrescenta-se a desinência “-s” aos substantivos terminados em “-m”. Essa letra é substituída por “-n” na forma do plural: homem/homens, jardim/jardins, som/sons, atum/atuns… Os substantivos terminados em “-r” e “-z” formam o plural com o acréscimo de “-es”: mar/mares, açúcar/açúcares, hambúrguer/hambúrgueres, flor/flores, repórter/repórteres, revólver/revólveres; raiz/raízes, rapaz/rapazes, cruz/cruzes…

No caso do plural das palavras “júnior”, “sênior” e “caráter”, além de acrescentar “es”, devemos observar a mudança da posição da sílaba tônica: “juni ô res”, “seni ô res”, “carac té res” (devemos escrever essas palavras sem acento, mas pronunciar com a sílaba tônica nas vogais aqui acentuadas). Os substantivos terminados em “-s” formam o plural com acréscimo de “-es”; quando paroxítonos ou proparoxítonos, são invariáveis – o que faz com que a indicação de número passe a depender de um artigo ou outro determinante: gás/gases, obus/obuses, um lápis/dois lápis, mês/meses, o atlas/os atlas, algum ônibus/vários ônibus, país/países, o pires/os pires, o vírus/os vírus…

Os substantivos terminados em “-al”, “-el”, “-ol” e “-ul” formam o plural pela transformação do “-l” dessas terminações em “-is”: animal/animais, canal/canais, vogal/vogais, igual/iguais, anel/anéis, pastel/pastéis, álcool/álcoois, anzol/anzóis… O plural de “mal” (males) e de “cônsul” (cônsules) é uma exceção à regra das palavras terminadas em “l”. Já “mel” admite dois plurais: “meles” ou “méis”. Os dicionários e as gramáticas afirmam que “gol” também admite dois plurais: “gois” (com o “o” fechado, como o de bois) e “goles” (com o “o” também fechado); exemplo: Ronaldinho fez três goles (ou gois) numa só partida. No entanto, a forma irregular “gols” é a que tem predominado na imprensa em geral.

Os substantivos oxítonos terminados em “-il” trocam o “-l” pelo “-s”; os paroxítonos trocam essa terminação por “-eis”: barril/barris, ardil/ardis, funil/funis, fuzil/fuzis, fóssil/fósseis, projétil/projéteis, réptil/répteis, difícil/difíceis… Além das formas paroxítonas apresentadas acima, existem as formas oxítonas “projetil” e “reptil”, que fazem os plurais “projetis” e “reptis”, oxítonos.

Os substantivos terminados em “-n” formam o plural pelo acréscimo de “-s” ou “-es”: abdômen/abdomens ou abdômenes, gérmen/germens ou gérmenes, hífen/hifens ou hífenes, líquen/liquens ou líquenes… No português do Brasil, há acentuada tendência para o uso das formas obtidas pelo acréscimo de “-s”. Observe que, quando paroxítonas, essas formas de plural não recebem acento gráfico. Destaque-se “cânon”, cujo plural é a forma “cânones”.

Os substantivos terminados em “-x” são invariáveis; a indicação de número depende da concordância com algum determinante: o tórax/os tórax, um clímax/alguns clímax, uma (ou um) xerox/duas (ou dois) xerox… Existem alguns substantivos terminados em “-x” que apresentam formas variantes terminadas em “-ce”; nesses casos, deve-se utilizar a forma plural da variante: o cálix ou cálice/ os cálices, o códex ou códice/ os códices…

Os diminutivos com o sufixo “-zinho” (e mais raramente “-zito”) fazem o plural da seguinte forma: o plural da palavra original sem o “s” + o plural do sufixo (-zinhos ou -zitos). Exemplos: botão + zinho (botõe + zinhos = botõezinhos); balão + zinho (balõe + zinhos = balõezinhos); pão + zinho (pãe + zinhos = pãezinhos); papel + zinho (papei + zinhos = papeizinhos); anzol + zinho (anzoi + zinhos = anzoizinhos); colar + zinho (colare + zinhos = colarezinhos); flor + zinha (flore + zinhas = florezinhas).

No caso de diminutivos formados a partir de substantivos terminados em “-r”, existe acentuada tendência na língua atual do Brasil para limitar-se o plural à terminação da forma derivada: colarzinho/colarzinhos, florzinha/florzinhas, mulherzinha/mulherzinhas. Essa forma de plural, no entanto, é repudiada pela norma culta. No caso das palavras “luzinha” e “cruzinha”, o sufixo para o diminutivo é “inha” (a letra “z” pertence à raiz da palavra). Não se aplica, portanto, a regra acima. Basta pôr a desinência “s”: luzinhas e cruzinhas.

É isso aí. Até a próxima semana. Abraços!

Fonte: Revisão & Revisões.

LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.