PORTUGUÊS: Estilística – Figuras de som e vícios de linguagem

Prezados, uma rápida passagem pela internet é suficiente para nos deparar com inúmeros concursos públicos agendados ou que serão divulgados nos próximos dias. Isso significa que, aquele candidato que quer fazer boa figura, deve estudar muito, principalmente o português, tratado como fator de desempate na hora de escolher o melhor candidato.

Pensando assim, nossa coluna vem divulgando temas considerados importantes para quem prestará concursos públicos. A Estilística é um desses temas. Por isso, estamos finalizando o capítulo Figuras de Construção ou Sintáticas (leia aqui e aqui), mostrando um pouco das Figuras de Som e já introduzindo o capítulo Vícios de Linguagem.

Aliteração

Consiste na repetição de consoantes como recurso para intensificação do ritmo ou como efeito sonoro significativo. Exemplos:

  • Três pratos detrigo para três tigres tristes;
  • ratoroeu a roupa do rei de Roma;
  • Vozes veladas, veludosas vozes,
    Volúpias dos violões, vozes veladas
    Vagam nos velhos vórtices velozes
    Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas” (Cruz e Souza Aliteração em “v”).

Assonância

Consiste na repetição ordenada de sons vocálicos idênticos. Exemplos:

  • “Sou um mulatonato no sentido lato mulato democrático do litoral”.

Onomatopeia

Ocorre quando se tentam reproduzir na forma de palavras os sons da realidade. Exemplos:

  • Os sinos faziam blemblemblemblem;
  • Miaumiau. (Som emitido pelo gato);
  • Tic-tactic-tacfazia o relógio da sala de jantar;
  • Cócórócócó, fez o galo às seis da manhã.

Vícios de Linguagem

Ao contrário das figuras de linguagem, que representam realce e beleza às mensagens emitidas, os vícios de linguagem são palavras ou construções que vão de encontro às normas gramaticais. Os vícios de linguagem costumam ocorrer por descuido, ou ainda por desconhecimento das regras por parte do emissor. Observe:

Pleonasmo Vicioso ou Redundância

Diferentemente do pleonasmo tradicional, tem-se pleonasmo vicioso quando há repetição desnecessária de uma informação na frase. Exemplos:

  • Entreipara dentro de casa quando começou a anoitecer.
  • Hoje fizeram-me uma surpresa inesperada.
  • Encontraremos outraalternativa para esse problema.
Observação: o pleonasmo é considerado vício de linguagem quando usado desnecessariamente, no entanto, quando usado para reforçar a mensagem, constitui uma figura de linguagem.

Barbarismo

É o desvio da norma que ocorre nos seguintes níveis:

1) Pronúncia

  1. a) Silabada:erro na pronúncia do acento tônico.

Por Exemplo: Solicitei à cliente sua rúbrica. (rubrica)

  1. b) Cacoépia: erro na pronúncia dos fonemas.

Por Exemplo: Estou com poblemas a resolver. (problemas)

  1. c) Cacografia:erro na grafia ou na flexão de uma palavra.

Exemplos:

Eu advinhei quem ganharia o concurso. (adivinhei)

O segurança deteu aquele homem. (deteve)

2) Morfologia

Exemplos:

Se eu ir aí, vou me atrasar. (for)

Sou a aluna mais maior da turma. (maior)

3) Semântica

Por Exemplo: José comprimentou seu vizinho ao sair de casa. (cumprimentou)

4) Estrangeirismos

Considera-se barbarismo o emprego desnecessário de palavras estrangeiras, ou seja, quando já existe palavra ou expressão correspondente na língua.

Exemplos:

show é hoje! (espetáculo)

Vamos tomar um drink? (drinque)

Solecismo

É o desvio de sintaxe, podendo ocorrer nos seguintes níveis:

1) Concordância

Por Exemplo: Haviam muitos alunos naquela sala. (Havia)

2) Regência

Por Exemplo: Eu assisti o filme em casa. (ao)

3) Colocação

Por Exemplo: Dancei tanto na festa que não aguentei-me em pé. (não me aguentei em pé)

Na próxima semana continuaremos mostrando os Vícios de Linguagem. E não esqueça: quem se prepara adequadamente sai na frente. Abraços!

Fonte: Só Português

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.