PORTUGUÊS: Escrever bem, que mal tem?

Prezados leitores, muitas pessoas gostaram das dicas da semana passada. “Sempre fiz confusão com essa história de bimensal”, ouvi de um. “Ao invés sempre me derrubou em provas”, disse outro. O fato, meus amigos, é que a nossa língua nos derruba o tempo inteiro, seja escrevendo ou falando.

Por isso me senti motivado a continuar dividindo com vocês as dicas mais comuns sobre português, na esperança de que, a partir delas, pelo menos os meus leitores corram menos riscos de errar.

Entretanto, para ser um pouco diferente, resolvi misturar dicas comuns com dicas sobre como escrever bem. Embora muitas pessoas acreditem que escrever seja um dom, a prática também pode ser muito útil em alguns casos. Para escrever bem não é preciso muito. Basta ter uma boa ideia e seguir práticas simples.

Separei essas dicas simples sobre como escrever melhor:

Assuntos que despertem interesse – procure escrever sobre assuntos que despertem interesse para você e para o seu público. Portanto, antes de iniciar um texto, se faça a seguinte pergunta: será que alguém está interessado em saber disso?

Seja claro – um texto rebuscado não serve para nada se as pessoas não conseguem entender o que você está dizendo. Preocupe-se em fazer com que os seus leitores entendam perfeitamente o conteúdo do texto para, só então, pensar em adicionar palavras difíceis e afins.

Conte histórias – embora dados sejam importantes, as pessoas se interessam muito mais por histórias. Experiências que você ou alguém que você conhece viveu contam muito. Então, viaje!

Leve em conta sua audiência – não seja hipócrita apenas para agradar a sua audiência. Lembre-se de que alguém há de concordar com você. Antes de iniciar o seu texto, pense em como os seus leitores vão receber aquela informação. Você não precisa dizer exatamente o que eles querem ouvir, mas pode abordar os assuntos que mais geram interesse neles.

Conteúdo x escolha de palavras – o texto precisa ter conteúdo. As pessoas podem não ter o mesmo conhecimento de vocabulário que você. Então, simplifique e prefira sempre a saída mais simples. Isso não é sinônimo de texto pobre, não se preocupe.

Para fechar, uma dica sobre emprego de verbo que, muitas vezes, derruba a mais bem elaborada redação:

Vimos ou viemos?

“O correto é Vimos à sua presença ou Viemos à sua presença? Vimos é presente do verbo vir, enquanto viemos é passado do mesmo verbo. Exemplos: Vimos agora, nesta oportunidade, para manifestar nosso apoio; Viemos ontem, porque a audiência começa muito cedo.

Vimos também é o passado do verbo ver, por isso algumas pessoas tendem a evitar seu uso como presente de vir e acabam cometendo erros como: “Viemos agora, nesta oportunidade, para manifestar nosso apoio”. Então, basta ficar atento e lembrar-se da dica.

Boa leitura e bom aprendizado. Até a semana que vem.

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.