PORTUGUÊS: Dicas para não errar a ortografia

Prezado leitor, como o retorno que tive sobre esse assunto foi bom, continuo batendo na mesma tecla, ou seja, envio mais algumas dúvidas de ortografia e relações inusitadas entre palavras no português.

 “Decidiu por deixar”: está certo o uso da preposição “por”?

Num documento oficial, encontrei o seguinte trecho: “…DECIDIU POR DEIXAR O HOLERITE A SETE CHAVES.”

Decidir provém de “decidere”. Essa forma latina remete a “cortar”, “separar cortando”, “despedaçar a golpes”. No dicionário regencial de Luft e no Houaiss, encontram-se diversas regências. Vejamos as principais:

Com o sentido de determinar, deliberar, resolver, o verbo pode ser transitivo direto ou transitivo indireto (com o uso de “de” ou “sobre”): “Decidir uma questão, um fato; Só os pais devem decidir sobre as questões entre filhos; O presidente decidirá do aumento dos funcionários.”

Com o sentido de dar decisão, emitir juízo ou opinião, sentenciar, o verbo também pode ser transitivo direto ou transitivo indireto (com o uso de “de”, “em”, “entre”): “Decidir um pleito; Cada povo decidirá da forma porque há-de se defender (Rui Freire); É um ignorante, e quer decidir no que não entende; É preciso decidir entre os dois candidatos.”

Exigindo as preposições “a” ou “por”, encontra-se o verbo decidir pronominal (decidir-se), com o sentido de dar preferência, optar: “O sindicato decidiu-se pela continuação da greve; Decidi-me a largar a cidade grande.”

Portanto o correto é: ”…decidiu-se por deixar o holerite a sete chaves.”

Dicas preciosas de português

O concurso público do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo já aconteceu, mas é uma excelente oportunidade para verificarmos “a quantas anda” o conhecimento sobre o português. A prova exige um bom conhecimento em Concordância e em Regência. Para facilitar, veja algumas importantes normas gramaticais.

Concordância

Quando o sujeito é representado por expressões como a maioria de, a maior parte de, grande parte de (e um nome no singular), o verbo concorda no singular ou no plural – a concordância é facultativa. Exemplo:

  • “Grande parte dos candidatos acredita em mudança política.”
  • “Grande parte dos candidatos acreditam em mudança política.”

Quando houver a voz passiva sintética (consequentemente haverá a partícula apassivadora -SE), o verbo concordará com o sujeito paciente. Exemplos:

  • “Alugam-se casas.”
  • “Compram-se móveis usados.”
  • “Anunciam-se novas medidas econômicas no Brasil.”

Em contrapartida, quando houver o índice de indeterminação do sujeito (vale perceber objeto indireto, advérbio ou predicativo como complementação do verbo), o verbo sempre ficará no singular. Exemplos:

  • “Precisa-se de vendedores bem-humorados.”
  • “Trata-se de ações importantes.”
  • “Sobre o palco, fala-se demais.”
  • “É-se feliz nesta cidade.”

Quando não houver determinação no sujeito, o adjetivo será invariável. Exemplos:

  • “É proibido entrada.”
  • “Mudança é permitido.”
  • “Dieta é bom para emagrecer.”

No entanto, quando houver a determinação, a concordância será obrigatória. Exemplos:

  • “É proibida a entrada.”
  • “A mudança é permitida.”
  • “Aquela dieta é boa para emagrecer.”

Regência

Os verbos ANTIPATIZAR/SIMPATIZAR não são pronominais; exigem apenas a preposição “com“:

  • “Simpatizo com todo o público daquele teatro.”
  • “Antipatizo com toda pessoa ofensiva.”

É grave erro a construção “Simpatizo-me com… / Antipatizo-me com…”.

Além disso, lembre-se de que o verbo PREFERIR – normalmente transitivo direto e indireto – não é um verbo comparativo. Por isso, não são admitidas construções como “Prefiro mais…”, “Prefiro muito mais…”, “Prefiro mil vezes…” ou “Prefiro mais…”.

O uso correto, à visão da gramática tradicional, é com a preposição A:

  • “Prefiro futebol a basquete.”
  • “Prefiro ler romance a ler conto.”
  • “Prefiro carboidrato a proteína.”

Fonte: Notícias sobre dicas de português – revista Exame.

CLIQUE AQUI E ACESSE OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.