PORTUGUÊS: dicas de redação para o Enem

Prezado leitor, nossa coluna dessa semana vai enveredar por um caminho um pouco diferente do que o habitual. Vamos focar numa questão prática e atual: a redação do Enem. Preparar-se para a prova, ler cuidadosamente a coletânea e organizar ideias e argumentos estão entre as principais dicas de redação para o Enem.

Você se sente preparado para escrever a redação do Exame Nacional do Ensino Médio? Para atingir uma boa pontuação naquela que é uma das partes mais importantes do exame — a redação —, você precisa preparar-se e ficar atento ao que acontece no Brasil e no mundo. Lembre-se de que, mesmo que você tenha dificuldades com as outras provas, é na prova de redação que você tem a chance de melhorar sua média, portanto, vamos estudar!

Para ajudá-lo(a) a alcançar a tão sonhada nota 1000 na redação do Enem, o Brasil Escola preparou um guia rápido sobre como se preparar para a prova e sobre como escrever o seu texto.

Você estuda para a prova de Matemática, Português, História e outras disciplinas, não é mesmo? Por que não estudar para a prova de Redação? É na prova de redação que você tem a oportunidade de mostrar todo o seu repertório cultural, tudo aquilo que você aprendeu com a literatura, com o cinema, com a música, com os noticiários etc. Se você ainda não se interessou por nenhuma dessas áreas, é hora de se redimir. Leia mais, amplie os horizontes e as chances de mostrar para o corretor que você é capaz de criar, desenvolver e defender uma ideia.

Caso você tenha curiosidade, pesquise redações que atingiram a nota máxima ao longo dos anos de ocorrência do exame. Você vai perceber que todas elas saem do previsível, afastam-se dos clichês e estabelecem uma competente relação dialógica com outras áreas do conhecimento, como a História, a Geografia e a Literatura, sempre respeitando o tema e aproveitando ao máximo as informações da coletânea.

Como escrever a redação do Enem? Você já deve saber que o tipo textual cobrado no Enem é a dissertação, texto argumentativo que exige do autor o desenvolvimento de uma ideia e um posicionamento crítico sobre ela. Para que o tema seja desenvolvido de maneira imparcial, você deve apresentar ideias favoráveis e ideias contrárias à sua própria opinião, elementos indispensáveis para a estratégia de persuasão, afinal de contas, um texto argumentativo tem como finalidade convencer o leitor.

Muitas pessoas deixam para conferir o tema da redação apenas no final da prova, o que é, para a maioria dos professores, um erro. Ao receber a prova, veja qual é o tema da redação e, enquanto você resolve as questões objetivas, pode ir amadurecendo ideias para o seu texto, anotando-as. É interessante observar que, muitas vezes, o tema da redação esteve presente nas questões objetivas do Exame, o que poderá fornecer subsídios para o seu texto.

Nunca despreze a coletânea de textos: ela deve ser aproveitada ao máximo, especialmente se você não domina o tema exigido. Ao ler a coletânea, faça observações sobre a maneira adequada de aproveitar os textos, pois eles devem ser fonte de informação e jamais devem ser copiados ou parafraseados. O candidato deve interpretar esses textos e utilizar as informações neles contidas para criar sua argumentação.

Elabore uma lista com todas as ideias que você teve no decorrer da prova, além das ideias que surgiram com a leitura da coletânea, e procure definir sua tese, ou seja, o que você pretende defender no seu texto. Elabore seus argumentos e concentre-se para apresentar uma boa proposta de intervenção para o problema apresentado, esse é um elemento imprescindível na redação do Enem.

A proposta de intervenção não deve ser confundida com uma conclusão, pois não basta concluir o texto, é obrigatória a apresentação de soluções viáveis que respeitem os direitos humanos, tópico previsto na matriz de referência do Exame. A proposta deve estar bem detalhada e apresentar conexão com os argumentos desenvolvidos ao longo da redação.

Respeite o limite de linhas, lembre-se de que as partes do texto devem ser proporcionais, o que significa que você não deve fazer, por exemplo, uma introdução ou conclusão longas demais. Para evitar esse tipo de erro, é importante que você planeje a quantidade de linhas que cada parágrafo deve ter. O ideal é que você dispense um parágrafo para a introdução (apresentação do tema), dois ou três para o desenvolvimento (argumentação) e um para a conclusão (proposta de intervenção). Revise seu texto e fique atento à coerência, coesão, redundância e erros gramaticais. Além disso, se possível, passe seu texto a limpo, capriche na letra e boa sorte!

Boa leitura!

Fonte de pesquisa: Luana Castro, Graduada em Letras

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.