PORTUGUÊS: curiosidades sobre a nossa língua

Prezado leitor, a coluna dessa semana continuará mostrando dicas e curiosidades sobre a língua portuguesa. Em princípio pode ser divertido, mas se não forem levadas a sério, numa prova ou concurso o candidato pode levar um tombo.

Então, vamos a mais um rol de dicas e curiosidades.

QUIZ ou QUIS? O certo é QUIS.

Nas formas do verbo QUERER, o som “zê” é sempre escrito com “s”: tu quiseste, ele quis, eles quiseram, se eu quisesse, quando eu quiser…

Observação:

QUISER é futuro do subjuntivo: quando eu quiser, se eu quiser…

QUERER é infinitivo: “Fez isso para eu querer sair.”

Ele REQUEREU ou REQUIS? O certo é REQUEREU.

REQUERER não é derivado do verbo QUERER. REQUERER não é “querer de novo”:

Eu requeiro (=presente indicativo), que eu requeira (=presente do subjuntivo); no pretérito e no futuro, REQUERER é regular: eu requeri, tu requereste, ele REQUEREU, eles requereram (pretérito perfeito do indicativo); se eu requeresse (pretérito imperfeito do subjuntivo); quando ele requerer (futuro do subjuntivo)…

Nos tempos do passado e do futuro, o verbo REQUERER deve ser usado segundo o padrão dos verbos regulares da 2ª conjugação:

TEMER         VENDER       REQUERER

Pretérito Perfeito do Indicativo: ele         temeu            vendeu            requereu

Pretérito Imperfeito do Subjuntivo: ele  temesse        vendesse        requeresse

Futuro do Subjuntivo: quando ele           temer             vender             requerer

Um desafio

Que significa sinecura?

a)    sem data marcada;

b)    emprego rendoso que exige pouco trabalho;

c)    indispensável, essencial.

Resposta

Letra (b). Segundo o dicionário Houaiss, sinecure, em inglês, significa na sua origem “benefício eclesiástico sem cuidado real de almas”. Por extensão, passou a significar “qualquer função ou situação que assegura uma remuneração sem que seja exigido trabalho ou responsabilidade real”. Sinecura entrou no português pelo francês sinécure, cargo ou emprego que não obriga a nenhuma função ou que necessita de pouco trabalho.

Adiar o evento sine die significa adiar o evento “sem data marcada”; e condição sine qua noné o indispensável, o essencial.

Uma dúvida

Uma pessoa criticou o uso do acento da crase: “…continuamos na mesma situação, andando à reboque deles, porque esse pacote não resolve o problema”; “…não precisam se desviar das bolinhas de frescobol, nem ver algum acampamento montado à beira-mar”.

Essa pessoa tem razão no primeiro caso. O uso do acento da crase em “a reboque” é absurdo. É impossível haver crase, pois reboque é um substantivo masculino. Temos apenas a preposição “a”.

Em “à beira-mar”, o uso do acento da crase está correto. Beira-mar é um substantivo feminino e a expressão “à beira-mar” é um adjunto adverbial de lugar. Corresponde a “…montado na praia” ou “no litoral”. Isso comprova a existência da preposição e do artigo definido feminino.

Até a próxima semana!

Fonte: dicas do professor Sérgio Nogueira.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.