PORTUGUÊS: Cuidado com os detalhes em português

Olá, caros leitores, tudo bem com vocês? Há algum tempo vimos escrevendo sobre dicas para quem quer prestar concursos públicos. E a repercussão tem sido muito boa. Isso nos aninou a continuar publicando essas dicas importantes.

Essa semana separei as seguintes dicas:

A palavra “combate” e a crase

A palavra combate requer a preposição “a”, desse modo, quando numa construção frasal, esse termo for seguido de um substantivo feminino, haverá crase; pois a crase é justamente a fusão de duas vogais idênticas. Sendo assim, ocorre crase em todos os casos abaixo:

O aumento nos esforços globais de combate à corrupção irá reduzir os custos econômicos.

Com objetivo de discutir ações de combate à dengue, uma reunião é realizada nesta terça-feira.

O combate às drogas não pode parar.

Não inicie frase com pronome oblíquo

Nos diálogos do dia a dia, frequente e naturalmente iniciamos frases com pronome oblíquo. Para quem não se recorda, pronome oblíquo substitui o pronome reto quando este último é usado como objeto direto ou objeto indireto. Exemplos de pronomes oblíquos: o, as, lhe, nos, me e te. Seguem algumas expressões comuns na fala cotidiana: Me ligue! Te amo! Me passe o livro?

Na língua falada, também denominada oralidade, essas construções frasais são admissíveis. O uso sem preocupações com as regras rígidas da gramática normativa é uma característica da língua coloquial. O caso muda de aspecto quando o contexto exige que se faça o emprego da norma culta. Este modelo de língua segue rigidamente as regras gramaticais e, segundo estas, não se inicia frase com pronome oblíquo.

Para que esse caso de colocação pronominal esteja de acordo com o que preceitua a gramática tradicional, deve-se colocar o pronome depois do verbo. A essa possibilidade de colocação pronominal damos o nome de ênclise.

Então, seguem as frases “corrigidas”: Ligue-me! Amo-te! Passa-me o livro?

Importante

A ênclise às vezes pode causar uma formalidade extrema e um ar de artificialidade ao discurso. Uma alternativa intermediária seria o uso de pronomes retos (eu, tu, ele, nós, vós, eles) no início das frases, justificando a próclise (fenômeno de colocação em que o pronome vem antes do verbo). Exemplo: Eu te amo!

Próximo ou próximas

Quando significar perto de, a locução “próximo de” será invariável: As crianças moram próximo da escola.

Outros exemplos: As casas ficam próximo do jardim. Eles estavam próximo das grades.

A palavra próximo será variável quando tiver função de adjetivo, isto é, quando estiver qualificando um substantivo: A casa era próxima da outra (“Próximo” está qualificando “casa”). Eram pessoas muito próximas (“Próximo” está qualificando “pessoas”).

Nos sentido de “perto de”, além de “próximo de”, pode-se usar “próximo a”: As crianças moram próximo à escola. As casas ficam próximo ao jardim.

Até semana que vem. Abraços!

LEIA OUTROS ARQUIVOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.