PORTUGUÊS: Classes gramaticais

Prezado leitor, a coluna dessa semana traz um estudo sobre as classes gramaticais. Nesta e na próxima coluna mostraremos a importância delas para um bom estudo da língua portuguesa.

A gramática organiza as palavras nos seguintes grupos: substantivo, adjetivo, artigo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição, conjunção e interjeição; contabilizando um conjunto de dez classes gramaticais (classes de palavras). Esta classificação possui um critério de composição denominado, para alguns gramáticos, de critério morfo-semântico. Um dos fundamentos da organização de palavras em classes está relacionado ao significado extralinguístico que o vocábulo apresenta.

Para realizar uma classificação adequada, o gramático Evanildo Bechara, orienta um estudo com base na distinção dos seguintes significados:

SIGNIFICADO LEXICAL; um sentido existente anterior à palavra. Corresponde a um referente no mundo, um objeto ou algo que possui existência fora da linguagem. “Corresponde ao quê da apreensão do mundo extralinguístico” (BECHARA,2009, p.109) É uma organização que a linguagem constrói para a realidade existente anterior e independente dela.

Exemplo: É o significado comum a cada uma das séries de palavras: amor – amante – amar – amavelmente.

SIGNIFICADO CATEGORIAL; “correspondem ao como da apreensão do mundo extralinguístico”. (BECHARA, 2009, p. 109) É o modo de ser das palavras dentro do texto, por isso não possuem classes léxicas fixas, podem surgir em um discurso como substantivo e em outro como adjetivo.

Exemplo: amor (quando usado como substantivo); amar (quando usado como verbo).

Observação: De acordo com o estudo apresentado por Evanildo Bechara em A Moderna Gramática Portuguesa, é válido destacar que o substantivo, o adjetivo, o verbo e o advérbio correspondem as quatro únicas reais “categorias gramaticais” da língua. Entretanto, na gramática tradicional essas classes se apresentam definidas de maneira confusa. Bechara denomina essas classes de “categorias verbais”, porque são as únicas dotadas do significado categorial.

SIGNIFICADO INSTRUMENTAL; se refere aos significados dos morfemas, os elementos que compõem o universo da gramática. Como artigos e preposições, por exemplo. Ou como elementos de palavras: s de canetas. Fazem parte do conjunto de morfemas que possuem significado instrumental nas combinações gramaticais: prefixos, sufixos, desinências, acentos, dentre outros. Os significados instrumentais correspondem ao modo da expressão material.

SIGNIFICADO ESTRUTURAL OU SINTÁTICO; é o resultado das combinações de unidades lexemáticas ou categoremáticas com morfemas, dentro da oração. São significados estruturais singulares, presente, passado, futuro, entre outros, que se constroem nas relações dentro da oração. Por exemplo, o “s” de cadernos é o resultado estrutural da combinação.

SIGNIFICADO ÔNTICO: só ocorre no plano da oração, refere-se ao valor existencial designado na oração; se é afirmativo, imperativo, negativo.

Essas designações usadas para classificar as palavras estabelecem-se nos planos da forma, do conteúdo e das relações no contexto intralinguístico e extralinguístico. Entretanto, o fundamental é identificar que uma palavra de determinada classe pode mudar para outra classe gramatical com base nesses significados e em suas implicações linguísticas.

FUNÇÃO: Esses são aspectos servem para entender a razão pela qual, em uma análise morfológica, a mesma palavra pode ser classificada de maneira diferente. Nesse sentido, ao tomar como exemplo uma palavra como “azul” para classificar, encontrará certa dificuldade se ela não estiver localizada em um contexto relacional com outras palavras.

Com este estudo, conclui-se que:

Substantivo, adjetivo, verbo e advérbio são palavras lexemáticas. Classificadas de acordo com o significado lexical.

Conforme as gramáticas descritivas, são exemplos dessas classes:

  • SUBSTANTIVO: escola, casa, armário, mesa, cadeira, São Paulo, José;
  • ADJETIVO: alegre, feliz, triste, forte, firme, corajoso;
  • VERBO: andar, comer, falar, ficar, partir, viajar, sonhar, estudar, construir, realizar, morrer, nascer, nadas, fazer;
  • ADVÉRBIOS: alegremente, dentro, fora, sim, não, nunca, talvez, muito; etc.

Dentro de contextos nos quais as análises se tornam mais precisas:

Exemplo: A escola encerrou cedo as atividades matinais.

As palavras em destaque são, respectivamente, substantivo, advérbio, substantivo e adjetivo.

São palavras lexemáticas, pois cada uma delas apresenta significado lexical.

Os pronomes e os numerais são palavras categoremáticas, classificadas por um sentido categorial linguístico.

Exemplo: A sua escola encerrou a primeira atividade mais cedo.

As palavras em destaque são, respectivamente, pronome e numeral. São palavras categoremáticas, pois estão ligadas ao contexto em que estão inseridas.

E os artigos, preposições e conjunções são palavras morfemáticas, pois possuem estruturas com sentidos completos, são independentes e não apresentam sentido fora da linguagem.

Exemplo: A escola encerrou as aulas mais cedo, porém solicitou uma reunião com os familiares.

As palavras em destaque são, respectivamente, artigo, conjunção, preposição, artigo. Elas possuem significados e estruturas independentes de outros vocábulos, não precisam fazer parte de um morfema para serem completas, porém só fazem sentido quando estão dentro da oração.

ATENÇÃO:

Uma palavra categorimática pode ter sentido instrumental, como é o exemplo dado por Evanildo Bechara (2009, p. 112):

“Meu lápis.”

Meu: pertence à classe de palavras categoremáticas dos pronomes (Pronome possessivo). Nesta estrutura o pronome assume valor de adjetivo, uma vez que caracteriza o substantivo lápis.

Este foi apenas um exemplo de como cada categoria de significados influencia na análise das classes, porém o aluno precisa saber identificar a qual classe a palavra pode pertencer isoladamente, e analisar em qual classe ela se enquadra contextualmente.

Verifica-se determinadas classes que possuem um conjunto definido ou limitado de palavras, não podendo ocorrer outro tipo de vocábulo que faça parte de tais classes. O que facilita a identificação, e posterior análise dentro das orações. Porém, há vocábulos que se repetem em mais de uma classe de palavras, o que reforça a ideia de que a análise da oração se faz necessária para a classificação de cada palavra.

Até a próxima semana. Bom estudo!

Fonte de pesquisa: Português – Gramática da Língua Portuguesa – InfoEscola.

Autora: Leticia Gomes Montenegro – Mestre em Linguística, Letras e Artes (UERJ, 2014) e Graduada em Letras – Literatura e Língua Portuguesa (UFBA, 2007).

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.