PORTUGUÊS: As pegadinhas na Língua Portuguesa continuam

Prezados leitores, o sucesso que as pegadinhas na língua portuguesa está fazendo me aponta para a continuidade. Então, parafraseando um antigo comentarista de futebol, como em time que está ganhando não se mexe, vamos continuar publicando as pegadinhas. Em algum momento, tenho certeza, elas serão úteis.

 Vamos a elas:

O político que se pode confiar ainda não nasceu – este erro é próprio da fala popular, linguagem que  não se preocupa com a regência verbal. Erros desse tipo são muito explorados em provas de vestibulares e concursos públicos. Esteja alerta, caro leitor, pois a regência do verto confiar exige a preposição em, pois quem confia, confia em alguém, e não confia alguém. Este tópico, depois da correção, tem sua frase inicial reescrita assim: O político em que se pode confiar ainda não nasceu.

Traze-me uns pastelzinhos – neste tópico, focalizamos um aspecto muito explorado em provas de vestibulares e concursos públicos, o plural dos diminutivos em “zinho”, que é feito do seguinte modo:

  1. leva-se o substantivo ao plural em seu grau normal: pastéis;
  2. retira-se o “s” final: pastei;
  3. acrescenta-se “zinhos”. Pronto: pasteizinhos.

Outros exemplos: pãezinhos, carreteizinhos, limõezinhos, caracoizinhos, aneizinhos. Depois da correção, a frase correta fica assim: Traze-me uns pasteizinhos. 

O relógio marcou meio-dia e meio – é batata, esta  pegadinha que, de vez em quando, figura em provas de vestibular e concurso, sempre acaba tirando candidatos do páreo. A palavra que se refere a horas é meia e não meio. Diz-se nove horas e meia, vinte horas e meia e assim por diante.  Então, depois da correção, temos a seguinte frase: O relógio marcou meio-dia e meia.

Ao comer, tenha cuidado com os espinhos de peixe – esta pegadinha apresenta mais uma popularização errônea de uma palavra. Peixe não tem espinhos. Isso é próprio de certas plantas e, quando muito, do porco-espinho. Peixe tem espinhas. É bom estar preparado para a ocorrência de casos como o desta dica, em provas de vestibular e concurso. Então, depois da correção, a frase correta fica assim: Ao comer, tenha cuidado com as espinhas de peixe. 

Nossa situação está russa – esta pegadinha  nos adverte para não confundir estado físico ou mental com estado político. Russa refere-se à Rússia. Quando se quer dizer que a situação está feia, diz-se que está ruça (com ç), que significa a cor pardacenta, escura. Em provas de vestibular e concurso, não é raro questões desse gênero. Então, depois da correção, temos a frase correta é: Nossa situação está ruça. 

O juiz leu os 3º, 4º e 5º parágrafos – a concordância nominal é um tema frequente e recorrente em provas de vestibular e concurso. A frase em destaque, acima, está mal formulada quanto ao aspecto da concordância nominal. Mesmo que haja uma lista ou uma série de elementos antes do artigo, este deve concordar com o elemento mais próximo. O artigo deve ficar no singular, diante de palavra no singular.

Exemplos: este cartório serve a 2ª e 3ª varas de família. A revogação atingiu o 4º, 5º, 6º e 7º artigos da antiga lei. Estamos discutindo o I e II itens do contrato. A 1ª, 2ª e 3ª séries terão aulas de educação física. Então, depois da correção, temos a seguinte frase: O juiz leu o 3º, 4º e 5º parágrafos. 

As dicas e pegadinhas sobre a língua portuguesa continuam na próxima semana. Lembrando que estudar nunca é demais. Boa leitura e bom aprendizado.

Até lá!

Fonte de pesquisa: Portal Tudo Sobre Concursos.

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.