PORTUGUÊS: 15 dicas para concurso — Parte 1

Prezado leitor, estudar português para concurso público parece um pesadelo. São muitas regras que não seguimos no dia a dia, mas precisamos usar na prova para garantir uma aprovação. A língua mostrada na gramática parece pouco natural e impossível de decorar.

No entanto, não há motivo para tanto desespero. Mesmo que português tenha um peso alto na maioria das provas, estudar para essa matéria não é tão difícil quanto se imagina. Como prova disso, nesta e na outra semana apresentaremos um total de 15 dicas de português para concurso.

Começaremos com seis dicas e, na próxima semana, publicaremos mais nove dicas que, levadas a sério, certamente facilitarão sua vida e poderão ajudá-lo nos seus estudos de português para concurso público.

Então, vamos a elas?

“Em vez de” ou “ao invés de”?

As duas expressões são parecidas e, às vezes, parecem significar a mesma coisa. Mas não exatamente: “ao invés de” só pode ser usado quando há uma oposição clara e direta, como em “Ao invés de sair, ficamos em casa”.

“Em vez de” é usado quando há uma substituição, e não uma oposição. Por exemplo: “Em vez de pegar o guarda-chuva, eu peguei um casaco”.

“Em vez de” pode ser usado no lugar de “ao invés de” também, por isso, sempre prefira seu uso, para não correr o risco de errar.

“Faz” ou “fazem”?

A conjugação do verbo fazer deixa muitas pessoas confusas quando ele se refere ao tempo decorrido. “Faz dois meses” ou “Fazem dois meses”? A resposta é simples: se “fazer” for impessoal, ou seja, não tiver sujeito, ele fica sempre no singular. Por isso, “faz dois meses que trabalho aqui” estaria certo.

“Esquecer-se” ou “esquecer-se de”?

Quando o verbo “esquecer” é pronominal, ou seja, acompanhado do pronome “se”, sempre usamos “de” para complementar. Quando não há o pronome “se”, não se usa o complemento.

Por exemplo, “ele se esqueceu do casaco”, ou “ele esqueceu o casaco”.

“Ao encontro de” ou “de encontro a”?

Essas duas expressões são muito parecidas e causam muitas dúvidas em quem estuda português para concurso público, mas significam coisas muito diferentes. “Ao encontro de” é usado quando duas coisas estão em harmonia, enquanto “de encontro a” significa “ao contrário de”.

Por isso, “minha opinião vai ao encontro da sua” é o oposto de “minha opinião vai de encontro a sua”!

“Através” ou “por meio”?

Muitas pessoas acham que essas duas expressões são substituíveis quando estudam português para concurso. Na verdade, de acordo com a gramática, “através” só pode ser utilizado quando houver a ideia de atravessar – como em “eles viajaram através do estado”.

Se você quiser dizer “por intermédio”, deve usar “por meio”: “eles conversavam por meio de mensagens”.

“A meu ver” ou “ao meu ver”?

Essa é uma expressão fixa: é sempre “a meu ver”. “Ao meu ver” está errado – por isso, nunca a use na hora de escrever uma redação!

Boa leitura e bons estudos!

Fonte: Blog Liga da Aprovação

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “PORTUGUÊS”

Comentários

Celso Charneca Leopoldino é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, pós-graduação em Marketing para Executivos e MBA em Gestão Socioambiental. Fez vários cursos nas áreas de gestão social e de gestão de comunicação estratégica. Possui mais de 35 anos de experiência em comunicação empresarial, gestão social, relações com comunidades e relações institucionais.