POLÍTICA: Quando nem o luto é respeitado…

Nesta semana, um trágico acidente aéreo chocou o mundo. Em campo uma final sulamericana de futebol – a primeira da curta e gloriosa história da Chapecoense –, no ar, um mundo de sonhos. E para que essa esperança não deixasse de contagiar as pessoas, um time de jornalistas acompanhava jogadores e comissão técnica. Esse universo de sentimentos acabou encontrando um final doloroso, que ecoou e chocou pessoas por todos os cantos do globo.

Momentos após o acidente que vitimou a equipe da Chapecoense, colegas jornalistas e comissários de voo, diversas manifestações de apoio começaram a aparecer. O luto, que tomou conta de todo o Brasil, logo se espalhou pelo mundo – diversas homenagens emocionantes que culminaram em show de solidariedade e respeito protagonizado pelo time do Atlético Nacional – adversário da final – e todo o povo colombiano.

Porém, nem todos tiveram o mesmo respeito a esse momento de luto e solidariedade. Os políticos brasileiros, em um de seus atos mais covardes, se aproveitaram da tragédia para dar prosseguimento à sua agenda de corrupção e desrespeito à nação. Em um primeiro momento, incluíram na votação do pacote de combate à corrupção a possibilidade de que juízes e integrantes do ministério público respondam por crimes de responsabilidade. Uma clara tentativa de cercear operações como a Lava-Jato.

Isso para ficar em apenas uma das modificações feitas no pacote anticorrupção durante a madrugada de quarta-feira, quando o país inteiro lamentava o acidente aéreo ocorrido um dia antes. Mas não para por aí: também aproveitaram o momento para passar a PEC 55, que limita os gastos públicos por 20 anos. Uma medida bastante polêmica e que encontra bastante resistência em diversos setores da população.

E mais: enquanto comemoravam a aprovação da PEC 55, manifestantes eram covardemente agredidos em atos espalhados pelo país. O serviço de silenciar essas manifestações foi facilitado, pois os grandes meios de comunicação praticamente esqueceram desses fatos – assim como vêm fazendo nos últimos meses ao esconder as milhares de ocupações em instituições de ensino em repúdio ao teto dos gastos públicos.

A postura adotada pelos políticos brasileiros demonstra que nossas instituições públicas estão recheadas de pessoas que não respeitam a sua população – e que nem um momento de comoção nacional é suficiente para frear a gana deles por poder.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTROS ARTIGOS DA COLUNA “POLÍTICA”

Comentários

A profissão é jornalista. A diversão é um livro. Mas também pode ser um filme ou uma série. O esporte é futebol - desde que acompanhado do sofá da sala. O universo digital exerce grande interesse. Não dispensa uma xícara de café ou um copinho de cerveja.